Duas paradas de ônibus de Porto Alegre passam a contar com identificação de linhas

Cristovão Colombo foi primeira avenida e receber nova sinalização

Marco Aurélio Ruas

Primeiras placas foram instaladas na avenida Cristovão Colombo | Foto: Lucas Barroso / Divulgação / PMPA / CP

Primeiras placas foram instaladas na avenida Cristovão Colombo | Foto: Lucas Barroso / Divulgação / PMPA / CP

Ficará mais fácil saber se uma determinada linha de ônibus passa numa parada de Porto Alegre. Pelo menos esse é o objetivo com as placas informativas que começaram a ser instaladas nesta quinta-feira nas paradas de ônibus da avenida Cristovão Colombo. O grande diferencial delas é que identificam quais as linhas que passam naquele local.

Além de facilitar para o usuário, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) estima que haverá redução significativa no número de ligações para o serviço de informações. Apenas no ano passado, os telefones 156 (Fala Poa) e 116 (EPTC) receberam mais de 5,6 milhões de ligações, sendo que a principal demanda era sobre transporte.

Neste primeiro momento, serão instaladas as novas placas nas paradas do eixo Cristovão Colombo/ 24 de Outubro/ Plínio Brasil Milano. Esse serviço deverá ser concluído ainda na primeira quinzena de novembro. Depois, começarão a ser instaladas na avenida Érico Verissimo.

Durante a instalação, usuários do transporte público parabenizaram a iniciativa. “Vai facilitar muito a vida. Vou parar de ficar perguntando para os outros que linhas que passam em cada parada”, relatou Hilária Müller, de 69 anos. Ela também agradeceu pelo serviço ser disponibilizado de maneira simples e sem a necessidade de acesso à internet. “É só olhar a placa, não é preciso usar celular ou outros equipamentos”, comentou. A mesma avaliação fez a passageira Ana Maria dos Santos. “Como ando muito pela cidade, às vezes fico em dúvida se determinada linha passa onde estou. Assim, vai facilitar meu deslocamento”, relatou.

Segundo o presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, haverá uma unificação no modelo das placas. Os consórcios, por exemplo, serão identificados por cores. Ao todo serão três tipos de placas. O padrão, para paradas comuns, terá o nome e o número das linhas. Já as maiores, que serão instaladas em grandes terminais, contarão ainda com o itinerário e o primeiro e último horário de cada linha. Serão instaladas ainda aquelas menores, para locais de pouca movimentação, que terão número e nome das linhas. Porto Alegre conta com 5,6 mil pontos de parada de ônibus.

“É uma maneira de qualificar o sistema de transporte coletivo tendo um padrão de serviço, que permitirá ao passageiro ter a mesma informação em qualquer lugar da cidade”, afirmou Cappellari.

Correio do Povo



Categorias:Outros assuntos

Tags:

23 respostas

  1. Já é um começo, o próximo passo é dar um nome pra cada parada

    Curtir

  2. Essas diferença de cor, incluindo o polêmico fundo azul claro com a letra branca, é para identificar cada consórcio. Qual a importância dessa informação para o usuário? Aliás, essa preocupação em marcar essa diferença de cores reflete a não integração do transporte coletivo em Porto Alegre.

    Curtir

    • Pois é, não é como se a gente pudesse esoclher o consórcio preferido.

      Curtir

    • Pablo e Felipe, não sei se é de vossas sapiência, mas cada consórcio de Porto Alegre atua em uma determinada zona da cidade. Não é difícil imaginar que sabendo qual consórcio vossa excelência está pegando, você sabe para onde o ônibus irá.

      Curtir

      • E quais as linhas ou consórcios que cruzam as zonas? Está aí a prova do transporte não integrado.

        O pior é ver o José vir xingando com sua arrogância. Até parece o Fortunati mesmo.

        Curtir

      • as cores fazem sentido porque indicam pra qual zona da cidade cada linha vai, porém vão mudar tudo com a licitação e brt’s então meio que é perda de tempo. acho que os números tinham que ser maiores e a placa mais baixa também

        Curtir

  3. Eu achei a proposta muito boa. Acho até que se será ruim de algumas pessoas conseguirem ler, pior era antes que nem tinha! Já é um avanço. Mas existem opções diferentes e até mais completas pelo mundo. Quando estive em Inmsbruck na Austria percebi e usei as informações que tinham nas paradas… tem quadros com os horarios e dias de todas as linhas que ali passam… nessaa foto dá para ver a direita:

    Curtir

  4. Quanta mediocridade, EPTC!

    Curtir

  5. A letra branca com o fundo azul clarinho, como a foto está circulando na mídia, e ainda lá em cima fica difícil para ler mesmo.

    Curtir

  6. Eu não vi, mas, estão dizendo que os dizeres abaixo dos números das linhas são muito pequenos. Se realmente for assim, então, aconselho os usuários a levarem consigo uma lupa.

    Curtir

  7. Não me entendam mal, pois saúdo a iniciativa da EPTC – principalmente por ter saído da inércia, mas…

    Será que pessoas mais idosas ou com dificuldade de visão conseguirão visualizar as informações?

    Sim, vi que na reportagem uma senhora de 69 anos ficou feliz com as placas, mas pode ser que tenha boa visão, por isso talvez fosse melhor placas que ficassem na altura dos olhos…

    Ainda não vi elas para saber se as letras são grandes.

    Curtir

    • Entrei só para comentar sobre isso. Eu tenho 30 anos e mesmo assim não consigo ver a informação lá no topo da placa. Não teria ninguém para projetar e pensar melhor nesse tipo de coisa? Quanto ao tamanho, a identificação do ônibus parece ser grande, mas e o texto que vem logo a baixo, pra que serve aquele texto se não der pra ver.

      Curtir

    • Pensei nisso agora, essas placas deveriam ser coladas na própria parada, ou bem baixo no poste.
      E tá faltando o C-B ou B-C.

      Curtir

    • E os analfabetos, como farão para descobrir qual ônibus pegar?? E os cegos?? E se a luz solar estiver incidindo na placa e fizer ofuscar o nobre transeunte??

      Só pode estar de sacanagem, né amiguinho.

      Curtir

      • Está faltando a indicação em braile e os analfabetos sabem os números e o desenho das letras.

        Fora isso, deixar a placa da parada em cima e a indicação das linha na altura dos olhos é um esforço impensável para a prefeitura, que acarreta com o custo astronômico.

        Bando de incompetente! Vou te contar…

        Curtir

      • E se for um cadeirante cego?? A placa deveria estar a 1 metro do chão, com braile e sinal sonoro!! Maldito Carrollari.

        Curtir

      • O que mais me enoja desse Fortunatti é a arrogância de tentar justificar sua própria incompetência. Ma vá trabalhar direito ao invés de ficar procurando pelo em ovo!

        Curtir

    • Pela foto as placas parecem ser bem grandes.
      Mas esperava algo melhor.

      Curtir

    • Novamente incompetência em ação..

      Curtir

      • Que absurdo. Olha a altura da placa da imagem à esquerda. O menininho (que já usa óculos) está visivelmente perdido, sem saber qual ônibus pegar, visto que não consegue enxergar o letreiro. Deve ter sido o Fortunatti que fez. Risos.

        Curtir

      • Lógica Fortunatti. Já que tem 0.1% da população que tem dificuldade de ler a placa, podemos piorar para que 10% da população tenha dificuldade de ler a placa. Melhorar não dá, né? Tem que fazer nas cochas mesmo, como tudo por aqui.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: