Metrô de Porto Alegre: 5 empresas são habilitadas

A extensão total do Metrô da Capital deve ser de 11,7 quilômetros

Prefeito lembrou que mais de uma proposta pode ser aproveitada  Foto: Cristine Rochol/PMPA

Prefeito lembrou que mais de uma proposta pode ser aproveitada Foto: Cristine Rochol/PMPA

Dois grupos e três empresas tiveram as Manifestações de Interesse (PMI) aprovadas e estão aptas a desenvolverem projetos para a construção do Metrô de Porto Alegre. O resultado da análise e julgamento da documentação referente à habilitação jurídica, projeto funcional, modelo de negócio e plano de trabalho, entregue pelos interessados no último dia 18 de novembro, foi divulgado pelo prefeito José Fortunati nesta sexta-feira, 29, no Escritório do MetrôPoa.

“Nossa expectativa é que os projetos a serem apresentados em 90 dias, respondam de forma satisfatória às nossas necessidades, que é de um metrô moderno, compatível com os recursos que temos e que possa oferecer muita qualidade e conforto aos porto-alegrenses. Tenho convicção de que essas empresas, que já têm expertise na área, apresentarão projetos de acordo com o que buscamos, para que ainda no primeiro semestre de 2014 nós possamos trabalhar no edital de licitação da obra”, afirmou Fortunati.

A avaliação dos interessados foi feita por uma comissão técnica designada pela Prefeitura Porto Alegre e pelo Governo do Estado e composta por 29 especialistas.

Foram considerados aptos:

1 – grupo formado por ATP Engenharia, Headwayx Engenharia e AGR Projetos e Estruturação;
2 – CR Almeida S/A Engenharia de Obras;
3 – grupo formado por Investimentos e Participações em Infraestrutura (Invepar) e Odebrecht Transport Participações;
4 – Triunfo Participações e Investimentos;
5 – Construtora Queiroz Galvão.

O representante da Secretaria Estadual de Planejamento, Roberto Oliveira, destacou o trabalho incansável dos técnicos para analisar o material apresentado. “Foi um trabalho intenso. Nossos 29 especialistas trabalharam dia e noite para analisar toda a documentação. Não foi tarefa fácil e temos ainda um edital complexo para elaborar e uma grande obra pela frente. Então é muito importante destacar o papel desses técnicos, que seguem critérios rigorosos para que tenhamos sucesso no projeto e na obra”, afirmou Roberto Oliveira.

Também participaram do anúncio, nesta sexta-feira, o secretario municipal de Gestão, Urbano Schmitt, e o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Capellari.

A partir da publicação do resultado do julgamento no Diário Oficial do Município e Estado, prevista para dia 02 de dezembro de 2013, as empresas terão o prazo de cinco dias úteis para apresentação de eventual recurso. Todos proponentes autorizados deverão apresentar os Projetos e Estudos Técnicos na sessão pública que será realizada no dia 12 de março de 2014, das 14 às 16 horas, na sede do Escritório do MetrôPoa, localizado na Av. Padre Cacique, 290, devendo observar os termos do Edital da PMI 001/2013.

Fortunati destacou o nível das empresas que se apresentaram, pois já possuem experiência na área, mas lembrou que a escolha será feita de acordo com o interesse público. “A partir do recebimento dos projetos, nossos técnicos farão a devida avaliação do material apresentado. Será escolhido o melhor, que apresente as melhores condições para construção, com qualidade, custo adequado, conforto e segurança. Ou ainda poderemos mesclar propostas apresentadas por mais de uma empresa ou consórcio. Não temos obrigação de escolher um único projeto. Vamos escolher as propostas que mais estejam adequadas ao interesse público, ao interesse dos usuários”, concluiu. O prefeito lembrou, ainda, que todas as propostas utilizadas serão remuneradas, proporcional à parte que for aproveitada, e disse que a licitação pública para a obra e operação será aberta a qualquer empresa, e não restrita aos aprovados na PMI.

Recursos – tem investimento orçado em R$ 4,8 bilhões. O governo federal destinará R$ 1,770 bilhão a fundo perdido. O investimento da prefeitura totalizará R$ 1,385 bilhão, somando R$ 690 milhões em financiamento para a execução da obra, R$ 195 milhões para as desapropriações e R$ 500 milhões em 25 parcelas de R$ 20 milhões, como contraprestação do serviço durante a operação. O Governo do Estado fará aporte de R$ 1,080 bilhão em financiamentos e o parceiro privado participará com R$ 1,303 bilhão.

Traçado – O Metrô de Porto Alegre está baseado em um modelo de integração com o sistema BRT (transporte rápido de ônibus) e com o Trensurb. Para garantir a viabilidade técnica e financeira da obra, o projeto foi atualizado, otimizando o traçado e definindo estações enxutas e funcionais.

A extensão total do Metrô deve ser de 11,7 quilômetros. O traçado inclui o trecho de 10,3 quilômetros da Linha 1, da Esquina Democrática (Centro Histórico) até o Terminal Triângulo (zona Norte), onde existe a demanda concentrada de transporte coletivo, e o trecho de conexão de 1,4 quilômetro até o Complexo de Manutenção. Esse espaço será instalado em área da Rede Ferroviária, localizada no bairro Humaitá, próximo à Estação Aeroporto do Trensurb. Dando sequência ao sistema, até a Fiergs, haverá corredores exclusivos de ônibus para conexão com a Região Metropolitana.

Com tecnologia baseada em um Metrô de alimentação elétrica, o projeto prevê no mínimo 10 estações (Triângulo, Cristo Redentor, Obirici, São João, Dom Pedro II, Cairú, São Pedro, Florida, Conceição, Rua da Praia).

Método construtivo – Para evitar transtornos na mobilidade urbana durante as obras, a escavação do túnel será pelo método shield (tatuzão), com escavação profunda mecanizada.

Prefeitura de POA



Categorias:Metro Linha 2

Tags:,

4 respostas

  1. Tô com medo desses termos…
    .
    \interesse público/ \traçado otimizado/ e \estações enxutas e funcionais/
    .
    Mas tenho que acreditar que tudo vai dar certo. Ojalá!

    Curtir

    • Quem me dera que o “traçado otimizado” fosse ter ao invés do traçado “Fiergs-Rua da Praia” fosse “Triângulo-Azenha” e não a supressão do trecho “Fiergs-triângulo”.

      Curtir

  2. Quando leio “estações enxutas e funcionais” lembro das paradas de ônibus que a Prefeitura gosta de colocar por aí….

    MEDO.

    Curtir

    • Me pergunto o que eles entendem por “enxutas”, afinal, o mínimo esperado é um bom sistema de ventilação e ar-condicionado, escadas rolantes, elevadores e as portas automáticas nas plataformas, que é o que está no edital da PMI.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: