Retiradas mais de 18 toneladas da ecobarreira do Dilúvio

 Garrafas plásticas, sacos e madeiras estão entre os resíduos   Foto: Cibele Carneiro/Divulgação PMPA


Garrafas plásticas, sacos e madeiras estão entre os resíduos   Foto: Cibele Carneiro/Divulgação PMPA

Em dois meses de funcionamento, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) já removeu 18,45 toneladas de resíduos da Estação Ecobarreira instalada no Arroio Dilúvio, entre as avenidas Ipiranga, Borges de Medeiros e Edvaldo Pereira Paiva. São centenas de garrafas plásticas, sacos, madeiras, animais mortos dentre outros objetos retirados quase todos os dias pelos garis.

Todo esse material acabaria desaguando no Guaíba, acarretando prejuízos ambientais. Além do recolhimento dos resíduos da Ecobarreira, regularmente o DMLU faz a capina das margens e dos taludes do Arroio Dilúvio. Outra tarefa feita todos os dias é a varrição e o cuidado com os seis jardins implantados ao longo da avenida Ipiranga, como forma de coibir descartes irregulares de lixo.

O equipamento, de propriedade da empresa Safeweb Segurança da Informação Ltda., que faz o controle, foi instalado sob a autorização do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP). A iniciativa de implantá-lo surgiu a partir de um projeto criado por Luiz Carlos Zancanella Júnior, vice-presidente da empresa, e conta com o apoio do DMLU, da Secretara Municipal de Meio Ambiente (Smam) e do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). A estrutura teve um investimento de R$ 250 mil na obra civil, valor custeado pela Safeweb.

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:Meio Ambiente

Tags:

2 respostas

  1. Porto Alegre é suas modernidades, em São leopoldo isso foi feito nos anos 90 no Rio dos sinos

    Curtir

  2. Ótima iniciativa, tomara que vejamos mais projetos como este para tentar amenizar o descaso com o Guaíba.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: