Licitação de ônibus de Porto Alegre começa ser discutida nesta segunda

Seis reuniões do Orçamento Participativo debaterão o edital do transporte público

Crédito: Mauro Shaefer / CP

Crédito: Mauro Shaefer / CP

Nesta segunda-feira, seis encontros do Orçamento Participativo irão debater o edital de licitação das linhas de transporte coletivo da Capital. O tema será examinado nas regionais Cristal, Cruzeiro, Eixo Baltazar, Humaitá e Noroeste na temática de Cultura e Juventude. As reuniões ocorrem à noite e integram a rodada anunciada pelo Conselho do Orçamento Participativo para levar a pauta às 17 regiões e seis temáticas do OP. Os encontros são abertos a todos os interessados, com direito à manifestação, mas com possibilidade de voto somente para delegados do OP.

O debate sobre a licitação foi conduzida ao OP na última terça-feira, 11, quando o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, compareceu ao Conselho do Orçamento Participativo para apresentar os dados referentes ao processo. Na oportunidade, ficou definido que os conselheiros levarão o tema para debate nas 17 regiões e seis temáticas e devolverão os estudos até a última semana de fevereiro.

Além da consulta referente à revisão da planilha tarifária, será realizada mais uma audiência pública sobre o tema, no Plenário da Câmara de Vereadores, no dia 27 de fevereiro, às 19h. Um dos principais pontos a ser debatido com a população será o ar condicionado nos ônibus. Segundo análises realizadas pela EPTC, com o equipamento instalado em toda a frota, o custo adicional na tarifa seria de R$ 0,10. Nos encontros das regionais e temáticas do OP, além da questão do ar condicionado, serão examinados itinerários das linhas, isenções, subsídio com recursos por percentual de multas e de comercialização de espaços publicitários, Carris, sistemas de controle e fiscalização do serviço e criação de um fundo de transporte.

Licitação do transporte coletivo

A equipe técnica da prefeitura – envolvendo profissionais da EPTC, das secretarias de Gestão e Fazenda e da Procuradoria-Geral do Município – trabalha há mais de um ano na elaboração de edital de licitação para o transporte coletivo na Capital, também presente nas resoluções do Tribunal de Contas do Estado (TCE). A proposta completa para qualificação do serviço previa integração com o metrô e o sistema BRT, por isso a necessidade de estudos complementares para efetivar a licitação.

Diante da decisão judicial que definiu o lançamento do edital em 30 dias, a partir de ação movida pelo Ministério Público no final de janeiro, o prefeito determinou a publicação do edital no dia 5 de março, como prevê o prazo. “Estávamos trabalhando com transparência no melhor edital possível, prevendo uma integração dos ônibus com o metrô e os BRTs, projetos que ainda estão em desenvolvimento. Mas vamos cumprir a decisão judicial, ouvir a população e lançar o edital, buscando fazer o melhor que está ao nosso alcance”, manifestou Cappellari.

Comissão Especial de Licitação – O prefeito José Fortunati, determinou na última segunda-feira, 10, a constituição de comissão especial de licitação para concessão do serviço de transporte coletivo por ônibus. A comissão será presidida pela Secretaria da Fazenda e conta com servidores designados das Secretarias dos Transportes, de Gestão e da Empresa Pública de Transportes e Circulação. A portaria foi publicada na terça-feira, 11, no Diário Oficial de Porto Alegre.

Correio do Povo



Categorias:onibus

Tags:, , ,

10 respostas

  1. A Licitação ainda não foi publicada, engraçado que mesmo assim, embora sem publicação a mesma é motivo de discussão, a começar com essa história do ar condicionado, dando a impressão que a suba da passagem recai somente sobre essa polêmica, quando devemos discutir o processo como um todo.

    Fica muito estranho que os próprios Agentes Públicos procuram dar autenticidade a realidade do que querem os Empresários, muitas vezes o pronunciamento deixa a desejar, tendo-se a conclusiva: o cidadão parece ser tratado como se fosse carga, somente isso, com fins lucrativos.

    Vamos esperar a publicidade do Edital, aliás, que atenda as determinações do Tribunal de Contas do Estado, que ao que parece, está sendo empurrado pelo fator tempo.

    Curtir

  2. Vai começar a discussão…espero que não piore….

    Curtir

  3. Racionalização das rotas, please! Já que o custo é tão decisivo assim, por que não minimizá-lo evitando ônibus em zigue-zague e elegendo paradas dos corredores para pontos de transbordo?

    Curtir

    • Tem linhas com ziguezague pois a idéia é coletar passageiros em vários pontos de um bairro. Evitar o ziguezague não é necessariamente mais barato, pois a opção é criar outras linhas para passar nos pontos não atendidos, o que pode ser mais caro no final.

      Eliminar o ziguezague é bom para o conforto, não necessariamente para a economia. Geralmente a solução pro ziguezague é o bilhete único com linhas atendendo diferentes níveis de capilaridade.

      Curtir

      • Mas quem pega o segundo ônibus já não paga a segunda passagem. Isso foi implementado pelo Fortunati antes das eleições. Só está faltando as linhas alimentadoras e linhas tronco. Isso não acontece porque o lucro é 6,5% do custo, se aumenta o custo, entra mais dinheiro. Simples.

        Curtir

      • Aliás, havia um projeto de alguns vereadores para criar linhas expressas, que se tornaria troncais, no final das ontas. Mas daí o Cappellari ficou de mimimi dizendo que era muito complexo e que tinha que “analisar o sistema”! Hahahaha

        Curtir

  4. Acho que o tranporte publico só deveria ter isenções para estudantes… e uma passagem baixissima que todos pudessem pagar, como 1 real por exemplo…

    de todo modo… acho que todos busão devem sim ter ar condicionado, mas a tarifa precisa baixar… e quando sair o metro e o BRT eles precisam serem integrados ao transporte publico, junto com os busao intermunicipais… isso sim seria bom

    Curtir

    • E como fazer pra baixar o custo do transporte em 66% pra ter essa passagem a 1 real?

      Ou se tu quer subsídio público, considerando que o transporte público em poa custa 500 milhões por ano e que tu quer subsidiar 66%, de onde tirar 340 milhões anualmente?

      Curtir

  5. Alguem sabe o tempo de concessão dessa licitação?

    Curtir

    • É uma informação difícil de conseguir… Entretanto saiu em um quadro (gráfico) do Correio do Povo que dizia que era de 10 anos prorrogável por mais 10.

      Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: