EPTC admite que tarifa da passagem vai aumentar em Porto Alegre

Presidente da autarquia disse que impacto no valor será menor após determinações do TCE

Crédito: Vinícius Rotrato / CP Memória

Crédito: Vinícius Rotrato / CP Memória

O valor da passagem de ônibus deverá aumentar em Porto Alegre neste ano. Em entrevista à Rádio Guaíba, o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari , não disse quanto será o percentual de reajuste, mas confirmou que a tarifa vai subir em 2014. Segundo ele, o impacto do reajuste vai ser menor devido às determinações do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

“O estudo técnico do TCE apontou para um cálculo que vai reduzir o aumento da tarifa, mas não que ela será reduzida. O aumento da tarifa vai ocorrer, com certeza, só que com impacto menor”, analisou o presidente. “Todos os produtos tiveram aumento no último ano. Além disso, tem o reajuste do salário dos rodoviários. Só não posso dizer de quanto vai ser esse aumento”, acrescentou.

Conforme Cappellari, a nova metodologia do cálculo da tarifa, determinada pelo TCE, confirmou o que já tinha sido definido na medida cautelar de 2013 – reduzindo o valor da passagem a R$ 2,80. “Agora, vamos colocar neste cesto de índices o que representa o custo do transporte coletivo, como os preços dos insumos, das peças, pagamento dos rodoviários e outras despesas das empresas”, observou.

A data para o reajuste da tarifa ainda não está definido. De acordo com a EPTC, o estudo técnico só pode ser iniciado após duas condições. “As empresas devem solicitar a revisão, mas apenas quando o IGPM ultrapassar 8% ou depois da celebração do reajuste do salário dos rodoviários. É feita a análise técnica e encaminhada para o Conselho Municipal de Transporte Urbano (COMTU), que terá sete dias para sua avaliação”, explicou Cappellari.

Correio do Povo

 



Categorias:Outros assuntos

32 respostas

  1. VIVEMOS O CAOS!!!!

    Curtir

  2. Governador(PT) com o apoio de empresários tentando manipular o transporte publico de Porto Alegre para que o eleitorado do prefeito se revolte contra o mesmo,para que o candidato a prefeito de seu partido possua um maior publico alvo para diversificar as suas “intenções” e receber mais votos.É transporte PUBLICO,ou seja, controlado e administrado pelo governo.É somente uma briga política.Apos a eleição a passagem vai voltar aos padroes atuais.Pensem nisso.

    Curtir

    • Acredito que não há inocentes nessa história (dou crédito às sábias palavras do felipe X) Todo mundo tentando empurrar de um lado e de outro para ver onde estoura. Por incrível que pareça, neste momento atual (que vai passar bem rápido) o beneficiado imediato é o prefeito. Muita gente está com “pena” dele por estar sendo, teoricamente, pressionado tanto pelos rodoviários, quanto os empresários. Mas como ele é muito burro, esta situação não durará muito (vide as últimas e desencorajadoras notícias publicadas). Tarso ainda está nos 50% (uma parte da população acha, inocentemente que ele nada tem a ver com a greve, em termos de responsabilidade e uma parte – a que lê jornais e têm opiniões críticas – está enfurecida por ele não feito movimento nenhum, ou via Metroplan, ou BM, ou qualquer outro meio, para minorar o sofrimento da população pobre e sem transporte justamente no meio de uma histórica e impiedosa onda de calor. Muita gente lembra que ele tb foi prefeito e nada fez para mudar o atual cenário. Ainda assim, o prejuízo político dele é pequeno, certamente o menor de todos os atores envolvidos.

      Os rodoviários e as empresas, estes estão mega-queimados com todo mundo e o apoio da população restringe-se praticamente à uma pequenina parcela de integrantes de partidos de extrema esquerda, que tb perderam muito apoio da população, que os têm visto como incitadores do movimento grevista e de sua radicalização. O mesmo pode-se dizer do Bloco de Lutas que está conseguindo atrair antipatias variadas, inclusive entre os rodoviários. Estão tendo apoio praticamente apenas dentro dos ditos movimentos sociais de ultra-esquerda e de mais ninguém. Tanto é que já estão “importando” manifestantes e sindicalistas de outros estados – até do distante Pernambuco – para atuarem na greve, conforme matérias do Correio do Povo e ZH.

      A população está vendo a Justiça como lerda e ineficiente; afinal, decisão judicial serve para alguma coisa? A realidade nos diz que não. E isto tem causado revolta no povo.

      Resumindo: o menos prejudicado é Tarso, porque a grande fatia da população não consegue relacionar a responsabilidade do gov do RS num episódio que, apenas na aparência, é uma briga entre patrões e empregados. Os rodoviários estão cavando a própria cova, mais e mais. Os empresários têm a antipatia de todos, mas é improvável que se deem mal nesta história. Muito antes pelo contrário. Vão é se dar muito bem.

      Fortunati poderia mudar sua biografia frente à Prefeitura, mas tudo indica que vai meter os pés pelas mãos mais ainda, numa demonstração assombrosa de burrice, incompetência adminstrativa e política.

      um cenário desalentador, enfim.

      Curtir

  3. Olha é tremendamente importante saber quantas pessoas tomam e pagam o onibus diariamente em Porto Alegre pois a tarifa é determinada basicamente por quem paga é a tal coisa no varejo tal produto sai 1 e no atacado 0,60. Quanto mais passageiro pagante menor deve ser a tarifa pois o sistema não fica ocioso e o aproveitamento é melhor.

    Curtir

    • Por isso que temos que exigir os números oficiais AGORA (nem que sejam estimados, mas que sejam oficiais) – ANTES da licitação, e para evitar que cada um divulgue o que bem entender, com objetivos variados, sejam eles quais forem. Esta aí uma pauta: quantas pessoas usam ônibus EM (e não de) Porto Alegre? Quantas viagens diárias cada passageiro faz em média? Quantos passam pelo Centro sem necessidade? Quanto cada trabalhador gasta dentro do ônibus entre seu ponto de partida e chegada. Quantas pessoas das cidades-dormitório se deslocam de ônibus dentro de POA. Quais os eixos mais movimentados (Leste? Sul? Norte? Norte/Vale do Sinos?) Onde existe falta de transporte coletivo? Na zona Sul? Onde existe em bom número? (No eixo Bom Fim/Moinhos?) Qual a relação dos táxis-lotação com o transporte feito por ônibus? As pessoas querem pagar um pouco mais e ter ar-condicionado em todos os ônibus ou querem pagar menor, mesmo que seja com menos conforto? Quantas querem uma coisa e quantas querem outra?

      Enfim, muitos dados a se averiguar.

      Curtir

    • Não precisa saber o número de usuários não, só precisa saber o número de passagens pagas.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: