Universidade de Porto Alegre terá serviço de aluguel de carros elétricos

Universidade Federal do Rio Grande do Sul vai iniciar teste de carro elétrico compartilhado. Serviço funcionará ainda em 2015 e atenderá a comunidade acadêmica

Modelos são dobráveis, o que reduz o espaço créditos: Divulgação

Modelos são dobráveis, o que reduz o espaço
créditos: Divulgação

A partir deste ano, começa a funcionar em Porto Alegre, ainda em fase de testes, o compartilhamento de carros elétricos na UFRGS, similar ao que já acontece com o Bike Poa. O projeto Sivi (Sistema Veicular Inteligente) vai beneficiar primeiro a comunidade universitária, já que as duas primeiras estações, cada uma com um carro, ficarão nos campi Centro e do Vale.

A tarifa ficará em R$ 24. O carro elétrico chega à 70 km/h. O veículo não é poluente, é isento de IPVA e roda a cerca de R$ 0,10 por quilômetro.

 

Criado por estudantes da pós-graduação, que montaram a startup MVM Technologies, o sistema poderá chegar em toda a capital. “Temos um planejamento para segunda etapa, tornando possível um serviço de escala, em Porto Alegre. Fora disso, a expansão para região metropolitana, o que é possível , temos que ver um prazo mais longo”, explicou o diretor executivo da empresa, Lucas de Paris.

O modelo, implantado nos Estados Unidos e na Europa, permite ao usuário pegar o carro em vagas ou garagens espalhadas pela cidade e devolvê-lo, depois, em um período determinado. Em dezembro passado, o sistema começou a funcionar no Recife, e em 2015 deve estar em funcionamento também no Rio de Janeiro.

PORTAL MOBILIZE BRASIL

Fonte: RBS 



Categorias:Carro Elétrico

Tags:, ,

8 respostas

  1. Esses 24 reais é por quanto tempo? a viajem de um campus ao outro?

    Curtir

  2. Espetacular! Eu fiquei muito afim de andar nesses carrinhos em Paris, as estações eram em locais privilegiados em relação ao carros particulares. Mas acabei sempre alugando as bikes mesmo. Acredito que esses 24 reais sejam a tarifa mensal, se diz que é semelhante ao bikepoa, deve ser cobrado somente se utilizar.

    Curtir

  3. Este veiculo da foto e fabricado em Barcelona-ES, chama-se Hiriko(vide google), custa la 12.500(doze mil e quinhentos Euros)….muito interessante

    Curtir

  4. Pô, muito bom.
    Se tivesse uma estação perto de casa, uma no trabalho e depois na Puc, eu usaria em dias de chuva tranquilo.

    Curtir

  5. Administradores do Blog Porto Imagem, olhem o absurdo:

    Aprovaram no Conselho da Infraero a ampliação, mas mudaram o discurso:

    http://m.zerohora.com.br/noticia/4706490/conselho-de-administracao-da-infraero-aprova-ampliacao-da-pista-do-salgado-filho

    Por favor façam um post com esse meu comentário:

    Padilha já disse que Secretaria da Aviação Civil possui recursos próprios na casa de mais de quatro BILHÕES de reais, oriundos do Fundo específico que o órgão dispõe, decorrentes das cobranças das taxas da aviação civil, e que por isso não é preciso contar com a ajuda do cofre geral do Governo Federal e etc. Ele deixou isso bem claro aos jornalistas na segunda reunião do movimento pró-salgado filho (aquela onde apresentou os slides). Disse que por isso mesmo, passando no conselho, que seria uma mera formalidade, a obra pode sair “imediatamente” (leia-se, iniciar os trâmites licitatórios), pois dinheiro tem.

    Que papo é esse agora de que vai depender de PAC-3? Os jornalistas não questionarão isso? É um equívoco essa informação ou muita sacanagem essa mudança agora de discurso, pois Padilha já havia dito que há recurso assegurado diretamente do Fundo da Aviação para tanto. Parece forçassão de barra pra iniciar a discussão desde o princípio novamente, qd já ficou acertado que o conselho aprova e depois logo em seguida já se iniciam os passos concretos seguintes.

    Em ZH:

    “— Não se preocupem com restrição fiscal. Nossa secretaria (de Aviação Civil) tem recursos próprios. O dinheiro é nosso, do Fundo Nacional de Aviação Civil — afirmou Padilha.”

    “[…] o recurso necessário para expandir o Aeroporto Internacional Salgado Filho está garantido. A afirmação foi feita na tarde desta sexta-feira, em Porto Alegre, pelo ministro da Aviação, Eliseu Padilha, durante reunião sobre o Plano Diretor do aeroporto, no Palácio do Ministério Público.”

    Fonte:

    http://zh.clicrbs.com.br/rs/porto-alegre/noticia/2015/02/eliseu-padilha-garante-que-havera-dinheiro-necessario-para-ampliacao-do-salgado-filho-4695500.html

    Ou seja, que não venham agora falar em dependência do PAC-3. Incertezas de recursos e blá, blá, blá. O Ministro assegurou a verba, oriunda de recursos de fundo próprio, terá que cumprir. Ou será duramente cobrado para que assim o faça.

    Ass.: Felipe Oliveira da Silva

    Curtir

  6. Pessoal, acho que foi a Zero Hora que errou feio agora e deu uma de Sul21, que também errou recentemente, pois a nota oficial emitida há pouco no site da Secretaria de Aviação Civil, em conjunto com a Infraero, em NENHUM momento menciona que esses recursos necessários serão do PAC-3, como a reportagem de ZH agora diz e como a reportagem do Sul21 disse anteriormente, então não sei de onde ZH tirou isso, já que o próprio Ministro Padilha havia dito que seriam do Fundo próprio da Aviação Civil e que a obra, portanto, poderia começar os trâmites imediatamente à essa aprovação.

    http://www.aviacaocivil.gov.br/noticias/2015/02/nota-a-imprensa-abertura-de-licitacao-para-ampliacao-da-pista-do-aeroporto-salgado-filho

    Curtir

  7. Pena ser somente dois veículos, mas a proposta é interessante. Em tempos de gasolina cara (enquanto ela barateia em todo o resto do mundo) é realmente interessante a possibilidade de se locomover em um carro com custo/km de R$ 0,10. E o melhor é que o carro elétrico exige bem menos manutenção pois o cambio é mais simples, de apenas duas marchas (uma à frente e uma à ré), não tem radiador, filtro de óleo, bomba de gasolina, bicos injetores…

    Enfim mas algo que realmente vejo que faz falta e seria muito bem aproveitado pelos alunos (talvez até mais simples e barato), seriam estações do BikePoa na PUCRS e em todos os Campi da UFRGS, tem inclusive espaço e caminho para fazer uma ciclovia dentro do Campus do Vale, começando pela escola de Agronomia e indo até o “centrinho” do Vale. Isso é algo que beneficiaria e muitos os alunos e nenhum DCE sequer cogitou até hoje (eles estão ocupados com temas que pelo visto são muito mais importantes para o estudante, como legalização a maconha, do aborto…).

    Curtir

  8. Ótimo iniciativa! Tomara que se espalhe pela cidade, assim como as bikepoa se espalharam.

    PS: não posso deixar de imaginar… Como seria uma freada brusca a 60 km/h com esse veículo? Pois vejam que o balanço dianteiro (distancia entre o eixo e a ponta do parachoque) é quase zero… E o motorista vai em posição elevada bem em cima do eixo dianteiro!

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: