Centro Cultural Caixa – 6 anos de atraso

Foto: Gilberto Simon - Arquivo Porto Imagem

Foto: Gilberto Simon – Arquivo Porto Imagem

Assinado em Novembro de 2008, o contrato entre Prefeitura Municipal e Caixa Federal para a construção de um Centro Cultural ainda não saiu do papel. São mais de seis anos em que a população de Porto Alegre, em especial a do Centro Histórico, espera por mais esta promessa que iludiu os contribuintes.

O contrato de execução de obra para restauração, reforma e ampliação do Edifício Imperial foi assinado no dia 19 de novembro de 2008, com as presenças do então prefeito José Fogaça e do secretário municipal da Cultura, Sergius Gonzaga. O evento ocorreu na sede regional da Caixa (Rua dos Andradas, 1000).

O imóvel pertenceu à prefeitura, que cedeu à Caixa Econômica Federal (Caixa) os cinco primeiros pavimentos e mais uma área de terreno livre nos fundos, onde seria erguida uma nova edificação. Os andares superiores iriam sediar a Secretaria Municipal da Cultura (SMC). A área total do espaço seria de 8,8 mil metros quadrados e a obra deveria ter o prazo de duração máxima de 15 meses, com valor de execução de R$ 16,5 milhões. Passaram-se 6 anos e nada.

Conforme o protocolo firmado entre Caixa e prefeitura, seria disponibilizado à população porto-alegrense um teatro com capacidade para 670 pessoas, além de espaço para museu, exposições, ensaios de dança e sala multimídia. Seu restauro e utilização cultural contribuiriam para o projeto de revitalização do centro da cidade.

Ficou só na intenção.

Conjunto cultural – As salas dos cinemas Imperial e Assinado em Novembro de 2008, o contrato entre Prefeitura Municipal e Caixa Federal para a construção de um Centro Cultural ainda não saiu do papel. São mais de seis anos em que a população de Porto Alegre, em especial a do Centro Histórico, espera por mais estsa promessa que iludiu os contribuintes. Guarani, térreo, mezanino e mais dois pavimentos do prédio de onze andares ficariam sob responsabilidade da Caixa durante 30 anos, em contrapartida à realização da obra. A iniciativa pretendia manter a concepção original de cine-teatro, preservando a fachada e outros elementos como pisos, luminárias e escadaria. O Conjunto Cultural se dedicaria a exposi- ções, mostras de cinema, oficinas e seminários, oferecendo sala de dança, camarins, vestiários, banheiros adaptados para portadores de necessidades especiais, foyer, cafeteria e livraria.

Localizado no calçadão da Praça da Alfândega (Rua dos Andradas 1051 e 1073), o edifício Imperial foi um dos primeiros arranha-céus da cidade, construído entre 1931 e 1933. De autoria de Egon Weindorfer e Agnello Nilo de Lucca, é um dos exemplares mais sofisticados da arquitetura art déco no Brasil, especialmente sua fachada, que representa a variante marajoara do movimento.A construção combinava um espaço de entretenimento (cine-teatro) com moradia, tendo introduzido na Capital o conceito dos duplex, apartamentos de dois andares.

A Caixa Federal, através de sua assessoria de comunicação, informou-nos o seguinte:

Ao Jornal do Centro A Caixa Econômica Federal informa que está em processo licitatório para contratação da empresa que executará as obras da CAIXA Cultural Porto Alegre conforme edital de concorrência nº 1601/2014, publicado no Diário Oficial da União de 03 de junho de 2014. O prazo estimado para a realização das obras é de 18 meses, após firmando o contrato com a empresa vencedora da concorrência. Atenciosamente Assessoria de Imprensa da CAIXA Regional Porto Alegre (RS).

Continue lendo, no Jornal do Centro, clicando aqui.

Publicado em 7 de abril de 2015.



Categorias:Arquitetura | Urbanismo

Tags:,

17 respostas

  1. Aí os ativistas sociais não aparecem!! Bem em frente a praça onde eles costumam se concentrar em defesa pública da alegria! Bando de hipócritas…

    Curtir

    • Que viagem, não tem nada a ver uma coisa com a outra.

      Curtir

    • Como nao cara palida. Conhece a Defender??? Essa obra teve abandono da construtora que ganhou a licitacao. Alias o Centro Histotico de Poa so existe pot causa do ativismo

      Curtir

  2. Bah, comecei a trabalhar no Bacen em 2010, já estava em obras, sai de lá no final de 2013, seguia em obras.
    Vou passar lá pra ver as obras.
    haha

    Curtir

  3. 6 anos? Faz pelo menos 10 que tá o prédio lá abandonado.

    Ninguém me tira da cabeça que fecharam os cinemas pra forçarem o público a migrar pras salas do Rua da Praia Shopping. Mesmo porque, pelo que eu lembro de ter lido na época, o Imperial e o Guarani não estavam em decadência quando do fechamento (diferentemente do que aconteceu com outras salas de rua).

    Curtir

  4. Só balela!

    Curtir

  5. Minha primeira namorada (de verdade) morava na andradas, eu ia visitar ela e passava pela frente do “futuro centro cultural” e pensava “nossa como poa é legal estao fazendo um museu em um local tao bonito”…

    Curtir

  6. Seis anos para fazer uma licitação e até hoje nada? Isso só pode ser uma piada de mau gosto, pois nem com muita incompetência levaria tanto tempo. Tem gato dentro desta tuba!

    Curtir

  7. Seis anos é pouco até, vide o Cine Capitólio. Tudo na normalidade…

    Curtir

  8. É que a Caixa tem lugares mais importantes pra investir dinheiro. Tipo em times de futebol. Mais uma promessa pra interminável lista da “Porto Render Alegre”.

    Curtir

  9. O buraco é mais embaixo: a Caixa e a prefeitura fecharam um acordo para que o munícipio centralizasse as movimentações financeiras/folha de pagamentos dos servidores no banco. Até aí tudo bem, já que esse tipo de acordo é comum e relativamente benéfico para o município. Ocorre que a construção do Centro Cultural era umas das contrapartidas da Caixa, ou seja, eles ganharam a movimentação financeira/folha de um município importante, mas não arcaram com todas as contrapartidas. Mais um exemplo da competência da nossa prefeitura na gestão da coisa pública.

    http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticia/2007/10/caixa-vai-gerenciar-folha-de-pagamento-da-prefeitura-de-porto-alegre-1658137.html

    Curtir

  10. Pessoal, eu trabalho no centro, e, na semana passada, tinha uma fila de operários para contratação. No dia seguinte, vi movimento no local e perguntei para um funcionário se as obras iriam recomeçar e ele confirmou. Se passarem por ali, verão as atividades. Portanto, a empresa contratada já está trabalhando. A matéria do Jornal do Centro ficou defasada em questão de dias.

    Curtir

  11. O interessante é que o banco safra que é privado fez a reforma no prédio em poucos meses, enquanto o público….tá lá.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: