Obra da Terceira Perimetral em Porto Alegre é citada na Lava Jato

Delegado da PF relacionou pagamentos de propinas feitas pela Odebrecht a empreendimento

O delegado da Polícia Federal (PF) Filipe Hille Pace, um dos responsáveis pela investigação da 35ª fase da Lava Jato, que prendeu nessa segunda-feira o ex-ministro Antonio Palocci, citou o pagamento de propinas relacionadas às obras da Terceira Perimetral em Porto Alegre. Outros empreendimentos em todo o País também foram mencionados durante a coletiva que serviu para detalhar a relação de Palocci com o grupo Odebrecht.

“Marcelo Bahia Odebrecht coordenava e autorizava diversos pagamentos de propina, não só para Antonio Palocci, mas para obras de vários níveis de administração, federal ou estadual. Ele tinha ciência e autorizava tais pagamentos. Eu cito, para mostrar que ele tinha poder direção, não só da empresa, como de pagamentos. Estão documentalmente provados pagamentos relacionados ao metrô de São Paulo, a contratos com a empresa metropolitana de transportes urbanos de São Paulo, reformas de centros educacionais, metrô do Rio de Janeiro, porto de Laguna, contrato de processamento e tratamento de lixo em São Paulo, obras de reforma de presídios e casas de custódia no Rio de Janeiro, obras de reforma no aeroporto Santos Dumont, modernização do autódromo de Jacarépaguá, obras das piscinas olímpicas do panamericano de 2007 e obras da Terceira Perimetral de Porto Alegre”, recordou Pace.

Com a revelação da ligação de pagamentos de propinas com as obras da Terceira Perimetral, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, usou o Twitter para se manifestar sobre a citação do empreendimento gaúcho.

fortunati
Após a manifestação de Fortunati, a prefeitura emitiu uma nota para reiterar que nenhuma obra na Capital, entre 2009 e 2016, foi realizada pela Odebrecht. “No caso mencionado da Terceira Perimetral, as construtoras executantes são Viaduto São Jorge – Construtoras Cidade e Sultepa; Trincheira da Anita Garibaldi – Construtoras Sultepa (que iniciou a obra), Pelotense e Cidade (que estão concluindo); Rótula da Plínio – Construtoras Pelotense, Compasul e Serki; Trincheira da Cristóvão Colombo – Construtora EPT; Trincheira da Avenida Ceará – Construtoras Compasul, Toniolo Busnelo e Sogel”, relatou a nota.

Colaboradora quebra silêncio

De acordo com Pace, a operação de hoje, chamada de Omertà, foi realizada em decorrência do aprofundamento dos investigadores nos materiais apreendidos ainda na fase denominada de Acarajé, marcada pela prisão do publicitário João Santana e da sua esposa. “Além dessas prisões, foi apreendida uma planilha que foi chamada de ‘programa especial italiano’, que trouxe muita atenção. Na época não tínhamos certeza de quem a Odebrecht falava. Finalmente, a partir dos trabalhos feitos na 26ª fase nós conseguimos entender como o esquema funcionava, o que nos levou a retornar ao que foi feito ainda na 14ª etapa, marcada pelo envolvimento da Odebrecht”, explicou.

O delegado destacou que somente uma mulher, que atuou como colaboradora da Operação Lava  Jato, “teve a coragem de quebrar o silêncio que impera na Odebrecht sobre a ofensiva. “A colaboração dessa pessoa descortinou a operação e ela nos trouxe conhecimento que permitiu retornar ao material apreendido na 14ª fase para poder chegar até aqui. Ela não sabia quem eram os beneficiários, mas nos passou dados importantes que nos permitiram afirmar que italiano era Antonio Palocci”, afirmou Pace.

Conforme Pace, Marcelo Odebrecht teria um encontro com Palocci em 2008 e o empresário imaginava que a reunião trataria de doações eleitorais. “Colegas até alertaram Marcelo sobre o encontro, para ter ‘cuidado com o bolso’. Marcelo então disse que era preciso descobrir se havia algo que fosse possível buscar com Palocci para gerar mais recurso à Odebrecht. Fica claro que Marcelo atrelava doações a vantagens que seu grupo empresarial poderia ter”, argumentou.

Correio do Povo



Categorias:Corrupção

Tags:,

2 respostas

  1. Essa obra da anita, é complicado cara… O projeto era pra obra sair em UM ano. aí tu pega Salario dos funcionarios+Custo do material = Valor da obra. Só que, ela levou 4 anos, então tu pega 4x salario dos funcionarios+Custo do materal = Valor da obra. Imagina essa gente que ficou três anos na mesma obra, tocando outra obra… com o “mesmo” dinheiro…

    Curtir

  2. Pra acabar com a corrupção do Brasil deve ser feito o seguinte:
    – O povo ir em massa as ruas e pedir a mudança da constituição.

    O que deve mudar na constituição?
    – Várias coisas, mas em principio duas coisas principais para acabar com a corrupção, são elas:
    – Enfraquecer os partidos políticos e criar duras penas para eles.

    Como enfraquece um partido?
    – 1. Tirando o poder deles, exemplo: Acabando com o voto obrigatório, (há vários países do mundo que o voto não é obrigatório). O voto é combustível dos partidos.
    – 2. Retirando mais de 100mil reais de acessória mensal, e reduzindo pra 10 mil.
    – 3. Eliminando o excesso de partidos, hoje no Brasil são 35 partidos políticos. 5 partidos já são o suficiente. (com muitos partidos há obras super faturadas para caixa 2 em época de eleição).
    – 4. Criando um teto salarial para os políticos, exemplo: um deputado vai deixar de ganhar 34 mil por mês e ganhará 8 mil. (Dessa forma só irá se candidatar quem tiver interesse em mudar o Brasil e não pra mamar nas tetas do governo.
    – 5. Mudando a lei que diz que qualquer brasileiro pode se candidatar a cargo político. Pra se candidatar a cargo político o candidato tem que possuir curso superior em qualquer área, E também deve ser criado um curso com duração de 2 anos ´de iniciação a política para que o candidato saiba o que fazer quando assumir o cargo, como por exemplo o que são leis do legislativo, executivo e etc.
    ( Qualificando o candidato e criando o curso de iniciação a política elimina candidato do estilo popular como por exemplo o Tiririca, que é eleito com forma de protesto pelo povo, mas que não tem condições de exercer o cargo e que é um semi analfabeto que é posto no congresso por influência do partido político escolhido por ele, na qual a grande votação de uma pessoa popular faz com que a legenda do partido cresça e leve junto mais pessoas do mesmo partido pra dentro do governo.

    Como funcionará as penas para políticos?
    – 1. As penas devem ser duras e os políticos devem ser tratados com pessoas normais acabando com o privilegio deles, só terá cadeia especial quem tiver doutorado, quem não tiver vai pra cela junto com traficante, assaltante e assassino.
    – 2. Que seja punido aqueles que executam uma obra que se torna abandonada com o passar dos anos. (ou seja uma obra que gerou milhões simplesmente fica abandonada, é lavado o dinheiro, ninguém é punido.
    – 3. Que acabem com prisão domiciliar e semi aberto com prisão especial para políticos.
    Exemplo: Teve político condenado a 6 anos de prisão que cumpriu prisão domiciliar e semi aberto e os outros 5 anos exerceu profissão e a lei diz que pra quem exerce profissão a pena é anulada.

    BOM, NENHUM PARTIDO VAI QUERER MUDAR A CONSTITUIÇÃO PARA QUE SEUS SALÁRIOS E ARREGOS SEJAM DIMINUÍDOS , QUE AS PENAS SEJAM DURAS…

    Porém é esse o pensamento que o Brasileiro quem que mudar, TODOS DEVEMOS IR AS RUAS PEDIR A MUDANÇA DA CONSTITUIÇÃO.

    Temos que combater o mal pela raiz…

    Somente com a diminuição da corrupção é que daqui a 10 anos poderemos pedir a construção de um hospital, ponte, escola, com a certeza que não haverá desvios de dinheiro e que se os políticos estarão exercendo seus cargos não pelo salário e sim pela vontade de mudar o Brasil.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: