Construção da nova ponte do Guaíba toma forma

Estrutura ainda depende de licença da Fepam para reassentamento de famílias

Estão sendo colocadas estacas de 30 metros de comprimento que pesam em torno de 30 toneladas | Foto: Tarsila Pereira

Estão sendo colocadas estacas de 30 metros de comprimento que pesam em torno de 30 toneladas | Foto: Tarsila Pereira

A construção da nova ponte do Guaíba começa a tomar forma em Porto Alegre. Quem passa pela BR 290, no sentido Interior-Porto Alegre, consegue observar a estrutura avançar. Os trabalhadores da construtora contratada atuam em duas frentes: em escavações no terreno localizado na rua João Moreira Maciel, no bairro Humaitá, e dentro do Guaíba, com a colocação de estacas de 30 metros de comprimento e que pesam aproximadamente 30 toneladas.

Dentro das águas, existem marcações com boias para delimitar a área de trabalho da empresa. No terreno da rua João Moreira Maciel, estão depositadas peças pré-moldadas da nova ponte, como por exemplo vigas e estacas. Quem passa pela BR 290 visualiza também um guindaste para fixação da estrutura. O bate-estaca tem capacidade para 120 toneladas e funciona como um martelo gigante para cravar as estacas.

A Fundação de Proteção Ambiental (Fepam) ainda não concedeu licença para que se inicie o processo de reassentamento das famílias que terão de deixar a área em razão das obras. Sem o documento, não é possível aprovar o Estudo de Viabilidade Urbana e erguer a infraestrutura das novas casas. A Fepam promete realizar, em breve, a vistoria nos locais. Quando o processo de desapropriação das áreas privadas estiver concluído, a Justiça Federal dará início a audiências de conciliação.

A nova ponte terá uma extensão de 7,3 quilômetros 2,9 quilômetros, além de 4,4 quilômetros em acessos e obras de artes especiais alargamento da ponte do Saco da Alemoa, elevadas e viadutos. Com 28 metros de largura nos vãos principais, a pista terá duas faixas de rolamento, acostamento e refúgio central. O valor é de R$ 649,6 milhões em recursos do governo federal. A conclusão da ponte está prevista para outubro de 2017.

Correio do Povo



Categorias:Nova ponte Guaíba

Tags:,

18 respostas

  1. Ué, achei que tinham dito que não saía nunca🙂

    Curtir

  2. Coisa boa.
    Demorou mas ta saindo

    Curtir

  3. No país da duplicação da ERS 118 e da BR 101 e que está com todas esferas do governo quebradas? Só acredito quando estiver pronto. Até lá, corremos alto risco de termos um bando de estacas no meio do rio e promessas requentadas em 2018.

    Curtir

  4. A duplicação da BR-116 (Guaíba/Pelotas) tbm estava de vento em popa… até que o governo decidiu que não tinha mais dinheiro pra coisas supérfluas como infraestrutura e decidiu apenas investir naquilo que é importante: manter 39 ministérios pros apadrinhados políticos, capangas, asseclas, CCs e assemelhados.

    Curtir

  5. Não entendo.
    Porque não ergueram esta ponte que já existe? erguer uma paralela… o que vai ser feito com esta ponte que já existe? vão aumentar a distancia do centro de POA pra quem vem de eldorado e etc

    Curtir

    • Como erguer? Como se ergue uma ponte pronta?

      De qualquer forma, o problema da ponta atual não é altura e sim o esgotamento de tráfego. Ela continuará existindo e sendo utilizada. A nova será uma segunda opção. Cada um vai escolher por onde ir.

      Curtir

      • me expressei errado. Erguer uma ponte mais alta paralela, uma de 2 pistas (1 vai e 1 volta, depois que essa tiver pronta, erguer a que já existe.. aí teremos 2 vias de cada lado.. nao sei se consegues me entender

        porque nao fizeram isso?

        Curtir

      • Vai ser quase isso. Só que não vai ser bem do lado, vai ser mais adiante, e vai sair direto na 290 lá adiante.

        Curtir

  6. Com os mais de 6 Bi $ de desvio pela corrupção na Petrobrás, dava para construir 5 pontes como essa ou ampliar 5 pistas do Salgado Filho. Veja como precisamos um rigorismo britânico para descobrir os ralos de nosso dinheiro público, para aparecer obras como a que está sendo construída com sacrifício num ano de economia semi-destruída. …

    Curtir

  7. O “reassentamento” de maloqueiros invasores nas ilhas, que são sabidamente alagáveis, é um crime ambiental, urbanístico e contra as finanças públicas. Só mesmo em Banânia para os invasores de áreas públicas poderem decidir ode querem ficar com casa nova paga pelo imposto alheio, e ainda por cima em local absolutamente inadequado á urbanização. E assim vai-se destroçando Porto Alegre e o erário.

    Curtir

    • Te digo que a maior área invadida das ilhas não foram invadias por maloqueiros. Quem navega pelos canais sabe do que eu estou falando.

      Curtir

      • Perfeito, por mim tiravam todos os invasores de áreas públicas indistintamente. Mas “reassentar” invasores com dinheiro do meu imposto, em local totalmente inadequado, é a cereja do bolo dos absurdos.

        Curtir

  8. O IAB-RS pediu concurso público para esta ponte? Acho que até eles fariam um desenho melhor.

    Curtir

    • Acho que devemos parar tudo e chamar uma consulta pública inclusive. A população não teve voz ativa nessa decisão! Estão invadindo o rio! Esses carrólatras! Vou contatar o Ruas, a Melchionna e o Sgarbossa!

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: