Trânsito no viaduto da Bento Gonçalves será parcialmente liberado na próxima semana

Segundo secretário de Obras, Mauro Zacher, faltam apenas alguns ajustes

Serão seis faixas de tráfego, com extensão total de 540 metros em três níveis | Foto: André Ávila

Serão seis faixas de tráfego, com extensão total de 540 metros em três níveis | Foto: André Ávila

Com data marcada para inauguração no dia 26 de março, o viaduto da Terceira Perimetral com a avenida Bento Gonçalves está pronto para circulação. Faltam apenas alguns ajustes, que serão finalizados nos próximos dias. Na manhã desta quinta-feira, o secretário de Obras e Viação de Porto Alegre, Mauro Zacher, vistoriou a obra. Na próxima semana, o trânsito será parcialmente liberado em toda a estrutura.

As quatro pistas (duas em cada sentido) do nível superior serão usadas, para o deslocamento de veículos de passeio. Os ônibus continuarão utilizando os desvios, segundo informações da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). Os últimos detalhes já estão sendo concluídos nessas pistas, como a pintura anti-pichação nas muretas da elevada, preparação da iluminação e limpeza do pavimento. “Está tudo em perfeitas condições, atendendo ao cronograma proposto”, afirmou. De acordo com Zacher, a entrega da obra completa ocorrerá em junho deste ano, quando serão liberadas as estações definitivas e uma pista em cada sentido para os coletivos.

Ainda é preciso remover quatro famílias residentes entre as avenidas Ipiranga e Bento Gonçalves para dar continuidade à obra nas vias laterais. Da mesma forma, existe ainda a necessidade da liberação por parte do governo estadual para que parte da área da Brigada Militar seja cedida para a construção de um desvio. “Até junho tudo será resolvido, as situações estão bem encaminhadas também com o Demhab (Departamento Municipal de Habitação)”, explicou o secretário.

O novo viaduto visa desafogar o fluxo de veículos na Terceira Perimetral. Serão seis faixas de tráfego, com extensão total de 540 metros em três níveis. O viaduto liga as avenidas Salvador França e Coronel Aparício Borges, é uma das cinco intervenções na Perimetral. A obra tem um custo estimado em R$ 79,4 milhões, e foi iniciada em janeiro de 2013. O projeto foi proposto como uma das melhorias para a Copa do Mundo.

Zacher explicou os imprevistos na construção de estruturas, que inviabilizaram a inauguração do viaduto antes do mundial de futebol. “A Copa do Mundo é um grande pretexto. A Prefeitura optou por fazer investimentos em obras públicas que trouxessem benefícios para a cidade, não em estádios. Estamos lidando com uma cidade ‘viva’, onde podem acontecer imprevistos.”

Correio do Povo – Jéssica Mello



Categorias:Viadutos e pontes estaiadas

Tags:,

24 respostas

  1. Preferia uma orla do Guaíba do centro ao Barra Shopping revitalizada. Acho que com 80 milhões daria para fazer (sem superfaturamento, claro).

    Curtir

    • Aqui falando sério, das obras de mobilidade para mim as únicas que realmente tinham importância eram a Tronco (mais ou menos como vão fazer) e esta. Só acho que esta é um monstrengo, infelizmente não se faz nada subterrãneo por aqui. A Bento é muito importante para a integração metropolitana para não ter uma intervenção.

      Curtir

      • Não imagino o trânsito escoando de forma que valha os 80 milhões. As sinaleiras deverão estar sincronizadas da desde Viamão até o centro para uma melhora ser perceptível. Fico pensando se adianta fazer isso se vai trancar tudo na João Pessoa ou na Carlos Gomes (a duplicação que não deu certo).

        Adicionar viadutos e duplicar vias não mudam nada. Eu usava a Bento antes e depois da duplicação, e vou te dizer: não mudou nada. É só ilusão… em alguns pontos tu consegue acelerar, mas se considerar o tempo que levou da origem ao destino, o ganho é pífio.

        Até não digo que não tenha ganho algum, mas o custo x benefício é péssimo. E sobre soluções subterrâneas, concordo para o caso de passarelas e metrô, mas o ganho com uma passagem subterrânea para carros é só estético mesmo. O congestionamento se perpetua, pois é praticamente impossível sincronizar todas as sinaleiras para um fluxo ou instalar viadutos/passagens de forma que os carros consigam fazer um trajeto inteiro sem parar. Só auto-estrada mesmo… o espaço urbano é muito dinâmico e essas obras acabam se tornando obsoletas em pouco tempo.

        Curtir

      • O ganho não é só estético, é questão de deixar de deteriorar tanto a cidade mesmo, a questão de quem caminha, pedala por ali.

        Curtir

    • As vezes parece que as soluções sempre são no sentido “como resolvo isso com um viaduto ou trincheira?”. E daí quando visitamos cidades bacanas no exterior o que menos se vê são viadutos. Daí a gente vê o tipo de cidade que estamos construindo…

      Curtir

      • Ótimo comentário Felipe !!

        Curtir

      • Eu também prefiro túnel, mas o túnel é bem mais caro e exige manutenção constante pois senão alagaria nas chuvas.

        Considerando a qualidade das obras, não só de Porto Alegre mas do Brasil todo, seria utópico esperar que fizessem a opção mais cara. Me surpreendo quando fazem algo.

        Apesar disso há de se considerar que o túnel degrada menos o entorno e portanto desvaloriza menos a região, logo o impacto total (público + privado) do túnel pode ser menor.

        Curtir

      • “As vezes parece” não, isso de fato ocorre. As empreiteiras são as maiores financiadoras de campanha e esse dinheiro não é doação é investimento. As empreiteiras e construtoras não dão dinehiro de graça para políticos, algum tipo de benefício elas querem de volta. Não é por simples bondade.

        Curtir

      • Ninguém gosta desses monstros espalhados pela cidade, mas numa cidade vertical como Porto Alegre parece inevitável a construção de viadutos. Eu moro na rua Guilherme Alves e estou contando os dias pra esse viaduto ficar pronto, por que não aguento mais a quantidade de carro que passa por aqui desde que o cruzamento da Bento foi interrompido… E engane se que no exterior não há viadutos, nos Eua estão espalhados por todos os lados e na Europa as cidades que não possuem viadutos se dão por conta de outros aspectos, as vezes menos populacional ou pela geografia da cidade…

        Curtir

      • Marcio, realmente nos EUA existe e infelizmente copiamos o modelo deles.

        Mas por favor mostre onde estão os viadutos de Sidney, Buenos Aires, etc. Me refiro a viadutos no miolo da cidade, claro.

        Curtir

  2. O monumento aos chifres está quase pronto então!! hahaha

    Curtir

    • Se tu acha esse viaduto feio agora, espera alguns meses. Os pixadores do partenon devem estar salivando para estreá-lo.

      Curtir

  3. “(…) Na manhã desta quinta-feira, o secretário de Obras e Viação de Porto Alegre, Mauro Zacher, vistoriou a obra. (…)”

    Fui dar um google e cheguei nisso:

    “(…) Aos 37 anos, natural de Porto Alegre, formado em ECONOMIA (…)”

    Prefiro não terminar de ler.
    Aliás, isso explica muito da situação de POA, como por exemplo a execução das rampas PNE do binário da Borges.

    Aliás [2], quando liberarem o moderníssimo corredor suspenso desse trambolho eu vou fazer um vídeo descendo e subindo a rampa quilométrica e acompanhr a degradação semanal.

    Curtir

  4. Vai ser bom mesmo pegar ônibus no 2 andar, subir escadas imensas, andar em elevador mijado e se perguntar por que escadas rolantes em Poá nunca funcionam.

    Acho que só fazer um laço de quadra, desapropriando parte da vila que tem ali, para que os ônibus da salvador França acessacem a Bento sem precisar do 3o estagio de semáforo já resolveria muita coisa a um custo muito menor e deixaria a cidade inclusive mais bonita.

    Curtir

  5. Acho que esse viaduto só se justifica se for implementado também BRT na terceira perimetral, começando na Zona Sul e terminando no Aeroporto Salgado Filho. Aliás, se for implementado BRT na Terceira perimetral é capaz de ser o melhor da cidade, afinal, terá o menor número de sinaleiras e cruzamentos da cidade, fora o fato de se integrar com a linha 1 da Trensurb e com os futuros metrô e BRT da Bento Gonçalves e Protásio Alves.
    Fora que, como a perimetral já é toda em concreto, só faltariam as estações fechadas com pagamento antecipado, no quesito infraestrutura, para virar um BRT.

    Ah, e por favor, sem o lenga-lenga de que para ser BRT precisa ter as tais 4 faixas e mimimi, pois para termos algo semelhante ao Transmilenio por aqui os corredores deveriam ter muito mais viadutos, passarelas, destruir prédios históricos…

    Curtir

    • BRT é um conceito bem frouxo… eu diria que o mínimo é pagamento antecipado e faixas exclusivas. Embarque a nível também é bom. Quatro pistas é o nirvana😀

      Curtir

      • Eu já fico feliz se o estegossauro não rachar.

        Curtir

      • Reza a lenda que o nosso BRT terá embarque em nível, mas ao invés de plataforma de embarque alta, será piso baixo, conforme pode ser visto nos dois modelos que a Prefeitura apresentou como o “padrão” do nosso BRT, e pessoalmente, prefiro assim. Isso se ele sair, óbvio.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: