São Paulo inova com faixas de segurança em X

São Paulo terá faixas de pedestres em X

Sistema paralisa tráfego em todos os sentidos para permitir a travessia segura, inclusive na diagonal

Exemplo: travessia em diagonal na cidade de Tóquio (2012) créditos: Chensiyuan

Exemplo: travessia em diagonal na cidade de Tóquio (2012)
Créditos: Chensiyuan

A partir desta segunda-feira (8), a cidade de São Paulo vai ganhar duas faixas de pedestres adicionais em diagonal no centro da capital paulista.

A implantação será feita pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para permirir que pedestres atravessem o cruzamento das ruas Riachuelo e Cristóvão Colombo, ns proximidades do Largo São Francisco. O objetivo é facilitar a travessia dos pedestres, explicam os técnicos da CET: em vez atravessar duas faixas para chegar à calçada oposta, as pessoas poderão fazer a travessia de uma única vez, em diagonal.

Segundo a CET, o pedestre economizará 28 segundos na travessia, que hoje, em duas etapas leva 89 segundos. Trata-se de um projeto-piloto que poderá ser estendido a outros cruzamentos de São Paulo.As faixas em X são um sistema de travessia de pedestres que interrompe todo o tráfego de veículos durante um período para permitir que as pessoas passem pelos cruzamentos em todas as direções, incluindo a diagonal, ao mesmo tempo.

Projeto da nova faixa de pedestres em São Paulo

Projeto da nova faixa de pedestres em São Paulo

Iniciativa dos anos 1940

O sistema foi usado primeiro no Canadá e depois nos EUA, nos anos 1940, mas caiu em desuso porque os engenheiros de trânsito decidiram priorizar o tráfego de veículos. Agora, em função de garantir o conforto e segurança dos pedestres, as faixas em X voltaram a ser adotadas em várias cidades do mundo, como Tóquio, Londres, Chicago, Auckland (nova Zelândia), e em várias localidades do sul da Austrália.

Conhecida como “Barnes Dance” a travessia em X homenageia o engenheiro de tráfego Henry Barnes, que foi um forte defensor da solução, ainda nos anos 1940. Diz a lenda que Barnes observara as dificuldades de sua filha para atravessar as ruas, no caminho para a escola e que decidiu implantar um protótipo da faixa no cruzamento diante de sua casa, em Denver, no Colorado em 1940. Na época, um jornalista escreveu que a faixa em X havia deixado as pessoas tão felizes que elas estavam dançando pelas ruas. Daí, Barnes Dance.

Portal Mobilize



Categorias:Outros assuntos

11 respostas

  1. a EPTC pira

    Curtir

  2. Chicago não tem, SF sim.

    Curtir

  3. EPTC, vou facilitar seu trabalho. Na esquina da República com a José do Patrocínio a sinaleira de pedestre já bloqueia todo o fluxo. É só pintar a faixa, e ainda podem fazer propaganda de pioneirismo !

    Curtir

  4. Mais uma empresa do Eike Batista?

    Curtir

  5. Resta saber se a indiarada que circula de carro em nossos centros urbanos, e que tem origem na idade média, vai saber para que servem faixas zebradas em X ou diagonal? Podem achar que é um tabuleiro para jogar e ganhar quem derruba mais pedestres.

    Curtir

  6. quis dizer “ah”, e são limpos.

    Curtir

  7. Em que pese todos os grandes e infindáveis problemas que São Paulo tem, esta cidade sempre teve ótimas iniciativas em relação ao transporte público.

    Seus corredores de ônibus são bonitos, elegantes, e sem muros. Há, e são limpos.
    E o melhor: há muitos anos essas paradas também tem um letreiro eletronico dizendo quanto tempo a linha X vai demorar para chegar ali.

    Esses mesmos corredores não tem muros horrorosos nas faixas exclusivas. Como fazer com que os carros não entrem nessas faixas exclusivas? Pois usam uma solução até mais eficiente do que, de vez em quando, ter um fiscal ali: essas faixas sem muralhas tem “caetanos” que tiram fotos dos carros espertinhos que entram ali.
    Isso livra a cidade da paisagem horrorosa que nossos corredores têm, que estragam o visual das avenidas que são escolhidas pra ter esses trambolhos porto-alegrenses horrorosos e degradantes.

    Outra: muitas linhas de trem têm, em suas estações, garagens enormes para guardas bicicletas. Ou seja: muita gente vai, sua casa, de bicicleta pegar o trem e metrô.

    Já aqui nesses pagos guascos, a engenharia de trânsito é medícocre, e sua aparência é constrangedora.

    Curtir

    • Só vai melhorar (talvez) quando o homem de 2 metros sair da administração e levar o Capellari junto. Esses são da filosofia “Pra que facilitar se dá pra dificultar?”

      Curtir

  8. No Japão tem uma assim que é famosa

    Curtir

  9. E EPTC vai comemorar isso botando mais gradis na Osvaldo Aranha.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: