Moradores do Cristal não querem mudanças no traçado do bairro

Limites oficiais do bairro Cristal. Fonte: mapa de bairros da prefeitura de Porto Alegre

Limites oficiais do bairro Cristal. Fonte: mapa de bairros da prefeitura de Porto Alegre

A comunidade do Bairro Cristal, localizado na zona sul de Porto Alegre, contesta o novo traçado que delimita a sua área territorial. Reunidos na noite desta terça-feira (1/6) na Sociedade Amigos do Cristal, os moradores explicaram aos integrantes da Comissão de Urbanização, Transporte e Habitação (Cuthab) da Câmara Municipal os motivos pelos quais não querem aceitar o novo plano apresentado pelo Executivo.

Segundo eles, pelo traçado apresentado pela prefeitura o bairro perde importantes equipamentos públicos conquistados via Orçamento Participativo (OP), citando a escola e o Posto de Saúde da Família (PSF) como exemplos. Pelo novo traçado, eles deixariam de pertencer ao Bairro Cristal. Lauro Roessler, delegado do OP e líder comunitário há mais de 20 anos, lembra que tudo é muito negociado e que as decisões não ocorrem sem a participação popular, justificando, desta forma, a falta de transparência em alguns pontos do novo plano.

Pontal do Estaleiro

Sérgio Amaral, também do OP, questiona a retirada da área do antigo Estaleiro Só no novo traçado. Segundo ele, o Estaleiro e o Barro Cristal sempre foram historicamente ligados, “agora ele acaba desaparecendo do nosso mapa para integrar outra região”, disse ele. Amaral observa que a Avenida Padre Cacique foi separada ao meio: de um lado, onde fica a Fundação Iberê Camargo, pertence ao Cristal; do lado onde está a orla do Guaíba, deixa de fazer parte do mapa do bairro.

Para a líder comunitária Jurema Barbosa Silveira, a retirada do espaço da orla do mapa tem a ver com o posicionamento da comunidade em relação ao empreendimento Pontal do Estaleiro. “Nós somos contra a construção de prédios naquele local”, afirmou, alegando que aquela área é reivindicada para que se torne um espaço de convivência da comunidade. “Deixando a gente de fora das decisões fica mais fácil destiná-la à construção de prédios”, lamenta Jurema.

Fora do mapa

Para o presidente da Cuthab, vereador Engenheiro Comassetto (PT), o novo traçado do Bairro deixa de incluir uma área que tem suas demandas no OP Cristal. A Comunidade Ecológica, como é conhecida, localizada no Morro Santa Tereza, ficou dissociada, disse ele. Também observa que o chamado triângulo da Tamandaré, na Avenida Coronel Massot, também sofre um corte e deixa de pertencer ao bairro. Anadir Alba, conselheira da região 6 do Plano Diretor de Porto Alegre, afirmou que, durante as discussões, sempre se priorizou a adoção de limites físicos e não imaginários, respeitando as relações das pessoas com o seu bairro.

Já o vereador Delegado Cleiton (PDT) entende que esta é uma característica das cidades. “As pessoas se conhecem, tem seu endereço, o seu ônibus, se conhecem, convivem no dia-a-dia”, afirmou, alertando para o transtorno que as alterações poderiam causar ao cotidiano das pessoas.

Novas reuniões para discutir o novo mapa de Porto Alegre serão realizadas antes que o projeto seja votado pela Câmara, afirmou o vereador Comassetto. adiantando que, na próxima semana, serão ouvidas comunidades da zona norte e do extremo-sul da Capital.

Texto: Flávio Damiani (reg. prof. 6180)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

Câmara Municipal de Porto Alegre

Anúncios


Categorias:Outros assuntos

Tags:, ,

6 respostas

  1. Imagino que esses moradores eram contra o Barra Shopping porque iria movimentar o bairro e hoje é o programa preferido deles.

    Curtir

  2. Pô, se não querem o pontal do estaleiro opressor no bairro deles, olha que perfeito, uma oportunidade perfeita de se livrar dele
    hahaha

    Curtir

  3. A Multiplan pretende construir um mini-bairro-condomínio na área do jockey localizada no final da Diário de Notícias. Penso que quando esse bairro sair do papel ele, somado ao shopping e ao Pontal do Estaleiro poderiam sim constituir um novo bairro, pois são o NOVO que POA há anos anseia e que só não recebia por causa desses chatos do Cristal.

    Penso que poderia se chamar Barra oi BarraSul, como o shopping. Afinal, foi o shopping que impulsionou e está impulsionando os olhares e investimentos na zona sul da capital. Valorizou geral tudo ali.

    À propósito, muitos bairros da capital surgiram do desmembramento de outros, pq não poderia se repetir isso?

    Eu acho que os moradores do Cristal deveriam pedir a criação de im parque na orla da Diário de Notícias, isto sim. Que se desaproprie ali e, não, o Pontal.

    Curtir

    • Aonde eu assino?

      Curtir

    • Mas é necessário fazer o certo dentro da lei. É evidente que o traçado do bairro cristal foi alterado na mão grande pela prefeitura a fim de excluir os moradores da questão que envolve o pontal. Isso é errado. Por mais que se discorde da associação de moradores, é inadmissível mudar o traçado de uma região para excluir do debate os próprios vizinhos do empreendimento. Isso é uma clara aberração executada pelo público contra os indivíduos.

      Curtir

  4. To pra dizer que os moradores do cristal são os mais chatos de POA (eu moro nesse bairro também)… essa mudança dos limites estão uma bagunça e a prefeitura quer tentar organizar… onde eu moro recebo correspondência pelo bairro cavalhada, mais no registro de imóveis diz “cristal”… antes de ver esse post o último estudo de mudança nos limites eu passaria a morar no cristal, fico feliz em saber que não vou murar, pois a infraestrutura do bairro influencia no preço do ITPU…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: