Diretor de Museu lamenta depredações em protesto

Local teve vidros quebrados, fachada pichada e bandeiras roubadas

Local teve vidros quebrados, fachada pichada e bandeiras roubadas Crédito: Tarsila Pereira

Local teve vidros quebrados, fachada pichada e bandeiras roubadas
Crédito: Tarsila Pereira

A manifestação organizada na quinta-feira pelos integrantes do Bloco de Lutas terminou em depredações e pichações em Porto Alegre. Na manhã de sexta-feira, foi possível ver os estragos. O caso que chamou mais atenção foi o do Museu Júlio de Castilhos, na rua Duque de Caxias, no Centro de Porto Alegre. A administração ainda não contabilizou os valores para consertar os estragos provocados pelos atos de vandalismo. Entre os prejuízos estão vidros quebrados de duas janelas do museu, a fachada de arenito e a porta de madeira que foram pichadas com o símbolo do anarquismo e duas bandeiras do Brasil e do Rio Grande do Sul que foram roubadas.

O diretor do museu, Roberto Schmidt Prym, lamentou os estragos. “Fizemos um esforço para reabrir o local que ficou fechado por 16 anos e vem uma turma de vândalos e depreda tudo. É lamentável que tenham atacado o museu e a Catedral”, destaca.

Na Catedral Metropolitana, os vândalos picharam as palavras “Liberdade” e “Deus é Gay”. Na manhã de ontem, funcionários limpavam o local. Vidros foram quebrados no local. A fachada do prédio do Palácio do Ministério Publico, na esquina da praça da Matriz com a rua Jerônimo Coelho, foi alvo da ação dos vândalos. O local também amanheceu todo pichado. Duas agências bancárias na avenida Salgado Filho foram alvos de vandalismo.

A Brigada Militar confirmou a detenção de sete pessoas por depredação, incluindo dois adolescentes, que foram encaminhados ao Deca. Três professores ligados ao Cpers/Sindicato também acabaram sendo detidos e depois o pagamento de fiança de R$ 4 mil cada um foram soltos. Segundo a presidente do sindicato, Rejane de Oliveira, os docentes foram presos na rua Lima e Silva quando a manifestação já havia terminado. A justificativa foi que os professores estariam envolvidos nos atos de vandalismo, o que foi negado pelo sindicato, que alega que há perseguição com os movimentos sociais por parte da Brigada Militar.

Segundo Rejane, após o pagamento da fiança, a polícia dificultou a liberação dos professores. Eles foram liberados por volta das 4h da 3ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, no bairro Navegantes.

Correio do Povo



Categorias:Pichação, vandalismo

Tags:, , ,

21 respostas

  1. O “com violencia” é dos gritinhos que ele cantam, se eu fosse policial iria puxar isso, se eu não sendo um ja me sinto um palhaço quando gritam, alias, usam isso pra qualquer coisaa agora, ate pra justificar uma besteira feita.

    Exemplo, no Rock in Rio na unica confusão que eu vi, as pessoas começaram a empurrar a barreira de policiais para invadir, os policiais foram com tudo pra segurar as pessoas, mas sem nada, sem tocar em ninguem, apenas seguraram a barreira, e nisso o povo ja começou a gritar.

    Por sorte, não deu nada, alias, os policiais foram super de boa por la, não vi problema algum.

    Por mim, se tiver um verdadeiro motivo, um bom protesto, querer uma mudança, sem politicagem, por mim que toque fogo em tudo, desde que não seja historico ou que prejudique pessoas de bem.
    Ou seja, que deixe de tocar fogo em quase tudo. haha

    Quem tem que sofrer são os politicos, não a população.

    Curtir

  2. Perto da minha casa, uma senhora cansada de ter a rua mal iluminada resolveu fazer alguma coisa. Instalou iluminação dentro do pátio dela que auxiliava na iluminação da rua. Em 10 dias os “vagabundos” quebraram a lampada e escreveram no muro dela: “Contra o sistema!”. Agora me responde o que passa da cabeça de um ______ (adjetivo de sua preferência) desses? A rua era mal iluminada e perigosa, a senhora juntou os seus trocados e fez o papel da administração pública…e um _______ (adjetivo de sua preferência) me quebra a lampada e suja o muro.

    Curtir

  3. olha é necessário ter cuidado e não gerar mais violência, este tipo de atitude de destruir o patrimonio publico ou privado em manifestação tem cheiro de quinta coluna e esta tática é velha paga uns loucos para quebrar e desmoraliza os movimentos.Tática velha mas funcional.A maioria dos que se dizem anarquistas ou esquerda radical ou direita radical nem sabem o que estão dizendo quanto mais fazendo.

    Curtir

  4. Com violenciaa…

    Tem que cagalhe a pau… pouca vergonha.

    Depredar a historia, ainda se acham cultos por serem pseudos revolucionarios.

    Curtir

    • Eles provocam e usam de violencia, no entanto quando a policia se defende eles gritam “sem violencia”… Sempre se fazem de coitados, de vitimas, entao porque nao ficam em casa ou protestem pacificamente. A policia a meu gosto esta reagindo é muuuuiito pouco, esta amarrada pois se fizer qualquer coisa a midia cai em cima e os agressores de verdade ficam se fazendo de pobres vitimas.
      Acho que tem que apoiar a policia e deixar que eles façam seu serviço contra esse bando de desocupados e preguiçosos que quer tudo de graça e de mao beijada sob o pretexto de pertencer a um grupo ideologico.
      Eu li no facebook uma dessas supostas manifestantes defendendo os atos de violencia sob o pretexto que a propriedade privada é na verdade um roubo do coletivo, pode uma coisa dessas!
      Ou seja, vc se esforça, estuda, consegue um emprego, acorda cedo todo dia, ganha seu salario, com muito esforço compra uma casa, um apartamento, muitas vezes financiado em mil anos, dai vem uma vagabunda dessas que nunca fez nada na vida reclamar que vc roubou da coletividade!
      Tem que prender essa gente! Cortar pois cada vez estao ficando mais audaciosos.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: