Câmara instala a Frente Pró Ampliação do Salgado Filho

Foto: José Arthur Eidt

Foto: José Arthur Eidt

A Câmara Municipal de Porto Alegre instalou, nesta terça-feira (19/5) pela manhã, a Frente Parlamentar Pró Ampliação do Aeroporto Salgado Filho. O ato de instalação ocorreu no Plenário Otávio Rocha, da Câmara. Segundo o vereador proponente, Cassio Trogildo (PTB), a Frente tem por objetivo articular ações entre órgãos governamentais, incluindo o setor privado, para discutir e realizar estudos, elevando o debate sobre o tema, de forma democrática e plural. “A ampliação da pista é um dos fatores estratégicos primordiais para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul e do Mercosul, significando uma profunda transformação no perfil produtivo e gerador de riquezas para a Região Sul”, afirmou Trogildo, que presidirá a Frente Parlamentar.

Cassio Trogildo destacou que o acompanhamento do Comitê Técnico para a a ampliação do Aeroporto Salgado Filho mantém um trabalho conjunto em prol de um novo conceito de aeroporto em Porto Alegre. “Já tivemos uma audiência pública em prol da ampliação do aeroporto e nela tratamos das remoções das famílias que vivem no entorno do local da ampliação. Este fato está praticamente resolvido, tendo apenas algumas áreas que ainda precisam ser desabitadas”, disse. O vereador ressaltou que essas remoções são necessárias para a execução dos 920 metros da pista, para que se possa receber aviões cargueiros e aviões de grande porte no aeroporto, “diminuindo o prejuízo que estamos tendo por não receber esses tipos de veículos”.

O representante da Assembleia Legislativa e presidente estadual do Comitê Pró Ampliação do Aeroporto Salgado Filho, deputado Maurício Dziedricki (PTB), afirmou que é preciso capacitar e qualificar o Aeroporto para que o turismo na Capital seja valorizado, atraindo conquistas para a cidade. “A qualificação do Salgado Filho demonstra um investimento sólido para Porto Alegre, e os parlamentares estão comprometidos com este movimento”, disse.

O coordenador do Comitê de Defesa do Aeroporto Salgado Filho, Alcebíades Santini, destacou que a entidade foi criada em janeiro de 2015 para acelerar o processo de ampliação do aeroporto. “Sabemos que o prefeito José Fortunati é a favor da ampliação; no entanto, o secretário da Aviação Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha, é contrário à reforma. Com isso, precisamos do apoio dos parlamentares para que a ampliação saia do papel e torne-se realidade”, afirmou.

O Comitê representa 70 entidades que defendem a ampliação do Aeroporto Salgado Filho. Santini destacou que o projeto de reforma foi aprovado há 7 anos; no entanto, somente em 2015 a Infraero aprovou a ampliação. “O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, já tem o projeto em mãos e está analisando se haverá um edital de licitação para empresas que se dispuserem a executar a obra ou a ampliação ocorrerá por meio de concessão”, ressaltou. Segundo Alcebíades Santini, com a consolidação do projeto, o início das obras devem começar ainda em 2015, com término previsto para 2016.

O procurador do Ministério Público Federal Enrico Rodrigues de Freitas saudou a iniciativa da Câmara Municipal ao instalar a Frente Parlamentar Pró Ampliação da Pista do Aeroporto Salgado Filho. “Estamos acompanhando o processo, pois essa é a finalidade do Ministério Público, para acelerar o processo como um catalisador no caminho de uma solução”, disse. Freitas disse ainda que há necessidade da participação do Ministério Público Federal para que haja, em todo o processo de ampliação, uma fiscalização jurídica e pública. “Queremos realizar uma reunião com o prefeito municipal de Porto Alegre e a Infraero para saber quais são as condições para a realização da obras, como, por exemplo, a eficiência econômica do projeto para os cofres públicos”, concluiu.

Contraponto

O professor de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Carlos Honorato, afirmou que é preciso pensar na logística integrada, quando do começo da obra de ampliação. “Isso remete à junção de transportes viários e aeroviários, pois temos o segundo maior congestionamento do Brasil, na BR 116, o que demonstra que temos uma incompetência no que diz respeito à logística integrada”, disse.

Para Honorato, é necessário que se faça um novo aeroporto; no entanto, não seria a melhor solução criar uma obra em cima da BR 116, que é completamente congestionada. “Visitamos diversas entidades e dissemos que, quando se escolhe um local para uma obra, temos de levar em conta os aspectos históricos e econômicos”, disse. O professor ressaltou que o local da obra de ampliação é uma das áreas que possui uma das poucas vertentes limpas do Rio do Sinos e, para ele, a vertente deixará de existir com a obra. “Além disso, várias árvores serão derrubadas, as quais deveriam ser protegidas pela Secretaria do Meio Ambiente”, concluiu.

In loco

A tarde o presidente da Frente Parlamentar, acompanhado do diretor-geral do Departamento Municipal de Habitação (Demhab), Everton Braz, e de integrantes do Comitê em Defesa do Aeroporto, visitaram três áreas de reassentamento das famílias que serão removidas das vilas Dique e Nazaré. No total são mais de duas mil e setecentas famílias que deverão ocupar casas e apartamentos, com 43 metros quadrados cada, que estão sendo construídos pelo programa Minha Casa Minha Vida nas regiões Norte e Nordeste da Capital. “As unidades são de responsabilidade do Governo federal, e a infraestrutura do município de Porto Alegre”, salientou Everton Braz, lembrando que até o final do ano todas as famílias receberão suas moradias nos loteamentos Bom Fim e Porto Novo, em fase de conclusão, incluindo o loteamento dos Irmãos Maristas.

Cronograma

Cássio Trogildo lembrou que grande parte dos moradores da vila Dique já foram removidos em 2010 e que em 2011 a área foi entregue à Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroviária (Infraero) para que a pista fosse ampliada, “obedecendo o cronograma assumido pela prefeitura para as obras da Copa do Mundo de 2014”, disse o vereador. A Infraero não realizou as obras de ampliação “e exigiu que todas as famílias do entorno fossem removidas”, revelou Fernando Bizarro, integrante do Comitê. Ele não entende o porquê da exigência já que o trato, numa primeira fase, era o de entregar a área para a construção da pista. Agora o município vai entregar toda a área, cumprindo a segunda parte do tratado, para que a Infraero possa erguer seu projeto de logística no entorno. “O que lamentamos é que a pista de 929 metros já poderia estar concluída e as obras nem começaram” concluiu Bizarro.

Textos: Juliana Demarco (estagiária de Jornalismo)
Flávio Damiani (reg prof 6180)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

Câmara Municipal



Categorias:Outros assuntos

1 resposta

  1. Como existe demagogos e mais demagogos políticos são todos despreparados e a única que coisa que lhe são interessados é os seus interesses próprios. É triste viver em País onde sempre prevalece primeiro os benefícios dos senhores políticos e em segundo plano o que a população deseja de melhor para a sua comunidade.A ampliação da pista do aeroporto com mais de 900 metros de extensão é uma eterna e demorada novela. É sempre a mesma coisa e sempre existe alguém para entravar ou retardar as decisões da obra de ampliação da pista. O povo do Rio Grande do Sul precisa reagir e se mobilizar para as manifestações de protestos que envolvem toda esta trama montada para prejudicar os interesses do desenvolvimento e da economia do RS. Meus Deus, quanta incompetência dos seus gestores públicos: do Governo Estadual, Governo Federal, da Prefeitura Municipal de Poa, de todos os seus Senadores em Brasília, dos Deputados Federais e Estaduais e todos os Vereadores municipais que estão dormindo em berço esplendido. Os meus parábens a todos pela total incompetência.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: