Fortunati diz que prejuízos não foram suficientes para decreto de emergência

Prefeitura de Porto Alegre ainda contabiliza prejuízos causados pelo temporal

Fortunati descartou emitir decreto de emergência | Foto: Mauro Schaefer

Fortunati descartou emitir decreto de emergência | Foto: Mauro Schaefer

A Prefeitura de Porto Alegre segue contabilizando os estragos na cidade e o número de atingidos pelo temporal de granizo e ventania da noite dessa quarta-feira. O prefeito José Fortunati, porém, descarta emitir um decreto de situação de emergência. “Não temos um percentual de 10% da população atingida, aliás, como os estragos são muitos dispersos, há dificuldade na contabilização”, ressaltou.

Em decorrência dos temporais das últimas 24 horas, 100 famílias tiveram as residências destelhadas nas vilas Santo André e Santo Antônio, nas proximidades da Arena do Grêmio. O mesmo ocorreu com moradores da antiga Vila Dique e Nazaré. Conforme Fortunati, as famílias foram atendidas pela Defesa Civil, diferentemente do dizem manifestantes que interrompem vias da região da Arena do Grêmio. “Existe um grupo espalhando que as casas de bombeamento teriam sido desligadas propositalmente pela Prefeitura para que o alagamento não atinja o Centro. Isso é um total absurdo”, assegurou. Três casas de bombas ainda estão desligadas, prejudicando o escoamento da água no Centro, região da Arena e Aureliano de Figueiredo Pinto.

Na região das Ilhas, mais pessoas tiveram de sair de casa. Na Ilha das Flores, onde já havia 100 pessoas em barracas, outras 40 se somaram ao grupo nesta quinta-feira. Na Ilha da Pintada, 50 pessoas estão abrigadas em um estaleiro. No salão paroquial da Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem, na Ilha da Pintada, 90 pessoas estão alojadas e 230 recorreram ao Ginásio Tesourinha.

A Defesa Civil distribuiu 160 lonas para a população de diversos bairros da Zona Sul, Zona Norte e no Arquipélago. Alimentos, produtos de higiene e roupas também foram distribuídos no Tesourinha.

Conforme a Secretaria do Meio Ambiente, 351 árvores e galhos caíram após a tempestade em toda cidade – 170 toneladas foram recolhidas pelo DMLU. Ainda há vias bloqueadas total ou parcialmente. Três postes caíram em vias da zona Norte. Conforme a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), 41 sinaleiras seguiam desligadas no início da noite.

A Estação de Tratamento da Ilha da Pintada permanece desligada por falta de energia elétrica, portanto, sem produzir e distribuir água para as ilhas. Na Estação Menino Deus, a luz foi restabelecida mas os serviços ainda não se normalizaram.

Samantha Klein / Rádio Guaíba / Correio do Povo



Categorias:Outros assuntos

%d blogueiros gostam disto: