Prazo para conclusão do Beira-Rio fica cada vez mais apertado

Indicativos são de que reforma do estádio do Inter não estará pronta na data estabelecida

Prazo fica cada vez menor para conclusão do Beira-Rio Crédito: AG / Inter / Divulgação / CP

Prazo fica cada vez menor para conclusão do Beira-Rio
Crédito: AG / Inter / Divulgação / CP

Um transeunte qualquer que passar pelo Beira-Rio nestes dias provavelmente ficará com a sensação de que ele não ficará pronto até 31 de dezembro, quando se encerra o prazo acordado entre o Inter e a construtora Andrade Gutierrez (AG) para a finalização da reforma.

O entorno do estádio ainda em obras indica que o prazo fixado no início das negociações dificilmente será cumprido. No entanto, a empresa assegura, em conversas com os dirigentes colorados, que tudo estará pronto até o final de 2013, como acordado.

Caso não seja cumprido o que está previsto em contrato, a AG teria que pagar uma multa estabelecida previamente no documento. Para tanto, contudo, seria preciso que a direção colorada acionasse a cobrança do que está previsto na cláusula.

Na reta final, a reforma do Beira-Rio ainda sofre com problemas. Na sexta-feira, inclusive, por pouco a obra não parou por completo, comprometendo ainda mais o prazo que parece cada vez mais exíguo. Isso porque os alpinistas que trabalham na instalação das membranas brancas da cobertura ameaçaram uma greve por falta de pagamento dos seus salários. Reclamaram também das condições de trabalho e dos alojamentos da construtora.

A AG apressou-se e garantiu que a falta era uma falha de uma empresa terceirizada e prometeu regularizar a situação. À tarde, a instalação da cobertura foi retomada. A ameaça de novas paralisações, porém, ainda causa receio entre os dirigentes. Apesar de todos os problemas, a informação repassada à direção colorada pela construtora é de que tudo estará pronto ao final de dezembro, inclusive a cobertura.

O Inter não conta com a desmobilização da AG em janeiro. O projeto do clube é contar com a assessoria da construtora ao longo de alguns meses, até que cada parte do estádio seja devidamente testada. “Não haverá uma solenidade para receber o Beira-Rio. Não vai ter uma fita para cortar. Vamos receber o estádio em um processo gradual, sem açodamento”, afirma Maximiliano Carlomagno, presidente da comissão de obras do Beira-Rio.

Os primeiros jogos receberão torcedores com o estádio ainda incompleto e longe do prometido Nos primeiros meses de 2014, a tendência é começar com cerca de 10 mil pessoas. Ou seja, um quinto da capacidade total. Aos poucos, a disponibilidade vai aumentar, até chegar na lotação máxima, mais próxima da inauguração oficial, que será em abril.

Além da obra propriamente dita, há dois entraves para serem solucionados antes da reabertura do estádio. O primeiro é a desmontagem do canteiro de obras e a retirada dos imensos guindastes e máquinas que ajudam na reforma. Este trabalho não tem data para começar (menos terminar), mas deve se iniciar tão logo as obras cheguem ao seu final.

Em seguida, os técnicos do Inter devem providenciar todas as licenças necessárias para o funcionamento do estádio. Apesar da disposição dos entes públicos em ajudar — afinal, o Beira-Rio é o estádio da Copa do Mundo —, há uma burocracia grande a ser vencida antes de o primeiro colorado a sentar-se nas remodeladas arquibancadas do estádio.

Por via das dúvidas, a diretoria do Inter já entrou em contato com o Caxias. O objetivo é continuar usando o estádio Centenário em algumas partidas, principalmente do Campeonato Gaúcho. Ou seja, pelo menos até abril, o Inter terá duas casas. O Beira-Rio deve receber cinco jogos pela Copa do Mundo, sendo quatro pela primeira fase e um pelas oitavas de final.

Correio do Povo



Categorias:COPA 2014, Reforma do Estádio Beira-Rio

Tags:, , ,

10 respostas

  1. é incrível como a imprensa gaúcha, principalmente a RBS, não admite que o Beira-rio tenha sido escolhido como o estádio da Copa 2014 em Porto Alegre. Foi terrorismo puro, enquanto as obras estavam paradas. Agora primeiro fizeram aquela barrigada da membrana da cobertura rasgada, que depois tiveram que desmentir, pois não estava rasgada porcaria nenhuma, depois a “greve” dos alpinistas, que na verdade eram 3-4 cariocas que foram demitidos por pouca produtividade e ficaram igualmente fazendo terrorismo. Sem falar nesta matéria do Correio, cujo editor de esportes é o gremista de 4 costados Hiltor Mombach, que com frequencia absurda publica no jormal textos enviados por ilustres conselheiros gremistas ( e somente gremistas, nunca vi nenhum texto de conselheiro colorado na sua coluna) como Adalberto Preiss, Carlos Josias e Evandro Krebs. Falam tanto em imprensa isenta e imparcial, mas isenção e imparcialidade passam muito longe da redação desses veículos de comunicação. Então, da mesma forma como fazem na política, assumem um lado da história, mas tem vergonha de fazê-lo publicamente.

    Curtir

  2. Mas não ia ficar pronto para a Copa das Confederações?

    Há. há, há, há, há… ou melhor ho, ho, ho, ho… papainoel.

    Curtir

  3. Esta desculpa de não ter havido, até agora, nenhuma morte durante esta reforma é bem coisa de gaúcho! Como se na construção civil estes acidentes fossem raros. Não são, nem aqui nem na China! Principalmente, na China! Se mortes assim, não previstas, são motivo para vexame para todo o país e sofrimento para as famílias, imaginem o vexame e o sofrimento que geramos quando um incêndio numa boate, numa cidadezinha gaúcha de menos de 200 mil habitantes , matou de forma bárbara e cruel 242 jovens!! Parodiando alguém: Infelizmente, se leva pouco a sério essas coisas no RS! O vento que venta lá, também venta, cá, conterrâneos!

    Curtir

    • Emersom,
      De maneira alguma é uma “desculpa esfarrapada” para o atraso. O atraso é pura incompetência. O que eu cobro, com meu comentário, é que apesar do atraso, não se deve descuidar das medidas de segurança. Com pressa, a tendência é que se faça tudo mal feito. Se houvesse planejamento, dava tempo de tudo ser feito calmamente e sem pressão nos trabalhadores.
      Se tu achas natural haver mortes no trabalho, bom, é teu modo de ver a vida, mas eu particularmente acho inaceitável. Talvez por isso, sem perceber, tu estejas comparando mortes no acidente de trabalho no Brasil e na China, que é reconhecidamente um lugar que põe a conclusão de obras à frente da saúde de sua população. Não é exemplo para nada.

      A Kiss é mais um dos exemplos do quanto não se leva a sério a segurança das pessoas.

      Achei teu comentário meio esquizofrênico, algo de um bairrismo às avessas, como se alguém aqui tivesse feito um discurso em prol do grandiosismo do RS. Confesso não ter entendido bem, mas ok.

      Curtir

  4. Pelo menos não houve tragédias como em Manaus e São Paulo. Além do sofrimento para as famílias, há o vexame para todo o país, em obras que consideram prazos mais importantes que a segurança das pessoas. Infelizmente se leva pouco a sério essas coisas no Brasil.

    Curtir

  5. Quando a arena ficou “pronta” foram meses de brigas com os bombeiros até conseguir o alvará, e dezenas de alterações no projeto.

    Vamos ver como vai ser com o Beira Rio

    Curtir

  6. Se a imprensa gaúcha ñ fosse tão tacanha, se ao invés de ficar elogiando tudo q é gaucheba – até gaúcha de bunda de fora no Rio e SPaulo tentando aparecer para ñ ter q voltar para este lugarzinho provinciano – isto ñ estaria acontecendo agora! Esta obra de reforma do BeiraRio, q transforma um estádio pobrinho em apenas um estádio pobre, já teria acabado se as cobranças como esta tivessem sido feitas no começo deste ano. A mineirada responsável pela reforma está se lixando se a gauchada passar for humilhada! Todo o Brasil espera que o RS passe vergonha perante ao mundo, apresentando um estádio inacabado, modesto, uma cidade feia e suja e um povo q ñ respeita o país a q pertence, já q, por estar morto de vergonha e de inveja o gaúcho, pode ser q , ñ respeite nem o hino nacional e cante o seu hino do estado aos berros. Como se isto bastasse para aplacar nossas carências.

    Curtir

  7. Mas será que fica pronto até fevereiro?
    Sei la, me parece que ainda falta coisas.
    Se bem que com a arena era assim, e do nada ficou pronta.

    O Inter poderia usar o dinheiro da multa pra fazer o calçamento na area.
    haha

    Curtir

  8. Dãã!!! Obvio que não fica pronto, ta na cara, acham que enganam quem?

    Curtir

  9. É falta de noticia do correio do Povo, porque a FIFA ja anunciou que a data de entrega dos estádios ficaram para FEVEREIRO 2014.
    http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-hoje/v/fifa-adia-prazo-para-entrega-de-estadios-da-copa/2996984/

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: