Mais de cem viagens serão feitas para limpar lago do Largo dos Açorianos

Centenas de espécies nativas foram capturadas e devolvidas ao Guaíba

Lodo retirado pela retroescavadeira será colocado nas bordas do lago para secagem | Foto: André Ávila

Lodo retirado pela retroescavadeira será colocado nas bordas do lago para secagem | Foto: André Ávila

A remoção do lodo acumulado no lago do Largo dos Açorianos, um dos principais pontos turísticos de Porto Alegre, iniciou na manhã desta segunda-feira. A estimativa é de que a equipe do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), responsável pela limpeza, retire mais de dois mil metros cúbicos do local, o que resultará em mais de cem cargas de caminhão, segundo o chefe da seção do Centro do DMLU, Franco Marques. Há, pelo menos 30 cm de lodo no lago, podendo chegar a 50 cm em alguns pontos. Pela manhã, apenas um operador de retroescavadeira trabalhou. No turno da tarde, uma equipe deve auxiliar na limpeza.

“Com o tempo, vamos avaliar a necessidade de aumentar a equipe para essa operação, mas acreditamos que deve contar com o envolvimento de 20 pessoas”, explica Marques. O processo de revitalização da área, demandado e coordenado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smam), deve durar cerca de 40 dias. Isso porque o lodo retirado pela retroescavadeira será colocado nas bordas do lago para secagem para somente após ser transportado, sem escorrer ou sujar ruas, até a Unidade de Transbordo da Lomba do Pinheiro. Posteriormente, o material segue para o Aterro de Minas do Leão.

Na última semana, resíduos e restos de peixes foram removidos pelo DMLU, entretanto, na manhã desta segunda-feira, já havia lixo novamente acumulado, como sacolas e copos plásticos. A última limpeza no largo, tombado em 1979, foi realizada há 15 anos. “Não há a necessidade de fazer todo esse processo com muita frequência, mas pelo acúmulo de lodo encontrado era possível ter feito antes”, informou o secretário da Smam, Cláudio Dilda. O processo foi preciso para avaliar o desgaste da estrutura da Ponte de Pedra. “É um patrimônio histórico e arquitetônico importante para a cidade que precisa ser conservado”, completou Dilda. A partir de uma avaliação de peritos na base da estrutura da ponte será possível identificar as técnicas de recuperação e um possível tempo de duração.

Técnicos da equipe de fauna silvestre da Smam capturaram centenas de espécies nativas, que foram devolvidas ao Guaíba. Já foram recolhidos 170 litros de água com centenas de peixes de pequeno porte — o maior foi um pintado de cerca de 30 centímetros. Também foram retirados cágados, que foram levados ao Guaíba. Peixes de espécies exóticas não puderam ser reinseridos no meio ambiente por veto da Portaria da Secretaria Estadual de Meio Ambiente de 2013.

Correio do Povo – Jéssica Mello

__________________

A matéria deve ter querido dizer centenas de empécimens, exemplares. Espécies deve ser uma ou duas apenas.



Categorias:Outros assuntos

Tags:, , ,

16 respostas

  1. Será que este lodo não poderia,após seco, ser usado como adubo orgânico para ser colocado nas arborizaçoes públicas?

    Curtir

  2. Os copos devem ser da reunião da turma do Tutty estes dias. Por que não mandam aqueles fiscais que alardearam tanto, dizendo que iam multar quem joga lixo no chão para lá? Os eventos são facilmente encontrados no facebook.

    Curtir

  3. Aí tem coisa errada. De onde veio tanto lodo em 15 anos? Será que há esgoto pluvial sendo despejado no lago?

    Curtir

  4. Aí tem coisa errada. De onde veio tanto lodo em 15 anos? Será que há esgoto pluvial sendo despejado no lago?

    Curtir

    • Fica 15 anos sem limpar a tua casa para ver que legal que fica.

      Curtir

    • Meio óbvio que, com a intensidade das chuvas aqui na Capital, parte do esgoto pluvial acabe por desaguar no lago, indiretamente.

      15 anos sem fazer limpeza (manutenção é palavra desconhecida da nossa administração) é o suficiente pra acumular bastante sujeira, como disse o Adriano.

      Curtir

  5. Sério, essa administração brinca com a inteligência dos cidadãos!

    Curtir

  6. O lodo é o de menos. Problema mesmo são os entulhos, latas, garrafas, objetos e até mobília descartados no lago. Isso é culpa do povo. Só dele. Agora, já que o povaréu é assim, a PMPA deveria ficar de olho nos sujões e legislar a fim de que sejam autuados e multados. No caso de mendigos e moradores de rua que emporcalham, deveriam fazê-los juntar tudo o que jogaram fora…ou engolir o lixo descartado. Aliás isso deveria ser feito em relação à mendicância que escarafuncha contênieres e deixa tudo jogado pro lado de fora…e também vale pra população estulta e safada que insiste em jogar lixo orgânico dos contêineres. Povo chulo tem que ser tratado como cão sarnento.

    Curtir

  7. Essa singela montanha de lodo não vai dar maus cheiro durante a secagem? Menos mal que tá esfriando, senão…

    Curtir

  8. “Peixes de espécies exóticas não puderam ser reinseridos no meio ambiente por veto da Portaria da Secretaria Estadual de Meio Ambiente de 2013.” Explicado os peixes mortos do outro post.

    Curtir

    • Sim, comentei lá há uns dois dias que foi isso. Acho sacanagem com os bichos igual (além do fedor), mas enfim.

      Curtir

  9. Sabem porque as coisas não funcionam em Porto Alegre (e generalizando, no resto do Brasil)? O chefe da seção do Centro do DMLU te respondeu:“Com o tempo, vamos avaliar a necessidade de aumentar a equipe para essa operação, mas acreditamos que deve contar com o envolvimento de 20 pessoas”.
    – 1: Com o tempo? Como assim? Quanto tempo? Não sabem nem quanto tempo durará?
    – 2: Acreditam que deve contar? Como assim? Não sabem quantos recursos serão necessários?
    Falta de conhecimento. Falta de planejamento. Falta de gestão de projetos.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: