Febre da Copa contagia turistas estrangeiros

Torcedores se assustaram com policiais armados, chamados tropa de “Robocops”

Torcedores se assustaram com policiais armados, chamados tropa de "Robocops"  Crédito: Tasso Marcelo / AFP / CP

Torcedores se assustaram com policiais armados, chamados tropa de “Robocops”
Crédito: Tasso Marcelo / AFP / CP

Apesar dos alertas da imprensa internacional sobre problemas de transporte ou segurança no Brasil, os turistas estrangeiros se renderam ao clima de festa da Copa do Mundo. “A imprensa nos deixou um pouco preocupados, mas fomos logo contagiados pela febre”, explicou Leonardo, colombiano de 32 anos que resumiu em poucas palavras o sentimento da maioria dos torcedores.

Antes do Mundial, vários meios de comunicação internacionais, agências de viagem e até os governos dos países classificados para a competição alertaram seus compatriotas sobre perigos ou dificuldades que os esperavam no Brasil. Assaltos, manifestações violentas, problemas de aeroportos, mobilidade urbana. “Há uma enorme diferença entre o que esperávamos e a realidade”, explica Tom, torcedor belga de 31 anos.

“É óbvio que chegamos com um pouco de medo. Nos disseram que era preciso tomar muito cuidado com roubos. Ficamos com medo de ter os documentos roubados”, concordou seu amigo Christophe.

Apesar das preocupações iniciais, os turistas estrangeiros parecem ter se tornado imunes ao sentimento de insegurança. No Rio de Janeiro, a diminuição da onda de protestos e o forte esquema policial tranquilizam os mais “medrosos”.

“Robocops” assustam

“Este esquema policial é uma boa coisa, porque há turistas de todas as partes do mundo, que às vezes não têm noção do perigo”, comentou Kotaro Ninomiya, estudante americano que vive em San Diego, na Califórnia.

“O mais importante é ser bem informado. É uma questão de bom senso. Tem que evitar favelas e alguns bairros à noite”, resumiu Luke Stepien, canadense de 26 anos.

Já o mexicano Mauricio Torres viu no Brasil muitas semelhanças com seu país. “No México, as pessoas também têm uma certa percepção da insegurança, com tudo que a mídia conta sobre os traficantes, mas isso não te impede de ter uma vida boa, desde que saiba onde é melhor não pisar”, explicou.

(…)

Clique aqui para ler a matéria integral, no Correio do Povo



Categorias:COPA 2014

Tags:

5 respostas

  1. Nas proximidades dos estádios pode até ser seguro, mas na zona sul de Porto Alegre, nas redondezas do bairro Ipanema estão roubando carros com a maior facilidade, principalmente em dias de jogo do Brasil.

    Curtir

  2. Conhecer o Brasil independentemente da Copa é excitante para os estrangeiros, isto pode parecer algo especial para porto-alegrenses pois a capital está sendo visitada neste momento, para quem vive(u) em cidades realmente turísticas como Rio e Foz por exemplo, não tem nada demais, normal, eles curtem muito mesmo e depois partem. Agora, se tivessem que continuar na real do dia-a-dia por aqui, seja POA, Rio, Sampa, Foz, Salvador, meu, os caras iriam odiar, pois estamos anos-luz aquém dos países realmente desenvolvidos e aí sim iriam sentir toda diferença que faz estar em um lugar organizado e no caso não estar.

    Curtir

  3. Isso e coisa da MÍDIA !!!!!! POLITICAGEM !!!! Uns querem CONSTRUIR, FAZER , DESENVOLVER, TRABALHAR!!!! Outros só querem DESTRUIR, DESUNIR, QUEBRAR ! Tudo pelo PODER FINANCEIRO !!!!!!!

    Curtir

  4. Pode sair tudo as mil maravilhas mas sempre haverá alguém para desmerecer…..

    Curtir

  5. O problema é que é copa do mundo, as coisas não são sempre assim, e caso eles queiram voltar, vão precisar saber bem sobre isso.

    De resto, ate que deu tudo certo.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: