Em um ano, reforma do Salgado Filho atingiu 2,34%, revela Infraero

Entrega das obras de ampliação do terminal de passageiros fica para 2016

Situação no final de agosto. Foto: Gilberto Simon

Situação no final de agosto. Foto: Gilberto Simon

A Infraero revelou nesta segunda-feira que, em um ano, só foram realizados 2,34% da ampliação do terminal de passageiros do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre. Um Termo Aditivo no contrato permitiu a entrada da Construtora Damiani Ltda. no processo, no papel de interventora. Mesmo que não altere os valores do contrato, que permanecem de R$ 181,1 milhões, o aditivo posterga para novembro de 2016 o prazo de execução da obra, cujo término era previsto, de início, para janeiro do mesmo ano. Esse prazo já havia sido transferido, para maio, e agora se estende em mais seis meses.

Em julho, a Infraero confirmou ter multado a empresa Espaço Aberto, responsável pela obra, em R$ 161,7 mil, ainda em fevereiro, por atraso no cronograma. Esse valor já foi retido do pagamento do consórcio. Na época, o engenheiro José Bonatto justificou que a punição se deveu ao que ocorreu no início da obra, em 2013. A greve dos trabalhadores no canteiro de obras também complicou a situação, na metade do ano.

Correio do Povo



Categorias:Aeroporto Internacional Salgado Filho

Tags:,

17 respostas

  1. O que mais me deixa INDIGNADO é que a construtora não irá pagar multa nenhuma, e logo estará fazendo obras em outros lugares. Quem paga multa neste país são apenas os motoristas… empresas eu desconheço.

    1) Vejam os casos das petroleiras, que são condenadas a pagar multas bilionárias por causa dos vazamentos no mar (não pagam – o último caso inclusive, veio o presidente da petroleira lá dos EUA. Quando questionado se iria pagar a multa, não respondeu. E não pagou).

    2) As construtoras atrasam a entrega das obras, não pagam as multas previstas em contrato e ainda metem aditivo no governo (longe de mim defender qualquer governo, pra mim estes atrasos são todos propositais, são todos amigos).

    3) Ah, e claro, os sindicatos, condenados a pagar multa por greves totalmente fora da constituição. Nunca vi 1 sindicato pagar qualquer multa. Resultado, mais greves no próximo ano sem seguir o que diz a Constituição ou o que determina a Justiça (x% da frota de ônibus nas ruas, por exemplo).

    Experimentem colocar 1 dono de construtora na cadeia pra ver se a coisa não muda. Mas é claro… o dono da construtora é amigo do político, que é ligado ao presidente de um tribunal, que é chefe do juiz que vai avaliar o caso. Não é só no Brasil, é verdade, mas aqui é demais!

    E começa pela população mesmo (me tiro dessa, com orgulho). Adoram dizer que político é corrupto (e são), mas quando se trata de meter um aditivo indevido em um cliente para ganhar uma grana a mais, aí tá tudo bem! É uma lógica estranha… “No governo é corrupção, na minha empresa é aditivo”.

    Curtir

  2. Será que fica pronta até a (próxima) Copa no Brasil?

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: