Empresa gaúcha apresenta o primeiro empreendimento imobiliário 100% fruto da inteligência coletiva no país

wikihaus lança Cine Teatro Presidente, que teve projeto totalmente baseado na colaboração

cine-teatro-presidenteFinalmente a economia colaborativa passa a fazer parte da construção civil. Há três anos atuando no mercado imobiliário gaúcho, a incorporadora wikihaus Inc. foi criada para inovar e transformar a forma de desenvolver produtos na indústria da construção civil. Inspirada pelos princípios da economia colaborativa, a empresa se propõe a ser a primeira incorporadora que leva a colaboração a sério. “Pensamos este projeto tendo o cliente como centro de tudo”, conta Eduardo Pricladnitzki, sócio da wikihaus. ”E foi este cliente quem nos ajudou a formatar o produto”, completa.

Invertendo a lógica do mercado e desenvolvendo um produto baseado nos desejos das pessoas e nas coisas que fazem sentido para elas, a empresa gaúcha lança ainda neste ano o Wikihaus Cine Teatro Presidente – um dos primeiros empreendimentos coliving do país, mas mais do que isso: o primeiro empreendimento imobiliário 100% fruto da inteligência coletiva.

Toda a concepção do projeto foi baseada na colaboração. Pessoas diferentes, com backgrounds e estilos de vida distintos divergindo e convergindo rumo à concretização de ideias em um processo multidisciplinar de aprendizado em conjunto. “Acreditamos que quando somamos competências e conhecimentos podemos gerar verdadeiras mudanças”, reflete Eduardo.

A partir do CTP a wikihaus começa a deixar um legado que espera democratize a forma de viver e de construir em Porto Alegre. “Se todos incorporadores abrirem suas áreas para que as pessoas participem ativamente do processo, certamente o impacto na cidade em que vivemos será muito positivo”, explica o empresário. Muito mais do que entregar um produto melhor, a wikihaus lidera um movimento que traz para o mercado uma cultura de empatia, e cocriação no segmento imobiliário. “Nosso grande objetivo é transformar a maneira com que as incorporadoras se relacionam com as pessoas e a maneira com que essas pessoas vivem e se envolvem com a cidade”, resume Eduardo.

Fonte: Release recebido por e-mail.



Categorias:Arquitetura | Urbanismo

Tags:,

7 respostas

  1. Traduzindo para uma linguagem mais tupiniquim: o que realmente vem a ser o empreendimento? que tipo de ocupação ele se destina? Creio que a matéria poderia ter sido mais esclarecedora e objetiva na explicação. Falou muito e não disse nada. Vamos precisar de Charles Durret para explicar ou nós mesmos conseguimos???

    Curtir

  2. Boa, acho horrível aquele prédio.
    haha

    Só falta recuperar o antigo cinema ali do lado, falavam que iria virar um hotel, mas até agora nada.

    Pena que vão manter a fachada, espero que deem uma melhorada nela, acho horrível.

    Curtir

    • Guilherme, tu até pode achar horrível, mas ela tem valor histórico e cultural. É arquitetura modernista.
      E o Cine Teatro Presidente marcou época na cidade. Pra que demolir ou reformar ? Tem que ser mantida exatamente como está, apenas renovada.

      Curtir

      • Pois é, eu sei disso, mas não consigo gostar desse tipo de arquitetura.
        haha
        Não sei se na época ele usava essas cores, ou se tem como mudar algum detalhe, pra mim, parece que foi pintado de qualquer jeito, deixando mais feio ainda.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: