EPTC admite acionar corridas da Uber para apreender veículos

wp-1459075411199Funcionários da Empresa Pública de Transportes e Circulação (EPTC) de Porto Alegre estão se passando por clientes para penalizar motoristas da Uber, que oferece transporte privado em carros particulares. A ofensiva contra o sistema, considerado clandestino pela Prefeitura, foi confirmada pelo órgão e relatada à Rádio Guaíba por três trabalhadores da empresa na última semana.

Um deles, que prefere não ser identificado, classifica o método de abordagem como emboscada e lamenta que sigam ocorrendo apreensões às vésperas da regulamentação do aplicativo. “A EPTC se preocupou em fazer emboscadas conosco, nos chamando para pontos onde havia blitze. E nós entendemos que isso é injusto, porque a Uber está em negociação, já tem estudo do Ministério Público. E, ainda, nós temos uma lei federal e a Uber entende que é legal o nosso serviço. Inclusive, os advogados nos dão todo o suporte. Mas é um transtorno e muitos de nós investiram pesado, financiaram carros e dependem de continuar trabalhando para sustentar suas famílias”, alega.

O motorista relata que ao menos oito carros de colegas foram guinchados nessa semana. Desde o final do ano passado, 37 veículos já foram apreendidos por transporte acionado pela Uber ou aplicativos semelhantes. A multa e os custos de guincho e depósito, conforme os motoristas, passam de R$ 7 mil reais.

Estratégia será mantida 

Além de confirmar a estratégia, o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, alerta que as operações serão mantidas até a regulamentação do serviço. A Prefeitura prevê enviar o projeto de lei à Câmara até a o início de maio mas, até a aprovação, podem ser necessários mais alguns meses de discussões.

“Dentro da nossa fiscalização, usamos das melhores técnicas e da inteligência para identificar os descumprimentos da lei. No caso dos aplicativos, também está sendo usado o método de chamar pelo aplicativo e, assim, há comprovação do uso do veículo como transporte clandestino. Agora, eles é quem têm de se sentir constrangidos por descumprir a lei, não por ter uma abordagem e a comprovação. É uma inversão de valores”, sustenta.

Colaboração com a Prefeitura 

A Uber garante estar colaborando com informações para que o grupo de trabalho da Prefeitura formule a regulamentação. Mesmo assim, a equipe brasileira da multinacional ressalta o entendimento de que opera um serviço legal, previsto pelo Plano Nacional de Mobilidade Urbana, e não pretende suspender as atividades devido a quaisquer intervenções do poder público. A empresa se responsabiliza pelas multas e recorre à Justiça para tentar reaver os valores e, ainda, buscar reparações financeiras da gestão municipal.

Porto Alegre 24 horas



Categorias:Uber

Tags:, , ,

3 respostas

  1. Um contra-senso afinal, a prefeitura ja tem um grupo de trabalho com o objetivo de formular a aprovação e regulamentaçao do UBER e outros dispositivos.

    A questão é será que capelari e seus dois taxis e Zigomar (gerente de transportes) com seus 6 taxis tem interesse em reduzir o numero de UBER nas ruas?

    Curtir

  2. Que esses motoristas que forem pegos, denunciem esses “passageiros” ao UBER, assim, ficariam impossibilitados de fazer novas chamadas, espero que isso possa ser feito. Bando de ******, falta do que fazer, querem manter a mafia dos taxistas atuando e ja estao apelando. Vão perder a batalha só sinto. Eu vou continuar usando UBER sempre, taxi nunca mais.

    Curtir

    • Boa ideia. Quem sabe o UBER não desenvolve um sistema para detectar mafiosos da prefeitura e proteger quem quer trabalhar.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: