Cartão-postal de Porto Alegre, pôr do sol no Lago Guaíba é ‘interditado’

Cartão-postal de Porto Alegre, pôr do sol no lago Guaíba é 'interditado'. Edu Andrade - 20.dez.2015/Folhapress

Cartão-postal de Porto Alegre, pôr do sol no lago Guaíba é ‘interditado’. Edu Andrade – 20.dez.2015/Folhapress

Cartão-postal mais conhecido de Porto Alegre, o pôr do sol nas margens do lago Guaíba está “interditado” a perder de vista, literalmente.

Uma extensão de mais de 1 km da orla nas proximidades do prédio histórico da Usina do Gasômetro vem sendo isolada com tapumes desde outubro para uma obra de revitalização da prefeitura.

A previsão é que o local, um dos principais espaços de lazer da cidade, fique inacessível até maio de 2017. Ciclovias, passeios e a vista para o lago estão bloqueadas.

Dezenas de barracas de comerciantes que ficavam no local foram remanejadas para um ponto a cerca de 2 km. A festa de Ano-Novo, que costumava acontecer ao lado do Gasômetro, foi transferida.

Com base no histórico recente da gestão José Fortunati (PDT), os prazos para a obra podem se esticar. Um pacote de construções –viadutos, duplicações e corredores de ônibus, por exemplo– programadas para a Copa de 2014 se arrasta há anos. Em vários casos, por falta de verba.

O secretário de Obras do município, Mauro Zacher, diz que elas tiveram problemas com desapropriações e indenizações, o que não irá afetar o projeto de revitalização.

Zacher afirma que, agora, foi preciso interditar todo o espaço de lazer por segurança. “Vamos ficar sem o visual, mas momentaneamente. Vai valer a pena esperar um pouquinho porque vamos devolver esse espaço à cidade.”

O projeto da orla foi feito pelo arquiteto Jaime Lerner, contratado pelo município sem licitação. O custo previsto é de R$ 60,6 milhões.

A prefeitura diz que a área entre a avenida e as águas, hoje uma várzea com mato e terra batida, irá se tornar um “parque urbano”, com deques, novos passeios e bares.

A contratação de Lerner, alega o município, foi feita devido à experiência dele em projetos urbanísticos.

Folha de São Paulo / UOL 

FELIPE BÄCHTOLD
DE PORTO ALEGRE



Categorias:Projeto de Revitalização da Orla

Tags:,

6 respostas

  1. Eles querem obras abertas, para o povo entrar, sofrer acidente, e parar a obra por mais 10 anos.

    Curtir

    • Concordo que não dá pra permitir acesso aos locais onde estão sendo feitas as obras, por questões de segurança.

      Só questiono o seguinte: precisavam fechar de cara praticamente TODA a orla nos arredores do Gasômetro? Podiam ir fechando conforme o andamento do processo de revitalização.

      Deixo claro que sou super a favor da revitalização, não me interpretem mal.

      Curtir

  2. É para uma justa causa, apoio isso. Que venha logo 2017!

    Curtir

  3. Adolescência esquerdista afirmativa fundamentalista iludida e acéfala… que praga. Estão proibidos de aproveitar a orla depois de pronta.

    Curtir

  4. Claro, haha! Tinha que ir um celerado da UFRGS e escrever na neolinguística da esquerda A orla é de todXs, porque não usaram então X orlx( existe orlo também: Orloff!)é de todxs, ou então @ orl@ é de tod@s?

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: