Prefeitura esclarece situação de ponto comercial em área pública

A Prefeitura de Porto Alegre reafirma que desde 2009 vem manifestando sua disposição em manter o diálogo com o empresário Áureo Giovanella, proprietário da lanchonete Mek Aurio e permissionário de área pública localizada no entorno do estádio Beira-Rio. Naquele ano, o empresário foi informado que deveria sair do local. Desde então, o permissionário participou de reuniões com o poder público municipal com vistas a encontrar um local para sua realocação. “Eu mesmo promovi encontro dele com o Sport Club Internacional para que ele pudesse se instalar dentro da área do clube”, explicou o vice-prefeito, Sebastião Melo. O empresário, entretanto, recusou a oferta.

A permissão de uso da área na avenida Padre Cacique foi concedida em 1993, a título precário, por um prazo de cinco anos, sujeita à extinção a qualquer momento. O documento autorizava uma área construída de 18 metros quadrados. A empresa, hoje, ocupa área superior a 154 metros quadrados e nos últimos anos o proprietário chegou a apresentar projeto para ampliar seu estabelecimento para 297 metros quadrados. Até 2013, o valor pago pelo aluguel da área era de R$ 997,72, valor que passou para R$ 1.059,49 em fevereiro deste ano.

“Trata-se de uma empresa. O próprio senhor Áureo disse em entrevista em rede nacional de televisão, em 2011, que faturava mais de R$ 50 mil por mês”, comentou Melo. Na busca por encontrar outro espaço para transferir a lanchonete, a Prefeitura buscou acerto com o Inter para localizar o empreendimento na área do estádio, dispondo-se a ser interveniente no processo legal. O empresário manteve-se intransigente. Outra alternativa oferecida foi a possibilidade de voltar a ocupar um espaço público, desde que não houvesse impedimento de parte dos órgãos públicos, inclusive os órgãos de controle.

Prefeitura de Porto Alegre

Mek-Aurio



Categorias:Outros assuntos

Tags:,

33 respostas

  1. O que eu soube tb , não sei se é verdade, portanto se assim for, me penitencio, que ali é vendido bebida quente ou seja wodka, cachaça e por isso alguns já chegam nos jogos “alterados”. Se fosse comprovado, acho que seria um motivo mais do que justo para a retirada dali, pois deveria vender só refri com lanche. Até pq ,se não houvesse nada naquela área, a dispersão depois do jogos seria mais ágil, dificultando assim os ânimos mais acirrados.

    Curtir

  2. Eu sempre me perguntei o que ele fazia ali e como conseguiu aquela boquinha….
    A mesma coisa acontece com a invasão da rótula da Plínio Brasil Milano com III Perimetral onde se amalocou uma revenda de carros….(antes era uma banca de cachorro quente o PLUTÂo se não me engano também invasão)….

    Curtir

  3. O Mc Donald’s não daria certo, pois o bloco de lutas iria quebrar tudo contra o imperialismo americano.

    Curtir

    • hahahaha. Muito bom! Imaginem se o MCDonalds estivesse em um terreno da Prefeitura, com uma loja de 150m2 e pagando menos de 1000 contos de aluguel!! Meu Deus! Bloco de luta neles! Chamem o Kim Jong, o Pol Pot para acertar as contas com esses imperialistas!
      O Aureo disse em entrevista á Radio Guaíba que foi pego de surpresa e “omitiu” o fato de que estava em negociação com a Prefeitura desde 2009. Poxa! 5 anos pra ser pego de surpresa! Enquanto isso o empreendimento dele bombando e o gringo faturando! kkkk
      Não sei, mas suponho que o Inter deva ter oferecido uma área para ele, mas cobrando um aluguel COMERCIAL compatível com o local e o tamanho da loja. Óbvio que ele prefere ficar pagando essa barbadinha pra PRefeitura e aí vem acusar a FIFA, o Papa, a mãe do Badanha. Olha aqui ó: “Para a Prefeitura, existe alternativa para a manutenção da atividade do comerciante. A proposta é de que ele ocupe um espaço dentro do novo complexo Beira-Rio. Mas o comerciante, até agora, não se acertou com a direção colorada. O Inter propõe um aluguel de R$ 8 mil e a intenção do comerciante é manter os atuais custos com a Prefeitura, bem mais baixos para a locação.”
      De 1000 para 8000! Vocês querem matar o gringo do coração!

      Curtir

      • Boa, a gente lê a matéria oficial da prefeitura e já conclui o que o cara fez, o que o Inter/prefeitura ofereceu… o que mais tem aqui é vidente.

        Curtir

        • #sóquenão
          Eu ouvi a entrevista dele (Aurio) na Guaíba, 1 dia antes da entrevista do Sebastião Melo. E foi exatamente isso que o Aurio disse, está lá gravado. Simples.
          O cara tem um comércio em uma área que é pública. Paga uma mixaria de aluguel (pro porte do negócio) e não quer largar a boquinha. Até penso que ele deve ter os seus direitos e se defender, mas posar de vítima do capitalismo internacional e do imperialismo da FIFA, do Inter e da Prefeitura…conta outra né!

          Curtir

    • Até onde lembro o bloco de luta (ou black blocs infiltrados, whatever) não costumam quebrar mcdonald’s, mas bancos sim.

      Curtir

  4. Se o terreno fosse dele, tivesse pago e estivesse em seu nome ou ainda se houvesse um contrato de aluguel/arrendamento em vigência, eu seria o primeiro a defender.
    Mas parece que não é o caso, então quem manda é o dono (Inter ou Prefeitura, não sei..).

    Curtir

  5. Quem mandou ele não promover o “progresso”, ou seja, abrir um mcDonald’s em vez de abrir um “xis”? Que seja expulso pela FIFA!

    Curtir

    • É esse o pensamento que eu vejo por aqui. Um negócio que não seja de nome é um puxadinho e que passem a retro no barraco.

      Curtir

  6. É isso aí AJ e Eddyy. Pensando assim, ainda veremos POA moderna e bonita (sem esses “puxadinhos”).

    Curtir

  7. Se tá ilegal marca o dia e mete a retro no barraco.
    Simples e fácil.
    Assim que deve ser.
    Coitadinho é quem trabalha e paga tudo como tem que ser.

    Curtir

    • Exato, e acho incrivel o “O empresário manteve-se intransigente.”, ele é dono do terreno???? Passa uma escavadeira ali, a noite mesmo, e pronto. saco essa enrolação!

      Curtir

      • Eu ia dizer, a prefeitura não meteu a motoserra nas árvores de madrugada? Avisa o cara ou tira tudo daqui ou amanhã de noite vamos passar o trator.

        Quero ver se eu chegar no meio da Av Ipiranga em frente a PUC e instalar um trailler para vender lanches, todo mundo vai reclamar. Dá no mesmo, o cara está em área pública.

        Curtir

    • Concordo, com o Eddyy, é muita enrolação por uma coisa que esta errada!

      Curtir

  8. Já deram muito tempo para ele. Vende teus ultimos lanches. Depois passa na banda da Saldanha dá uma sambada e faz uma carne que ele também vai cair mais cedo ou mais tarde.
    Progresso pelo amor de Deus.

    Curtir

  9. Quero ver ele sair dali, eu particularmente não gosto do lanche dali, prefiro muito mais o do TeleX ali da frente. Só espero que removam logo, o que infelizmente, não vai ser feito com a Banda da Saldanha (que convenhamos, era pra continuar na rua Saldanha Marinho)

    Curtir

  10. 50 mil por mês.Esse não vai querer desmamar tão cedo. Aí tem os da turma que querem defender o proprietário tratando como coitadinho. Aliás, o próprio empresário distribuiu panfletos se fazendo de vítima e coitadinho… Esse cara tá faturando 600 mil reais ao ano. Já podia se aposentar. E a prefeitura e o clube ainda oferecem opções. Mas claro, ele não quer correr o risco de diminuir esse lucro…

    Curtir

    • Só porque ele ganha bastante dinheiro ele deve ser despejado? Deve-se tentar consertar a irregularidade sem afetar os negócios do proprietário, afinal o comércio é a base da economia de qualquer cidade!
      Por mais que a gente não goste de ocupações irregulares, elas têm uma função. Não é o sobre o proprietário ser coitadinho, é que remover propriedades sem preocupação com a preservação da função delas causa um IMPACTO ECONÔMICO NEGATIVO.

      Imagina que existe uma cidade grande e funcional, em que cada imóvel tem uma função e causa efeito em outros, como uma grande reação em cadeia (comerciantes dependem de vendas para pagar seus funcionários que pagam seus aluguéis que serão gastos no comércio e assim por diante). É lançado um plano diretor que decide destruir uma quadra contínua ao longo de várias avenidas para o alargamento delas e não existe política alguma de realocação dos imóveis porque, agora, eles são considerados irregulares. O que acontece após a remoção desses imóveis? Provavelmente toda uma parcela da economia da cidade iria colapsar.
      A remoção de apenas um imóvel do lado do Beira-Rio é isso em menor escala. Muita calma ao gritar que algo é irregular e que deve ser jogado abaixo.

      Curtir

      • “Na busca por encontrar outro espaço para transferir a lanchonete, a Prefeitura buscou acerto com o Inter para localizar o empreendimento na área do estádio, dispondo-se a ser interveniente no processo legal. O empresário manteve-se intransigente.”

        Curtir

      • Nada a ver. Se for assim, que ocupem todas as praças e parques da cidade e lucrem milhões sem pagar impostos ou aluguéis praticamente desprezíveis. Vamos também aceitar a criminalidade pois fomos nós – a sociedade – que a causamos.

        Curtir

        • Eu não falei que sou pró ocupação irregular, eu falei que a realocação não deve ser extremista porque afeta negativamente a economia da cidade e sua população.

          Curtir

      • Claro que deve ser despejado. A área é pública, esta pessoa privatizou área pública, quem da prefeitura autorizou isto?! É um absurdo toda esta ocupação de áreas públicas com negócios provados. Sou totalmente a favor da iniciativa privada, mas não esta forma, este “capitalismo” brasileiro. que na verdade é uma forma de roubar do estado. Claro que deve ser despejado imediatamente!!! O fato de lutarem contra a prefeitura que permitiu que ele tivesse o privilégio de ocupar uma área pública por uma ninharia fala bem do caráter desta pessoa. Vamos favorecer os verdadeiros capitalistas e abaixo estes piolhos do estado!!!

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: