Rodovia do Parque vai mudar paisagem e trânsito na região Metropolitana

Traçado de 22 quilômetros da BR 448 começa a se consolidar

Rodovia do Parque vai mudar paisagem e trânsito na região Metropolitana Crédito: André Ávila

Rodovia do Parque vai mudar paisagem e trânsito na região Metropolitana
Crédito: André Ávila

Um traçado de pouco mais de 22 quilômetros entre Sapucaia do Sul e Porto Alegre começa a se consolidar e a mudar a paisagem da região Metropolitana. Destoando em uma região onde antes o verde predominava, a esperada Rodovia do Parque (BR 448) se mostra com mais força e grandiosidade. Áreas inteiras ocupadas por casas simples desapareceram para dar espaço às pesadas estruturas de concreto e asfalto por onde, muito em breve, passarão frotas e frotas de veículos diariamente. A rodovia cortará plantações e extensas áreas verdes.

BR 448 começa a transformar vidas no Estado

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pela obra, mantém a previsão de conclusão em dezembro deste ano, apesar de reconhecer a possibilidade de atrasos. A data oficial deverá ser divulgada no final deste mês. Extraoficialmente, trabalha-se com o dia 18 de dezembro. A cerimônia contará com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff. Então os gaúchos poderão comemorar ou não esse presente natalino.

Depois de enfrentar dificuldades, como a demora no início da obra, paralisações de funcionários do Dnit e as oscilações climáticas, o ritmo da obra é intenso. Ao visitar pontos estratégicos do empreendimento, como a equipe do Correio do Povo fez na última semana, é possível confirmar o andamento acelerado.

A parte mais grandiosa do empreendimento, a ponte sobre o rio Gravataí, ligando Canoas a Porto Alegre, já tomou forma e, em função da sua imponência, alterou a paisagem da região. Mas serão os motoristas que sentirão o impacto ao fazerem o trajeto.

Da ponte com 65 metros de altura e 268 metros de extensão, quem chegar a Porto Alegre ficará diante da Arena do Grêmio e terá uma visão panorâmica ímpar da entrada da cidade. Nas alças de acesso, a conclusão está próxima.

Além de detalhes, terá início o processo de colocação do asfalto e da interligação com a BR 290, na Capital, e com o bairro Humaitá, também em Porto Alegre. No trecho da rodovia até a ponte, o lado de Canoas já recebeu a camada asfáltica.

Outro trecho que confirma a grandiosidade do projeto é o eixo de ligação à área industrial de Canoas. Próxima à região da Prainha de Paquetá, a estrutura construída tem quatro alças de ligação. Com isso, o condutor não precisará mais trafegar pela BR 116 para chegar a Porto Alegre. “A obra mudará drasticamente a cidade. Nascerá uma nova Canoas”, define a secretária municipal de Desenvolvimento Urbano, Joceane Gasparetto.

As expectativas maiores recaem no potencial econômico que a rodovia representa para a região. O prefeito de Sapucaia do Sul, Vilmar Ballin, que esteve ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2009, quando foi dado o início das obras, está satisfeito ao ver o projeto perto do fim. “A BR 448 vai mudar a cidade em vários sentidos. Terá impacto na qualidade de vida da população e no comércio e indústria, sendo um caminho para o escoamento da produção”, destaca. Lembra que a rodovia também dará fim a um lema utilizados pelos moradores da região: “Sabemos a hora de sair, mas não a de voltar”, uma referência a congestionamentos da BR 116.

Três lotes:

Pela complexidade do empreendimento, a Rodovia do Parque foi dividida em três lotes. Prontos e unidos, farão o traçado entre Sapucaia do Sul e Porto Alegre. Uma mobilização de prefeitos e empresários do Vale do Sinos defende a extensão da rodovia BR 448 até o município de Portão.

Sobre o projeto:

  • Lote 1: km 0 até km 9,14 — Trecho de 9,14 km, partindo do entroncamento da BR 116 com a RS 118 (Sapucaia do Sul) e seguindo até próximo ao entroncamento com a BR 386 (Canoas). Valor vigente: R$ 236,3 milhões. Conclusão: 81,72%.
  • Lote 2: km 9,14 até km 14,44: Trecho de 5,3 km da interseção da BR 386 até a empresa Bianchini, bairro Mato Grande (Canoas). Valor vigente: R$ 214,2 milhões. Conclusão: 83,49%.
  • Lote 3: km 14,44 até km 22,34: Trecho de 7,9 km da Bianchini até a BR 290 (Porto Alegre), com a ponte do rio Gravataí. Valor vigente: R$ 553,7 milhões. Conclusão: 88,66%.

Correio do Povo



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito, Rodovia do Parque

Tags:, , ,

%d blogueiros gostam disto: