PR e RS dão sinais de baixo crescimento populacional

Dupla antecipa um cenário que atingirá todo o Brasil – inclusive SC

 idososEm 2015, o debate em torno da aposentadoria de servidores públicos estaduais inspirou reformas importantes – e muitas polêmicas – no Paraná e no Rio Grande do Sul. A preocupação é grande. A cada ano, o rombo na previdência cresce mais um pouco, tornando mais desafiadora a tarefa de manter a máquina pública girando. Entre os censos de 2000 e 2010, as populações dos dois Estados estiveram entre as que menos cresceram no Brasil (veja a tabela a seguir). A do Rio Grande do Sul, inclusive, foi a que menos cresceu no país – reflexo não só do baixo índice de fecundidade, mas também do fluxo migratório negativo, como indica Pedro Zuanazzi, do núcleo de Demografia e Previdência da Federação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE).

Se mantiver o ritmo de crescimento, a população com mais de 65 anos deverá dobrar no Paraná e no Rio Grande do Sul, entre 2010 e 2030. Ao mesmo tempo, a população economicamente ativa (de 15 a 64 anos) deverá diminuir. “Não se quer dizer que todo aposentado será servidor público, mas há uma relação. Os Estados mais idosos costumam ter servidores públicos mais idosos. Além disso, há o problema fiscal: a população ativa, que sustenta o déficit da previdência, não está se repondo”, diz Zuanazzi.

Paraná e Rio Grande do Sul estão entre os primeiros Estados a dar sinais de baixo crescimento e envelhecimento populacional. Mas a dupla só está antecipando um cenário que, mais cedo ou mais tarde, atingirá todo o Brasil – inclusive Santa Catarina.

Países desenvolvidos como Alemanha e Japão enfrentaram o mesmo processo nas últimas décadas. A diferença, segundo Zuanazzi, é que, nesses casos, a mudança ocorreu em ritmo mais lento. Mesmo assim, o envelhecimento e a baixa natalidade não deixam de ser um problema para a economia global. Como alternativa, esses países adotaram políticas de incentivo à natalidade e até à imigração. Se nos próximos anos as projeções se confirmarem, Paraná e Rio Grande do Sul – e todo o Brasil – terão de seguir o mesmo caminho.
tabela

Por Laura D´Angelo / Revista Amanhã
laura.cauduro@amanha.com.br



Categorias:Demografia

Tags:, , , ,

5 respostas

  1. A única “solução” que vejo para isso é parar de reajustar as pensões de servidores pela inflação. É um pouco perverso, mas é a única coisa possível para continuar sustentando essse esquema ponzi que é a previdência.

    Curtir

  2. A solução de aumentar a natalidade é muito perigosa para o planeta, que em alguns anos não conseguirá dar conta de bilhões de pessoas que precisam de comida e água potável .
    Com esta falta de cuidado ambiental me parece muito difícil a sobrevivência de todos.

    Curtir

  3. Eu li faz alguns anos uma reportagem que sobre índices de natalidade, e no RS, o índice seria negativo a partir de 2025. Só que há um novo problema. Zika vírus. Muitas mulheres estão adiando sua intenção de ficaram grávidas.

    Curtir

  4. Os rombos na previdência não se dão somente pela diminuição de contriubuintes e sim pelo desvio e mau-uso do dinheiro tanto em nivel do estado como da previdencia federal.Os governos devem bilhoes para o sistema e ai arrumam uma desculpa demografica para lavar as mãos.

    Curtir

  5. Don’t worry, there are plenty of young white Europeans who are educated or need more education, but are disillusioned with Europe and their old home “nations” (which is slowly disappearing) and are unemployed, who are looking for a “new world” where they believe they might be needed and feel appreciated. Good news is, they don’t care about the US (anymore, those days are over, I know) nor any English speaking nations such as Canada or Australia who are in the same cabal of private central bankers (no, it’s not a conspiracy theory, those places are just not interested anymore, it’s done and full old people, same old shit like in Europe). Anyway, this is a chance for cities like Porto Alegre to get their act together, stop acting like partisan heck (left vs right which is bogus), but do what you have to do and more new and young useful immigrants who are brave enough will make Porto Alegre their new home, but please be careful, specially from Eastern Europe..remember, you don’t only import people, but also mindset and habits.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: