Parem os carros! Paris proibiu a circulação de metade de sua frota de automóveis para controlar os níveis de poluição atmosférica

Para combater a excessiva poluição do ar, a prefeitura de Paris impôs, a partir da última segunda-feira (17/03), um rodízio de carros, permitindo que apenas metade da frota circule a cada dia. A medida, inédita desde 1997, foi decidida no sábado, uma semana antes das eleições municipais na capital francesa, e foi alvo de críticas dos partidos conservadores e das associações de motoristas. Mesmo assim, em nome da saúde pública, foi posta em prática.

O exemplo parisiense é (ou deveria ser) inspirador para os prefeitos e governadores brasileiros, que tremem de medo ante a ideia de qualquer restrição à circulação de carros nas cidades do Brasil.

O que viu em Paris foi um dia de reclamações e – ato contínuo – a adaptação ao novo cenário com transportes “alternativos”: o metrô, caronas, as bicicletas públicas Velib e os carros elétricos Autolib, estes com aumento de 60% na demanda durante os dias de alta poluição.

Outra ação do governo francês, rápida e merecedora de aplauso, foi decretar três dias de transporte público gratuito, assim que se constatou o aumento dos níveis de poluição na cidade.

A experiência é uma boa receita para Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e outras cidades brasileiras que sofrem com a contaminação atmosférica, especialmente nos meses de junho e julho.

Newsletter Portal Mobilize Brasil

Veja a matéria:

Cidade-luz nas trevas

Uma Torre Eiffel cinzenta como pulmões de quem fumou a vida inteira deveria fazer as pessoas repensarem se vale a pena ter um carro

Torre Eiffel em duas fotos: março/2012 (esq.) e em 12/3/2014 créditos: AFP

Torre Eiffel em duas fotos: março/2012 (esq.) e em 12/3/2014
créditos: AFP

A imagem da Torre Eiffel quase invisível graças a um intenso nevoeiro roda o mundo. Ela é cinzenta, como radiografias de pulmões de pessoas que fumaram a vida inteira. Londres e Roma também ultrapassam os níveis de poluição de Pequim, uma das capitais mais poluídas do planeta.

No domingo, o jogo de futebol de meu filho foi cancelado. Uma colega de minha filha teve um ataque de asma em plena sala de aula. De sexta a domingo o transporte público foi gratuito, mas não mais a partir desta segunda-feira 17.

As autoridades encorajaram o povo a usar as Vélib, as bicicletas com pontos espalhados por toda a cidade. De graça. Mas com um adendo: “Pedalem devagar”. Mais: caminhar é, depois da bicicleta, a melhor maneira para evitar problemas de saúde. Ah, e evitem fazer esporte. Melhor ainda: fiquem em casa.

Por que tanta poluição em uma cidade com um excelente transporte público, carros elétricos e bicicletas disponíveis ao público? Isso sem falar de um prefeito que estreitou as ruas para reduzir o uso do automóvel, ampliou calçadas, criou ciclovias. E fez mais: fechou as principais avenidas para automóveis e motocicletas nos fins de semana para que as pessoas possam caminhar, correr, pedalar, patinar.

A mescla de dias quentes com noites frias impediu a dispersão de partículas emitidas pelos escapamentos, emissões industriais e sistemas de aquecimento. Para se ter uma ideia do estrago, na sexta tivemos níveis poluição de 180 microgramas de PM10 por metro cúbico, ou seja mais do que o dobro do tolerável limite de 80.

Há 17 anos Paris atravessou o mesmo problema. Mas, é evidente, não aprendeu nada. E segundo o artigo 1 da Carta do Meio-Ambiente, “cada indivíduo tem o direito de viver em um ambiente equilibrado e que respeite sua saúde”. Em um blog do site do vespertino Le Monde, Sébastien Vray, da Associação Respire, disse: “Não defendemos os direitos das vítimas, mas daquelas que as matam”.

O maior culpado, é claro, é o automóvel, especialmente aquele movido a diesel. É uma praga comparável ao cigarro. E o governo subsidia essa indústria, visto que ela cria empregos, gera exportações. Anúncios de automóveis não escasseiam na tevê. Neles vemos famílias felizes, homens e mulheres sorridentes. O automóvel encarna a liberdade, e, por vezes, o status social.

Como diz Vray, da Respire: “Nosso país aumenta seu PIB com a poluição, não com a prevenção”.

Por exemplo, a menos de uma semana de eleições municipais, o líder direitista da oposição Jean-François Copé acha que o rodízio “não tem coerência, e na verdade se baseia apenas em pânico”. A oposição socialista-verde diz o contrário.

Já a Associação de Automobilistas defende seus interesses: a atitude das autoridades criou um caos generalizado. E os que pagam mais caro são “as famílias que vivem nos subúrbios”.

As autoridades pelo menos têm reagido. Agora automóveis e motocicletas terão de respeitar um rodízio. Caminhões terão de ficar estacionados.Táxis, carros elétricos, híbridos, ou com pelo menos três passageiros poderão circular.

Centenas de policiais estarão atentos em Paris e nos subúrbios. Contraventores pagarão 22 euros.Vários estão dispostos a desafiar a lei. Em Roma, menos mal, foram mais rigorosos: a multa será de 155 euros.

Autor: Gianni Carta / Fonte:Carta Capital

PORTAL MOBILIZE BRASIL



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito

Tags:, , ,

19 respostas

  1. Paris só pode pensar em fazer isso porque está cheia de metrôs. Nenhuma cidade do Brasil pode pensar em deixar de lado os automóveis. Se o governo federal tivesse investido em metrôs e bondes maciçamente desde a década de 70, hoje a situação estaria muito melhor. Mas o que se fez foi o contrário.

    Curtir

    • Desincentivar o uso de automóaveis sem que as cidades tenham uma rede de metrôs e outros sistemas de transporte coletivos qualificados não significa resolver o problema de circulação urbana, muito pelo contrário,

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: