Parque do Gasômetro: rebaixamento de via impede acordo

Faltou pouco para um acordo que determinasse a conclusão do texto do anteprojeto de lei que delimita a área do chamado Corredor Parque do Gasômetro, localizado na região central da Capital. Na manhã desta terça-feira (19/11), uma nova reunião do Grupo de Trabalho foi realizada na Câmara Municipal de Porto Alegre. O encontro contou com a participação de vereadores e representantes do Executivo, Ministério Público (MP) e do Movimento Viva Gasômetro.

Ficou acordado que a área do novo parque abrangerá a totalidade das praças Brigadeiro Sampaio e Julio Mesquita, também conhecida como Praça do Aeromóvel. “Ambas continuarão com a denominação original, mas fazendo parte de uma área maior que é o Corredor Parque do Gasômetro”, comentou o presidente da Câmara, Dr. Thiago Duarte (PDT). Também estará no texto do anteprojeto que o parque será integrado ao Cais do Porto, à Usina e à orla do Guaíba.

De parte do MP, Ana Maria Marchezan insistiu em dois pontos. Em relação ao primeiro, a extinção do estacionamento na praça Julio Mesquita previsto no projeto original, houve acordo de todos. O segundo, entretanto, gerou discordâncias.

A promotora defende que esteja explícito no texto do anteprojeto a obrigação de que a Prefeitura faça o rebaixamento da rua João Goulart para garantir a segurança dos frequentadores do novo parque. “A ideia do Plano Diretor é de que haja fluxo pleno de pedestres. O rebaixamento da via é o caminho para isso. Podemos definir um prazo razoável de 15 anos, já que é uma obra cara e que precisa de dotação orçamentária”, explicou a promotora.

Na avaliação do engenheiro Rogério Baú, da Secretaria de Gestão, essa definição deve ficar para o projeto executivo. O mesmo entendimento tem o vereador Cássio Trogildo (PTB). “Não há necessidade de estar escrito no projeto de lei. Isso é uma questão para outro momento. Temos que delimitar agora a área do parque antes de pensar nas próximas etapas”, argumentou.

Na tentativa de chegar a um acordo, nova reunião foi marcada para a próxima terça-feira (26/11), às 11 horas. Os participantes do grupo de trabalho terão ainda dois dias para apresentar propostas à redação final. “Precisamos agilizar o processo para que o projeto de lei seja votado neste ano”, ressaltou o presidente Dr. Thiago. Também participaram da reunião os vereadores Airto Ferronato (PSB), Engenheiro Comassetto (PT), Fernanda Melchionna (PSOL) e Sofia Cavedon (PT).

Texto: Maurício Macedo (reg. prof. 9532)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

Câmara Municipal



Categorias:Parques da Cidade

Tags:, , ,

11 respostas

  1. Escuta, o Trogildo não foi cassado, não?

    Curtir

  2. Tanta mobilizacao para criar mais um parque ao lado do Harmonia/Marinha…
    Ali o que mais estamos precisando é arrumar a orla, isso sim!!!

    Curtir

  3. Engraçado é que “eles” não tem nem vergonha de estipular um prazo absurdo desses.

    E outra, na minha modesta opinião, para que o projeto fique bom, a via deve ser rebaixada sim.

    Curtir

  4. Esse rebaixamento não faz parte do projeto do cais? Ali não teria um suposto shopping integrado ao parque e ao cais, com a rua passando por baixo?

    Curtir

  5. Ja vi que essa obra não vai sair, só por essa besteira.
    hahaha

    Curtir

    • Não acho que cumprir a lei (plano diretor) seja besteira…

      Curtir

      • Nenhuma lei, principalmente o plano diretor, que rege o urbanismo de uma cidade, que está em contínua mudança, precisa ser estático. Ele pode ser modificado conforme as necessidades desta cidade.

        Curtir

        • Então que seja mudado, ora!
          .
          Mas enquanto não o for, permanece vigente, devendo, então, ser cumprido!

          Curtir

  6. Fácil, eles não querem fazer nunca esse rebaixamento, mesmo estando lá no plano diretor desde 2010 http://vadebici.wordpress.com/2013/02/15/o-parque-do-gasometro/

    Curtir

  7. “Podemos definir um prazo razoável de 15 anos, já que é uma obra cara e que precisa de dotação orçamentária”, bom, no momento que estipulam 15 anos (QUINZE), e levando-se em conta que é obra publica, me pergunto, multiplico por quanto esse prazo???? Pelo visto, não seremos nós que veremos esse parque concluído.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: