Canoas perde segunda posição no PIB gaúcho para Caxias

FEE divulgou levantamento referente a 2011

Caxias do Sul tem o 2º PIB do RS. Foto do Skyscrapercity.com

Caxias do Sul tem o 2º PIB do RS. Foto do Skyscrapercity.com

O município de Canoas perdeu a segunda posição no Produto Interno Bruto (PIB) gaúcho para Caxias do Sul. O principal motivo, segundo o economista Jefferson Colombo, da Fundação de Economia e Estatística (FEE), que nesta terça-feira apresentou os dados do PIB dos Municípios do Rio Grande do Sul referentes a 2011, foi o desempenho negativo da atividade de refino de petróleo, a mais importante atividade industrial do município. Pelotas (8ª) e Passo Fundo (9ª) cresceram acima da média do Estado. As duas cidades ultrapassaram Santa Cruz do Sul (10ª) no ranking das maiores economias gaúchas.

Segundo Colombo, os dez maiores municípios são baseados na indústria e em serviços. Em 2011, as taxa de crescimento de Porto Alegre atingiu 6%, Caxias do Sul (8,1%), Rio Grande (5,3%), Gravataí (5,8%), Pelotas (19,2%), Passo Fundo (9,8%) e Santa Cruz do Sul (4,7%). Com crescimento positivo, no entanto inferior à média do Estado, aparece Novo Hamburgo com 2,8%. Conforme Colombo, a lista das dez maiores economias do Rio Grande do Sul inclui ainda os municípios de Canoas (-13,9%) e Triunfo (-9,1%) que apresentaram queda nominal no PIB, em 2011.

“A queda de Canoas e Triunfo se deve à conjuntura do mercado internacional, em especial à evolução dos preços do petróleo”, ressaltou. Com relação ao PIB per capita, o economista destacou que o maior segue sendo o de Triunfo (R$ 227.536,90), devido as atividades do polo petroquímico. Em segundo lugar, aparece Pinhal da Serra (R$ 87.256,68) e Muitos Capões (R$ 68.111,02). Na outra ponta, o PIB por habitante é menor nos municípios de Caraá (R$ 7.285,49), Alvorada (R$ 7.853,42) e Itati (R$ 8.549,93).

De acordo com Colombo, em termos de volume, o Estado apresentou, em 2011, um desempenho bastante positivo, com o PIB crescendo 5,1%. O setor agropecuário foi o principal destaque, com crescimento de 18,7%. O setor industrial cresceu 2,8%, e o de serviços, 4,5%. Já em preços correntes, ou seja, em valores nominais, o PIB estadual evoluiu a uma taxa de 4,4%, com a agropecuária, a indústria e o setor serviços tendo crescido a taxas de 9,9%, -4,4% e 7,1% respectivamente. “As atividades da agropecuária e dos serviços foram as que apresentaram um maior desempenho no ano, se considerados preço e volume”, acrescentou.

O estudo mostrou que 360 municípios gaúchos (72,6%) registraram crescimento superior ao do Estado, e 136 (27,4%) apresentaram desempenho inferior, dos quais 40 (8,1%) com taxas negativas. Os municípios de Coqueiro Baixo (69,9%), Boa Vista do Sul (58,6%), Nova Bréscia (56,1%), Santa Cecília do Sul (48,8%) e Faxinal do Soturno (47,5%) foram os cinco que tiveram maior crescimento do PIB no Rio Grande do Sul em 2011.

Correio do Povo



Categorias:Economia Estadual

Tags:, , , ,

11 respostas

  1. Caxias ultrapassou o PIB de Canoas. Parabéns. Mas a onde está a renda da população se cada vez mais aumentam os bolsões de miséria, principalmente nas periferias. Isto prova que a renda do PIB está nas mãos de poucos que ganham muito, as custas do empobrecimento da classe operária. Assim ocorre com as demais cidades, inclusive Canoas. E com o Brasil. Como dizia o saudoso Tancredo Neves, ” ENQUANTO TIVER NESSE PAIS, UM BRASILEIRO SEM TETO, TODO O PROGRESSO É FALSO”.

    Curtir

  2. As pessoas ainda se deixam levar por um indicador como o PIB para medir desenvolvimento!? Definitivamente não temos uma sociedade culta e crítica, o que favorece em muito toda manipulação dos políticos que continuam iludindo a massa com dados e mais dados de um progresso, que por favor, não há! Parabenizo o Guilherme e o Fernando por terem trazido um contraponto interessantíssimo ao abordarem a realidade de Canoas, que atesta que o fato de possuir um alto pib não encontra correspondência direta com a realidade econômica e bem-estar social da população.

    Curtir

  3. Canoas tinha o segundo maior PIB devido ao polo petroquímico, que pouco reverte em qualidade de vida à população. Caxias é uma cidade infinitamente mais desenvolvida que Canoas.

    Curtir

  4. Sou canoense e digo que não me surpreendo com essa notícia, o que me surpreende mesmo é Canoas ter sido algum dia o segundo maior PIB do estado. Sei que existem vários fatores para isso, mas se isso não se reverter de alguma forma positiva para a população, é algo que não tem importância. De que adianta ser o 2º maior PIB se a maioria da população aguarda de 40 min à uma hora por um ônibus (lotado, desconfortável e sem ar-condicionado), onde não existe um corredor de ônibus ou ciclovia sequer, onde ladrões conseguem quebrar e arrombar carros em plena luz do dia, onde para uma mãe matricular o filho na escola, tem que ir até a SME, que não fica num lugar facilmente acessível, independente de onde more, enquanto a prefeitura inaugura flores em canteiros de avenidas e pendura aviões em rótulas.

    Enfim, parabéns Caxias, e Canoas, te puxa.

    Curtir

  5. Se um crescimento de 8.1% não mérito, e não entendo mais nada de Economia.

    Curtir

    • Claro, teve esse ponto, nem me liguei, e ainda me expressei mal, mas falo mais por Canoas mesmo.

      Bom pra Caxias, que é uma cidade que eu gosto muito e ta sempre bombando.

      Curtir

  6. Se ao menos fosse por méritos de Caxias, e não pela falta de crescimento de Canoas.

    Mas acredito que logo essa baita cidade volta para a sua posição, ou siga crescendo junto com Caxias.

    Curtir

    • Não se trata de falta de crescimento de Canoas. A questão é muito mais complexa, envolve a dinâmica econômica de todo o Estado.

      Curtir

  7. Esses números de Pelotas foram ótimos hein, se isso virar uma tendência o município quem sabe volte em breve a ser uma das queridinhas do Estado. Só queria entender por que Rio Grande foi tão baixo sendo que sabemos que Pelotas está recebendo em boa parte ” respingo ” de lá …

    Curtir

    • Pelotas cresceu pela safra de arroz, pouco a ver com “respingos” de Rio Grande. O que ocorre com Rio Grande é que os investimentos no pólo acabam variando muito ano após ano. Quando termina a construção de um casco sem que outro inicie pode ocorrer tranquilamente até queda drástica no PIB.

      Curtir

  8. É complicado… o PIB brasileiro está cada vez mais baixo, e sem explicações do porque, como sempre!
    Só acho, que o Brasil, sendo o país grande que é, com toda economia sobre exportação que tem, engraçado ter um PIB tão baixo como está atualmente.
    Mas é isso aí… parabéns pelo blog e pelo post!
    Ju
    http://www.marcelosegredo.com.br/servico-pessoa-juridica/direito-trabalhista.html

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: