Prefeitura recebe quatro propostas para a execução do metrô

Comissão irá observar critérios como confiabilidade e impactos de obras   Foto: Luciano Lanes / PMPA

Comissão irá observar critérios como confiabilidade e impactos de obras   Foto: Luciano Lanes / PMPA

Com a presença do prefeito José Fortunati e do secretário estadual do Planejamento, João Motta, foram entregues na tarde desta terça-feira, 22, as Propostas de Manifestação de Interesses (PMI) para o metrô de Porto Alegre. As cinco empresas habilitadas, duas em consórcio, entregaram no Escritório MetrôPoa quatro propostas que serão analisadas pela comissão técnica durante os próximos meses.

A comissão irá observar critérios como custos de implantação e operação, durabilidade, confiabilidade e impactos de obras, urbanísticos e ambientais. O projeto irá considerar as mais modernas tecnologias e soluções disponíveis no mercado, métodos construtivos, tipo de trem, sinalização, segurança, acessibilidade, informação ao usuário, concepção de terminais e estações de integração com ônibus e outros modais. Uma análise preliminar da Comissão Técnica será anunciada em cerca de três meses. Logo após, a proposta será submetida à consulta e audiência públicas, aos órgãos de controle e Ministério das Cidades. Posteriormente, conforme ajustes necessários, será publicado o Edital de Licitação PPP com o projeto consolidado do Metrô de Porto Alegre. A obra está estimada em cinco anos, e a concessão será por 25 anos.

A prioridade, de acordo com Fortunati, é de análise detalhada de qual a proposta que mais contemplará o interesse para o município. A prefeitura também irá contatar com técnicos da prefeitura de Madrid, com grande experiência em metrôs, para auxiliar na análise. “O próximo passo será uma análise profunda dessas quatro propostas por técnicos da prefeitura, governo do Estado, BNDES e, provavelmente, de Madrid. São projetos complexos e completos, que requerem profundidade no estudo”, explicou o prefeito, lembrando que a população também será consultada através de audiências públicas. “A consulta é uma tradição em Porto Alegre”, comentou. “Nossa principal obrigação agora é trabalhar com tranquilidade na escolha de um projeto, se existir um completo, ou a soma de um ou mais, caso o interesse público necessite”, acrescentou.

O secretário estadual do Planejamento, João Motta, lembrou do salto de qualidade na área da mobilidade para toda a Região Metropolitana. “É um dia muito importante. Estamos reafirmando o compromisso do Estado para esta obra decisiva, que envolverá, inclusive, novos sistema de ônibus entre os municípios”, destacou.

O recebimento dos envelopes contou com a presença do secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt, do gerente do escritório e coordenador do projeto MetroPoa, Luiz Cláudio Ribeiro, e do representante do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Heber Moacir Souza.

Investimento – O governo federal destinará R$ 1,770 bilhão a fundo perdido; o investimento da prefeitura totalizará R$ 1,385 bilhão, somando R$ 690 milhões em financiamento para a execução da obra, R$ 20 milhões como contraprestação do serviço durante a operação. O governo do Estado fará aporte de R$ 1,080 bilhão em financiamento, e o parceiro privado participará com R$ 1,303 bilhão.

Em fevereiro, Fortunati, Schmitt e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, assinaram Termo de Cooperação Técnica para análise, acompanhamento e apoio de equipe de técnicos do banco nos estudos referentes ao projeto do metrô de Porto Alegre. O documento formaliza a parceria que vem sendo realizada desde outubro do ano passado, após anúncio da liberação dos recursos para a obra. Conforme o acordo, o BNDES deve dar suporte técnico na avaliação dos projetos apresentados na Proposta de Manifestação de Interesse, por meio de análise técnica dos estudos de viabilidade econômico-financeira, jurídica e socioambiental. A instituição também apoiará a modelagem econômico-finaceira.

Ao município de Porto Alegre e ao Estado cabe disponibilizar todas as informações, estudos técnicos e documentação relacionados ao Projeto MetrôPoa, para que o BNDES preste a consultoria técnica. Ainda é responsabilidade dos governos analisar, selecionar, consolidar e aprovar os estudos recebidos a partir da PMI, analisar e adequar os modelos de edital de licitação, de contrato de concessão, da matriz de riscos e dos estudos de viabilidade técnica e socioambiental, e estruturar a modelagem econômica e financeira, além de definir as fontes, os valores, as condições e os procedimentos a serem utilizados para a liberação dos portes de recursos, entre outras obrigações.

População beneficiada – Após o funcionamento do metrô, estima-se que sejam beneficiados 325 mil passageiros por dia, mas, indiretamente, toda a população de Porto Alegre e da Região Metropolitana. O metrô trará não só benefícios de transporte, mas também ambientais, de desenvolvimento urbano, valorização da cidade e recuperação de áreas urbanisticamente degradadas.

Empresas habilitadas que entregaram PMI:

  • Grupo de Empresas: ATP Engenharia Ltda. / Headwayx Engenharia Ltda./ AGR Projetos e Estruturação Ltda.

  • CR Almeida S/A Engenharia de Obras em consórcio com Triunfo Participações e Investimentos S.A.

  • Grupo de Empresas: Investimentos e Participações em Infraestrutura S.A. (Invepar) e Odebrecht Transport Participações S.A. (OTPP)

  • Construtora Queiróz Galvão S.A.

Prefeitura de Porto Alegre

 



Categorias:Metro Linha 2

Tags:,

27 respostas

  1. Eu quero realmente ver é o início das obras da linha 2 do metrô que ligará a Zona Norte a Esquina Democrática. Até agora é anuncio e muita propaganda de entregas de propostas e não esquecemos que teremos eleições. Portanto é muito bá…bá…bá.

    Curtir

  2. Cada vez mais perto de concretizar um projeto todo bêbado. Que coisa deprimente.

    Curtir

  3. Tem que ter concurso públicos para as principais estações, como Mercado, Obirici, Dr. Timóteo, Cairu, etc. Isso independente da licitação para construção da linha 2 em si. As estações terão impacto gigantesco na vida dos usuários, quase tão grande quanto a implantação do metrô por si só.

    Curtir

  4. Alguém sabe o que irá acontecer com os corredores de ônibus da Farrapos e Assis Brasil depois que o metrô for construído?

    Curtir

    • Diz-se que essas vias serão reurbanizadas e que estes espaços serão destinados aos pedestres e aos ciclistas.

      Curtir

    • Corredor da Farrapos e Assis Brasil vão virar ciclovia (esta é a promessa da prefeitura). Mas possivelmente vão tirar para colocar mais 2 faixas para carros.

      Curtir

      • Por mim até poderiam virar faixas para os carros desde que devolvessem as calçadas que diminuíram da avenida um tempo atrás e colocassem ciclovias ao lados das calçadas (dos dois lados).

        Curtir

  5. E essa ATP Engenharia. Qual é? Medo dessa sigla hein? Agora – vamos combinar. “Prefeitura recebe quatro propostas”. Pensei que recebiam por um pendrive, uns cds, dvds. Mas não. Vivemos em 1914 pelo visto… hahaha um monte de embrulho, meu deus…

    Curtir

    • HAHAHAHAHAHA Pendrive? Será que cartório autentica pendrive agora, por exemplo?

      Curtir

      • Arquivos digitais podem ser assinados digitalmente, com valor jurídico. Achei um absurdo este monte de papel também !!!!

        Curtir

        • Como o Gilberto falou…

          Mas se fosse perguntar para mim, o que eu realmente esperava, era um SISTEMA DE LICITAÇÕES, protegido, tudo registrado, de preferência com muitos auditores em cima, se é que isso existe.

          Curtir

        • É assim mesmo. Tem coisas que tem que ser no papel. Negativas do INSS, da receita, e outras, acervos do CREA, do socio 1 , do socio 2, da empresa 1, da empresa 2, do consorcio, etc, acervos de projetos executados, contratos sociais, etc, etc. etc. Certamente deve ter grande parte da documentação e todas as plantas em arquivo digital e também, em meio fisico.
          Esse mundo tudo digital ainda não existe, não é confiável, mesmo uma assinatura digital em centenas de paginas passam desapercebidas. Projetos só no CAD também não existe, se tira copias em papel , por isso tem plotter. Se rabisca, se analise em grupo, no papel se ve o todo num tamanho maior, etc,etc, etc.
          É assim com os livros, haverá um dia que eles serão todos digitais. Há ainda muitas e belas livrarias, apesar dos tablets, ipad,.. Por mais que queiramos, é necessário passar uma geração, e consolidar confiança, para que tudo mude.

          Curtir

    • Quando olhei de relance, sem ler a notícia e ver as carinhas, pensei que fosse apreensão de maconha. Mas falando sério, talvez tenha sido mandado realmente um arquivo digital, todas essas folhas seriam um “back-up” físico talvez. Com um assunto sério desses, não se pode depender da sorte e de “remover o hardware com segurança”.

      Curtir

  6. Medo desse grupo Invepar/Odebrecht, o primeiro é acusado pelos cariocas de estar destruindo o projeto original do metrô do rio, junto com o governo do estado, de que deveria ser uma extensa malha e acabou virando um linhão, uma tripa, com passagens em nível entre os trens e estações construídas nas coxas. Já o segundo, opera a SuperVia com falhas diárias, e descarrilamentos mensais.

    Curtir

  7. Alguém sabe se foi aberto a concorrência à empresas estrangeiras também?

    Curtir

    • Há dois dias tu tava indignado que o BNDES iria financiar um porto no Uruguai…

      Curtir

      • Sinto lhe informar, mas uma empresa estrangeira construir e operar um metrô em Porto Alegre, que será usado por porto-alegrenses, gera empregos e faz girar a economia na região é diferente de um porto no Uruguai, com dinheiro brasileiro, não gera empregos e desenvolvimento no Brasil, muito pelo contrário, ainda ameaça o porto de Rio Grande a fechar as portas, pois sabemos muito bem como funcionam as coisas aqui no Brasil.

        Curtir

        • E os exportadores gaúchos (fumo, soja, calçados, móveis, etc.)? Tem que pagar mais caro para exportar por um porto menos eficiente? A globalização é uma via de duas mãos. Se queremos empresas estrangeiras concorrendo com nacionais para diminuir os gastos para nós, temos que fazer o mesmo na via inversa.

          Curtir

          • Frango, Carne, Autopeças, Petroquímicos… Que se fodam , o que importa é garantir a receita do porto de Rio Grande… Francamente, mas é pensar muito pequeno.

            Curtir

          • Então que a iniciativa privada uruguaia banque esse porto! Não o dinheiro do BNDES que vem dos trabalhadores brasileiros e é negado a empreendedores pequenos que querem financiar seus empreendimentos aqui no Brasil.

            Curtir

      • O que tem uma coisa a ver com outra? Mas sou contra o uso do BNDES para isso, que irá para mãos das mesmas empreeiteiras de sempre. Acho que esse metrô poderia ser totalmente privado, sem um dedinho do governo. Mas isso é pedir demais.

        Essa obra do metrô irá beneficiar a NÓS. O porto do comunista Mujica irá beneficar OS URUGUAIOS. De novo: o que tem uma coisa a ver com outra?

        Curtir

  8. Odebrecht e Queiróz Galvão estão em todas as licitações, propostas… Impressionante.
    Ah, caso alguém não saiba a Triunfo Participações é a dona da Concepa.

    Curtir

    • eles fizeram um comentário de que o projeto deles pode ir até a azenha, parece interessante, alguém tem mais alguma informação?

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: