Câmara protocola projeto que exige ar-condicionado nos ônibus de Porto Alegre

Medida não valeria para veículos já em circulação que não tenham o equipamento

Ônibus da Carris com ar

Ônibus da Carris com ar

O vereador Paulinho Motorista (PSB) protocolou, nesta quarta-feira na Câmara de Porto Alegre, projeto de lei obrigando as empresas concessionárias do transporte coletivo em Porto Alegre a oferecer ar-condicionado em todas as linhas e horários. Conforme o texto, o equipamento deve ser ligado sempre que a temperatura do ar estiver acima de 30°C, no verão, ou abaixo de 12°C, no inverno, ou ainda quando solicitado por qualquer passageiro.

Segundo a EPTC, apenas 27,5% da frota de ônibus da Capital dispõe de ar-condicionado, ou 468 de 1.705 veículos. Atualmente, a Carris é a empresa com o maior volume de veículos com ar-condicionado – 54% da frota. A medida não vale para os veículos em funcionamento que ainda não dispõem de ar-condicionado.

A partir da aprovação da proposta, todos os ônibus que ingressarem na frota deverão obrigatoriamente ser equipados com ar-condicionado com capacidade adequada ao tamanho e termômetro de mercúrio comum, com bulbo seco e leitor digital visível aos passageiros, além de janelas que permitam abertura. Hoje, a obrigação é que apenas um de cada 10 veículos novos adquiridos pelas empresas possuam ar-condicionado.

O que fala a EPTC

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) ainda discute incluir a instalação de aparelhos de ar-condicionado em toda a frota de ônibus da Capital na licitação do transporte público que está para ser lançada. Um dos entraves para que o benefício seja ampliado é o custo adicional. O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, explica que o preço maior para compra, manutenção, entre outros, pode resultar em um aumento de R$ 0,10 no preço da passagem em Porto Alegre.

Ele exemplifica citando o caso de um ônibus articulado, cujo valor normal é de aproximadamente R$ 800 mil. Essa avaliação sobe para R$ 930 mil no caso de prever ar-condicionado, o equivalente a um acréscimo de 16% no custo. Além disso, o gasto com combustível sobe em 50% e o custo de manutenção também cresce, segundo Cappellari.

A fim de unificar a frota, a opção da EPTC de instalar ou não os aparelhos de ar-condicionado nos ônibus deve valer para todas as linhas em operação após a licitação, ainda sem prazo para ser lançada. Já foi definido que os ônibus do sistema BRT (Bus Rapid Transit) contarão com ar-condicionados na totalidade.

Correio do Povo



Categorias:onibus

Tags:, ,

48 respostas

  1. O SUJEITO NÃO QUER PAGAR ALGUNS CENTAVOS PRA TER UM ÔNIBUS COM AR. AI AO DESCER DO ÔNIBUS CORRE PRA COMPRAR ÁGUA GELADA OU PICOLÉ…

    Curtir

  2. Precisa obrigar a por na frota atual.

    São centenas de ônibus, alias, mais de mil, nem sei quantos, do que adianta se só vão ir clocando poucos com ar?

    Não precisa por em todos pra ontem, mas da um prazo para ir atualizando.

    Curtir

  3. Ter até poderá ter… mas não garantem ligados nem funcionando… o que mais tem hoje é isso.

    Curtir

  4. A EPTC é mestra em dar desculpas e falar asneiras. E tem gente que apoia eles. Os mesmos que estão trancadas nos congestionamentos ou suados e apertados nos ônibus.

    Curtir

  5. Onibus pelo mundo:

    Macau – China

    Hong Kong

    São Francisco – USA

    Toronto – Canadá

    Plymouth -UK

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: