Empresa espanhola fará painéis solares em Bento Gonçalves

Projeto pioneiro no país prevê utilização de componentes nacionais

O investimento será de R$ 60 milhões e a previsão é que em 2016 inicie a produção de painéis fotovoltaicos, responsáveis pela conversão de energia solar.

energia-solarO uso de energia solar, sobretudo residencial, já é relativamente difundido no Brasil, mas só para aquecimento de água. O aproveitamento de radiação solar para geração de energia elétrica é praticamente inexistente. O cenário pode mudar com a instalação em Bento Gonçalves da empresa Intéling Soluções Inteligentes, que utiliza tecnologia de ponta desenvolvida há mais de 15 anos pela empresa espanhola Ingenium. O investimento será de R$ 60 milhões e a previsão é que em 2016 inicie a produção de painéis fotovoltaicos, responsáveis pela conversão de energia solar.

A proposta do grupo espanhol prevê a nacionalização de componentes dos painéis fotovoltaicos desenvolvidos em conjunto com empresas brasileiras e integra o Plano de Nacionalização Progressiva (PNP) do BNDES para o setor de geração de energia solar. O projeto final de instalação deve ser apresentado nos próximos dias. No entanto, a negociação com os espanhóis está concluída e confirmada para Bento Gonçalves.

A empresa já está instalada no município, no bairro Imigrante, mas ainda não começou a operar. Sua atuação se dará também na área de automação predial, com foco voltado para a economia de energia. De acordo com o sócio-proprietário Javier Valero Sánchez, a previsão é que a produção nesta área inicie já em agosto deste ano. O maquinário utilizado já foi importado da Europa e deve chegar à cidade nos próximos meses. A empresa está sediada em Lajeado e planeja abrir também uma filial em Florianópolis (SC) para dar suporte técnico. Os produtos comercializados, que até então são importados, passarão a ser produzidos no Brasil, exclusivamente no parque fabril em Bento Gonçalves.

No caso dos painéis fotovoltaicos, o grupo ainda está em tratativas quanto à localização da fábrica. A empresa trabalha com a possibilidade de iniciar a produção em um local provisório enquanto trabalha na construção de um novo pavilhão. “Temos uma demanda grande reprimida e, tendo em vista a situação energética do país, queremos iniciar a produção o quanto antes”, afirma Sánchez.

Reportagem: Carina Furlanetto

Fonte: Jornal SERRANOSSA – Bento Gonçalves – RS

(publicado com autorização do jornal)

 



Categorias:Energia, Formas alternativas de energia

Tags:, ,

1 resposta

  1. excelente noticias.
    Nos Eua reparei que em praticamente tudo que é lugar nas grandes cidades (ao menos nas que eu fui) já tem, de casas a prédios.
    Bem interessante.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: