Conheça o táxi flutuante sustentável

Tel Aviv, a capital de Israel, vai implantar um modal de transporte inovador como alternativa aos problemas de mobilidade urbana

Imagem mostra como o Skytran ficará na cidade créditos: Divulgação

Imagem mostra como o Skytran ficará na cidade
créditos: Divulgação

Tel Aviv, a capital de Israel, vai implantar um modal de transporte inovador como alternativa aos problemas de mobilidade urbana. É o Skytran, um monotrilho de levitação magnética e movido a energia solar que ficará suspenso sobre as vias. Com capacidade para quatro pessoas, o táxi poderá ser acionado por um aplicativo de celular e promete ter custo inferior ao de um táxi convencional.

O grande objetivo é massificar o que promete ser o transporte mais sustentável do mundo. Desenvolvido com tecnologia espacial no Space Ames Research Center da NASA e com paineis solares, o investimento em infraestrutura é muito baixo em relação a metrôs e trens tradicionais: 9 milhões de dólares contra 100 milhões necessários à construção de um metrô, por exemplo.

Mas daí surge uma questão: por que optar pelo Skytran se a capacidade é muito inferior a de outros modais? Segundo seus criadores, é este o diferencial. O sistema Personal Rapid Transit (PRT) quer atrair os motoristas e demais usuários de automóvel particular, eliminando o trânsito e a poluição do ar.

A estrutura do primeiro Skytran de Tel Aviv levará cerca de 18 meses para ficar pronta. Inicialmente, serão 6,5 quilômetros com um custo estimado de 50 milhões de dólares. O monotrilho, com altura de 6 metros em relação às ruas, terá estações afastadas a 400 metros das vias, sem interferir o tráfego.

E você, o que acha? O Skytran poderia uma solução viável para as cidades?

Fonte: The City Fix Brasil

Portal Mobilize Brasil



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , ,

12 respostas

  1. Sou mais o sistema de transporte coletivo de Wuppertal que funciona há muitos anos e seria perfeito para POA, especialmente passando sobre o arroio Dilúvio. Este sistema israelense é uma espécie de cópia todavia desvirtuada para o transporte individual (táxis).
    Aqui está o original e comprovadamente eficiente:

    Curtir

  2. Essa porcaria de texto não faz nenhum sentido:

    – Levitação magnética: é extremamente caro pois necessita de supercondutores. Não é a toa que só existe uma linha de trem operacional no mundo, e custou 30 bilhões de dolares para construirem 15 km.

    – Energia solar: Não gera energia suficiente. uma fotocelulas normal gera 100w por m2 em consições médias. Só pro ar condicionado iriam precisar de uns 10m2 (em Tel Aviv faz 45 graus no verão).

    – “Promete ser o transporte mais sustentável do mundo”. Quem sequer tem coragem de escrever essa frase? Mais sustentável que bicicleta?????

    – “9 milhões contra 100 de um metrô”. O texto é tão ruim que não diz qual a distância: por km? Pelo que? Não se constroi metro por 100 milhoes o km nem se usar cut em cover na china. Um monotrilho elevado sem nada mais (só o concreto) custa mais de 9 milhões por km.

    – Desenvolvido com tecnologia da nasa: igual ao meu travesseiro.

    – Por fim, sabe quem está prometendo que o skytran será construido “em 18 meses por 50 milhoes”? O prefeito de Tel Aviv.

    Curtir

    • Só pra corrigi-lo, a única linha em operação comercial de MagLev, tem 30 km, e não 15. E o custo de 100 milhões por km para o metrô está em dólares. Dá os 200 mil por km que geralmente é o custo via NATM ou Cut-and-cover.

      Curtir

  3. Lendo os comentários anteriores, não tenho dúvidas que o melhor transporte coletivo é o do tipo bonde, que inclusive aqui em Porto Alegre nós tínhamos. E hoje em varias cidades do mundo existe um desses sobre trilhos que é mais moderno e menos oneroso na instalação e manutenção, que se chama VLT que também é sobre trilhos.
    Mas, o melhor mesmo será quando tivermos à nossa disposição um sistema de teletransporte, apesar de ser individual é infinitamente mais rápido e menos desgastante para os usuários. A gente vai sair de dentro de nossa própria casa e chegar exatamente no ponto que se desejar. Nem sola de sapato vai se gastar e estaremos livres de qualquer tipo de assalto nas ruas. Só não sei se acontecerá ainda neste século.

    Curtir

  4. Acredito que seja inovador demais para sair do papel. O princípio é o mesmo do monotrilho do monotrilho de Wuppertal, mas tem um problema, usa duas palavrinhas que são moda mas não estão totalmente consolidadas, que é a levitação magnética e energia solar.

    A levitação magnética é algo que parece vantajoso, afinal, acaba com o atrito das rodas. Porém, só existe uma linha de MagLev em operação comercial no mundo, em Shangai, faz 30 km em 7 min, porém essas linhas comumente compensam somente para altas velocidades, (os carros usados na china passam 2 min acelerando, 3 em velocidade constante e mais 2 min para frear). A única exceção é o Cobra, desenvolvido pela UFRJ, que compensa justamente nessas velocidades de metrô, até 80 km/h. Porém, os Israelenses já tem acesso à essa tecnologia?

    Quanto ao uso de energia solar (termo esse que eu não gosto, afinal, é energia elétrica obtida através da luz solar, mas não muda sua natureza elétrica): É uma boa tecnologia, sem sombra de dúvida, mas ainda tem baixa capacidade, e onde estarão as placas fotovoltaicas? Nos carros, nas estações?

    Fora que no fundo, é um investimento em transporte individual. Um sistema de aluguel de carros elétricos, bikes, ou mesmo um VLT, parecem mais interessantes, e mais factíveis. Esse projeto, pela ousadia e “fantasia” me lembra aquele ônibus chinês que andaria por cima dos carros liberando o transito abaixo dele. Cada vez que vejo a respeito dele, falam como se fosse a solução milagrosa para o transporte de massas, mas desde 2008 o projeto ta ai e não existe um único protótipo até agora.

    http://engdofuturo.com.br/chineses-apresentam-projeto-onibus-passa-carros/

    Curtir

  5. Eu geralmente sou contra grandes projetos de transportes públicos e não coletivos.
    Na minha opinião esse projeto é apenas uma via elevada pra um carro simplificado que só vai onde existe essa mega infraestrutura. É muito mais simples e vantajoso construir um VLT, mas isso é só a minha opinião.

    Curtir

  6. E por que isso? Sem dúvida na resposta: os administradores públicos de Israel são mais inteligentes que os nossos e mais voltados ao bem-estar do seu povo. Parabéns Israel.

    Curtir

    • Bem dito: “mais voltados ao bem-estar do SEU povo”. Cuidam demais do seu povo enquanto oprimem a vizinha Palestina.

      Curtir

  7. E o melhor de tudo, elimina a figura do TAXISTA.

    Curtir

  8. “8 meses para ficar pronta. Inicialmente, serão 6,5 quilômetros com um custo estimado de 50 milhões de dólares.”

    Triste ser o chato de plantão a lembrar, mas se fosse no Brasil seria executado em 36 meses, apenas 3 quilômetros e o gasto de 300 milhões de dólares.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: