Uma nova avenida Salgado Filho

salgado1

nova-salgado-filho

Jornal Metro – Porto Alegre – 08/10/2015



Categorias:Arquitetura | Urbanismo

Tags:,

10 respostas

  1. Salgado Filho:

    Qual sai primeiro?

    o aeroporto?……ou a avenida?

    Facam suas apostas!!!!!

    Curtir

  2. Vou deixar no meu testamento um aviso ao meu bisneto para que ele bata palmas na inauguração deste projeto, que será excelente para a cidade!

    Curtir

  3. 1 faixa circulação compartilhada de carros e ônibus em cada lado do canteiro central;
    1 pista exclusiva BRT
    2 pistas junto a calçada
    ampliação da calçada

    A prefeitura planeja derrubar os prédios ? pq é impossível matematicamente ter lugar para essas 4 pistas em cada lado na Salgado Filho e ainda aumentar a calçada.

    Para quem não conhece, hoje a Salgado tem 1 pista para os ônibus pararem nas paradas, e 2 pistas para os carros (são pequenas – os ônibus quando passa fica nas duas).

    Qualquer pessoa sabe que se tirar o semáforo, no horário de pico, o trânsito para porque é muito fluxo de pedestre, ainda mais que tem 4 faixas. Hoje tem 2 faixas de baixa velocidade (30km/h) e tem semáforo para pedestre em tudo, até nas ruas laterais. Tem que ter semáforo para parar esse fluxo de pedestre, senão não flui o trânsito. Ou o responsável é um desqualificado tecnicamente (e tb não se comunica com ninguém da EPTC) ou apenas lançou a ideia para ver se cola.

    Curtir

  4. Bem interessante o projeto, parece que vai ficar legal

    Curtir

  5. Sou só eu, ou mais alguém não consegue visualizar isso na prática???

    Curtir

  6. O centro de Porto Alegre precisa urgentemente ser mais “humano”.
    Em alguns lugares sequer é possível respirar direito, de tanta fuligem vinda de ônibus e automóveis.

    Espero que esse projeto possa melhorar esse aspecto.

    Curtir

  7. Minhas observações e soluções:

    1) o espaço do local não comporta todas as faixas descritas na matéria

    Como já foi mencionado acima pelo Leandro, não há espaço para 4 faixas de cada lado, mais paradas de grande porte, mais uma ampliação de calçada. A Salgado Filho hoje tem três faixas de cada lado e uma calçada de quatro metros, e edifícios gigantes em volta. Mesmo se tirasse o canteiro central (que por si só seria uma péssima ideia), continuaria sendo impossível. O correto seria não ter nenhuma circulação de carros nessa avenida – pelo menos no trecho entre Borges e Vigário José Inácio.

    2) a conexão dessa estação BRT continuará sendo terrível para os passageiros:

    Hoje, os passageiros que vêm dos eixos Borges e Bento e desejam ir para os eixos Protásio e Assis Brasil (ou mesmo para o Trensurb) precisam descer na Salgado Filho e caminhar 3 ou 4 quadras em direção ao Mercado e Camelódromo. Essa distância é muito grande para os níveis de conforto aceitáveis para conexões em redes de transportes de alta capacidade. Uma conexão “coberta” poderia, forçando a barra, ir até uns 300 metros; uma conexão a céu aberto 150 ou 200; a conexão proposta vai exigir entre 350m e 600m de caminhada.

    A solução mais adequada, ao meu ver, é que se adotasse por fim o entorno do Mercado Público como ponto focal da intermodalidade da rede de transporte, pelos motivos óbvios: é uma área ampla livre de edificações, que está no coração da cidade. Os BRTs Borges e Bento poderia ter seu ponto de conexão nessa área, potencialmente compartilhado com os BRTs Assis Brasil e Protásio.

    Tal alteração também caberia fortemente para o projeto do metrô, que deveria abortar de maneira final a loucura de achar que vai conseguir construir uma estação-término embaixo da esquina democrática, bem como o devaneio de que algum dia haverá dinheiro para extensão. A estação tem que ser junto ao Mercado mesmo, em linha reta, bem embaixo do Largo Glênio Peres, com o potencial em aberto para espichar a linha até o Gasômetro, com parada na Praça da Alfândega, finalmente servindo uma região fortemente atratora de viagens que até hoje sempre foi ignorada.

    Curtir

  8. Vão fazer tipo aquele gif da duplicação da Voluntários, meio Maomé abrindo o mar Vermelho?

    Curtir

  9. Tem uma coisa que eu gostei muito. A iluminação está abaixo das árvores! Em Porto Alegre é comum colocarem a iluminação acima das copas das árvores para iluminar os passarinhos, eu acho.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: