Milhares realizam caminhada contra o governo federal em Porto Alegre

De acordo com BM, 20 mil pessoas participam do protesto na Capital

Manifestantes concentrados para iniciar caminhada pela cidade | Foto: André Ávila

Manifestantes concentrados para iniciar caminhada pela cidade | Foto: André Ávila

Marcada para iniciar às 14h, a concentração para a manifestação contra o governo federal em Porto Alegre começou sob garoa na avenida Goethe, próxima ao Parque Moinhos de Vento. Os manifestantes carregam a mesma bandeira verde e amarela que está sendo usada nas outras capitais, pedindo o impeachment da presidente Dilma. Depois de mais de uma hora concentrados, os milhares de manifestantes iniciaram a caminhada.

A caminhada, que teve início por volta das 15h, passará pela rua Mariante, seguirá pela avenida Ipiranga até a Erico Veríssimo e depois retorna pelo mesmo trajeto. De acordo com a Brigada Militar, 20 mil pessoas participam do ato. Os organizadores do ato falam em 30 mil pessoas no protesto.

As manifestações são apenas contra o governo federal. Não há faixas contra o governador José Ivo Sartori nem mesmo ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Por outro lado, há apoio declarado a Sérgio Moro, juiz responsável pela operação Lava Jato.

Cidade Baixa

Próximo ao local de dispersão da maior manifestação, jovens estarão organizando um ato de resposta no bairro Cidade Baixa. Organizado através do Facebook, o Coxinhaço em defesa da democracia, tolerância e alegria propõe a ocupação do cruzamento na rua General Lima e Silva com a República. Como nos dois protestos anteriores, em março e abril, a ideia é ironizar fazendo um churrasco de coxas de frango no local. O evento também convida artistas a participarem da manifestação cultural.

Correio do Povo

* Com informações da repórter Cíntia Marchi



Categorias:Manifestações

Tags:,

3 respostas

  1. Nada mais justo, por sorte existem pessoas que sabem que em uma democracia, temos o direito de reclamar e pedir a saída dos corruptos.
    Não que vá adiantar muito, né.

    Curtir

  2. E viva o direito de se manifestar e fazer pressão.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: