Infraero não tem mais dinheiro para obras de ampliação do Salgado Filho

Foto: José Arthur Eidt

Foto: José Arthur Eidt

O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Eliseu Padilha, admitiu nesta quarta-feira, 6, que o Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac), criado para financiar, entre outros projetos, a expansão da aviação regional no País, poderá ser usado pelo governo para atingir as metas do ajuste fiscal.

Isto significa que a Infraero não terá dinheiro para nada.

O que inclui as obras de expansão do Aeroporto Salgado Filho, Porto Alegre.

A verdade é que o fundo não poderá ser contigenciado, porque já sumiu no caixa único da União.

É por isto que a Infraero e o ministro empurram tudo com a barriga e criam dificuldades onde elas não existem, como a participação da prefeitura e do governo estadual no negócio, no qual são coadjuvantes voluntários.

Padilha comentou que o fundo, de acordo com as regras, não pode ser usado para bancar outros empreendimentos que não sejam aqueles vinculados à aviação. Por outro lado, seus recursos são integralmente depositados no caixa único da União. Uma vez que esteja no Tesouro, portanto, basta ao governo reter a sua liberação.

“Compreendo a dura missão dos ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento). Penso que ambos têm uma missão dificílima, mas a minha também é difícil”, declarou Padilha, durante audiência pública no Senado.

Padilha foi questionado se poderia garantir que o Fnac não sofrerá retenções de valores pelo governo. Previsto para arrecadar R$ 4,2 bilhões só neste ano, a partir de cobranças de taxas aeroportuárias e das concessões de aeroportos, o Fnac é o meio de o governo viabilizar o prometido programa de aviação regional, que prevê a construção ou reforma de 270 aeroportos no Brasil.

“Tenho tido compreensão do governo, da área fazendária e do planejamento”, comentou Padilha. “A Fazenda não vai mexer no Fnac, porém a arrecadação toda vai para o caixa único da União. Não pode mandar para lugar nenhum, mas é base para o resultado primário. Portanto, será sempre uma disputa legítima da Fazenda, querendo manter seus números, e da SAC, querendo manter seus projetos”, disse.

Eliseu Padilha disse que a presidente Dilma Rousseff tem dado apoio ao plano, prometido desde 2012, e que deseja ver os 270 projetos com obras concluídas e em andamento até 2018. “Não pode ter incompatibilidade entre o que quer a presidenta e o que queremos. Não vamos começar com a velocidade que queríamos, mas vamos iniciá-lo.”

Políbio Braga

_______________________________

2 comentários que vale a pena reproduzir, do site do Políbio:

_______________________________

O mínimo que se espera é que a contrapartida exigida pelo concessionário que ganhar a licitação do Salgado Filho seja a ampliação da pista dele!

E para que isso ocorra não pode ser exigida como contrapartida também a construção do novo aeroporto de Portão. Sabem porquê? Porque senão ninguém vai querer tantas contrapartidas bilionárias para um aeroporto que nem é tão movimentado lucrativamente como Guarulhos.

O esgotamento do Salgado Filho é uma falácia e o consórcio asministrador de Guarulhos já disse que há muita coisa possível de se fazer no Salgado Filho.

A ampliação da pista é algo obrigatório ma licitação do Salgado Filho! Exigimos isso! Não aceitaremos o contrário! Lutaremos até o fim para tanto!

_______________________________

Padilha precisa entender algo, talvez alguém precise “desenhar” pra ele e Dilma entenderem logo “dilmavez”:

A gigantesca imensa maioria dos gaúchos quer e exige a ampliação do Salgado Filho e rejeita a ideia de um novo aeroporto em Portão em detrimento dele. Remar contra isso só os queimará cada vez mais e causará o aumento da rejeição deles pelos gaúchos.

A ampliação da pista é algo fora de negociação, pois exigimos ela! E lutaremos nas redes sociais e fora dela junto com o movimento em defesa do Salgado Filho para tanto.

Se não há dinheiro, que se exija na licitação do aeroporto que a iniciativa privada o faça por conta dela, como contrapartida da concessão.

Prepare-se, pois se necessário certamente virá panelaços e outdoors pela cidade.

Anúncios


Categorias:Aeroporto Internacional Salgado Filho

Tags:,

21 respostas

  1. OK, Felipe. Em 60 dias sai o lançamento da concessão do aeroporto de Portão à iniciativa privada.

    Curtir

  2. Em 60 dias sai o lançamento da concessão para construção do aeroporto 20 de setembro à iniciativa privada.

    Curtir

  3. Felipe, a Dilma não é gaúcha, nasceu em Belo Horizonte/MG. Para onde vai o dinheiro da Infraero???????

    Curtir

    • Por isso coloquei a palavra gaúcha entre aspas, pois embora ela seja mineira, reconstruiu sua vida e construiu toda a sua vida política no RS.

      Pois é, o Padilha diz que a Infraero está sem grana e que nem o dinheiro do fundo próprio da aviação civil, que ele têm acesso via SAC, conseguirá ser sacado, pois o Joaquim Levy teria contingenciado a verba, mas isto não é desculpa, pois basta conceder o aeroporto que a iniciativa privada o bancará e o executará.

      Curtir

  4. Sabe o que está faltando?

    O MÍNIMO que se espera de um ministro GAÚCHO na pasta da AVIAÇÃO CIVIL e ainda por cima o grande responsável JUSTAMENTE pela ARTICULAÇÃO POLÍTICA da PRESIDENTE DA REPÚBLICA, que tb é “GAÚCHA”:

    ELE BATER NO PEITO E FALAR A TODO O INSTANTE E A TODOS QUE O PERGUNTAREM E, INCLUSIVE E PRINCIPALMENTE, POR MEIO DESSAS TANTAS NOTAS OFICIAIS QUE ELE EMITE PRA SE COMUNICAR COM A IMPRENSA, QUE ELE ASSEGURA QUE A AMPLIAÇÃO DA PISTA E TERMINAIS DO SALGADO FILHO CONSTARÃO NO CADERNO DE OBRIGAÇÕES A SER EXECUTADO PELA INICIATIVA PRIVADA QUE GANHAR A CONCESSÃO DO SALGADO FILHO.

    Falta mais CLAREZA E FIRMEZA dele nesse sentido.

    Ainda mais ele, que garantiu que se preocupava com a segurança e vida dos gaúchos e que garantiu que a ampliação seria executada imediatamente.

    Obs.: E que ele nem tente publicar o edital da licitação sem essa condicionante, ou o barulho será ensurdecedor até que se cancele a publicação da licitação e se publique outra incluindo esses encargos. Ninguém aqui é bobo nem está para brincadeiras.

    Curtir

  5. Salgado Filho pode receber 15 milhões/pax/ano e juntar BACO Base Aérea da Canoas, ambos chegará 30 milhões/pax/ano. Hoje é 9 milhões/pax/ano no Salgado Filho. Portão em 2050 e olhe lá.

    Curtir

  6. Os favoráveis ao novo aeroporto de Portão ficam empolgados com maquetes e acreditam em um LAX (Aeroporto Internacional de Los Angeles) gaudério, mas é certo que entregariam aos gaúchos apenas mais um “São Gonçalo do Amarante” (Novo aeroporto de Natal-RN).

    Esse bote que querem dar no Salgado Filho precisa ser desmascarado à tempo, antes que “Inês esteja morta”.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: