Porto Alegre será primeira cidade a receber plano integrado de segurança

Governo deve divulgar na semana que vem dois novos presídios, além do federal

 

 Schirmer vai anunciar plano de segurança entre Estado e municípios | Foto: Guilherme Testa / CP Memória


Schirmer vai anunciar plano de segurança entre Estado e municípios | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

Durante entrevista à Rádio Piratini nesta quinta-feira, o secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, afirmou que vai anunciar na próxima semana, junto com o governador José Ivo Sartori, um plano de segurança entre o Estado e os municípios. Conforme ele, o Sistema Estadual de Segurança Pública (SESP) é um programa que permitirá a parceria entre o governo e os municípios do Rio Grande do Sul em diversas áreas.

A primeira cidade a receber o sistema, segundo Schirmer, será Porto Alegre, mas estará aberto para se expandir a novos municípios. “Relativamente a Porto Alegre, são muitas áreas de cooperação: tem a Guarda Municipal, o Centro de Monitoramento, enfim, tem mil ações para trabalhar em conjunto, cada qual preservando as suas atribuições e competências. Nós não queremos mandar dentro da Prefeitura e nem a Prefeitura vai querer mandar dentro do Estado. Nós vamos somar as nossas instituições no sentido do enfrentamento do crime”, contou.

Para o secretário, essa estratégia de trabalho conjunto é fundamental para o enfrentamento da situação atual da violência, pois “se cada um ficar no seu quadradinho, nós já estamos perdendo essa guerra”. “É necessária essa integração entre as inteligências para ter um sistema cada vez mais firme e coeso, que seja cooperativo entre si. O crime ele coopera entre si e se modernizou, e nós temos que nos modernizar também. E obviamente precisaríamos de dinheiro, mas estamos utilizando a criatividade de cada um”, afirmou.

De acordo com Schirmer, este sistema estadual está sendo elaborado com base em quatro pilares: gestão, parceria, tecnologia e inteligência. “Mas é importante se pensar em tudo começa na prevenção primária de crimes, policiamento ostensivo, ter inquéritos bem feitos e, por último, o sistema prisional, que é o elo frágil da segurança pública”, comentou. O Secretário destacou ainda a necessidade que o sistema prisional considere a ressocialização e a recuperação dos presos para contribuir com o alcance de menores índices de criminalidade. Da mesma forma, ressalta que devem haver mais ações de reeducação da sociedade brasileira para conscientização contra a violência.

Projetando reforço no policiamento do Estado com diversas ações que estão em desenvolvimento, Cezar Schirmer revelou que o governador Sartori também vai anunciar na próxima semana dois novos presídios no Rio Grande do Sul, além do federal. Um deles será construído graças a uma parceria com o grupo Zaffari e mais um outro presídio com recursos federais também.

O secretário também comentou o Plano Nacional de Segurança, que deve ter início em Porto Alegre nos próximos dias, quando devem chegar 200 homens da Força Nacional de Segurança e outros 400 da Brigada Militar. A data certa depende da solução de problemas no Espírito e no Rio de Janeiro. “O plano se concentra no combate de homicídio, feminicídio e também na questão das fronteiras, no que diz respeito às armas e às drogas”, explicou.

Para ele, o plano reflete “o fim da omissão do governo federal quanto à questão da segurança pública porque antes esse repassava algum recurso, mas se omitia” e isso se deve as experiências do presidente Michel Temer e do ministro Alexandre de Moraes nessa área.

Correio do Povo

Anúncios


Categorias:Outros assuntos

6 respostas

  1. Não acredito em nenhuma divulgação com o nome de “plano” ou “projeto”.

    Curtir

  2. Nisso, está incluído o tal presidio que o grupo Zaffari vai construir?

    Curtir

  3. chega de planos quero ver a prática!!!!!

    Curtir

  4. Governantes incompetentes como sempre. Governantes façam a gentileza de levarem embora essa força nacional inútil, não ha benefício nenhum para a população velos desfilar nas ruas, não prendem bandido, não atendem os chamados da população, não combatem o crime em outras palavras, o número 190 da brigada não atende mais ninguém, é lamentável. Esse dinheiro gasto com altos salários do pessoal da força nacional, favor repassarem a brigada e ´´ suman daqui com essa força nacional do desfile ´´. Nosso dinheiro de impostos esta sendo torrado até com isso.

    Curtir

  5. Deixaram a brigada sem horas extras, os presídios sem vagas novas e as viaturas paradas em.oficinas.

    O que aconteceu?

    Agora vem os mesmos que faliram com tudo estao querendo ser heróis fazer um plano de segurança.

    A coisa é bem mais simples: cadeia com vistorias regulares e bloqueio de sinal de celular para grandes criminosos, cadeias com opção de eja e cursos profissionalisantes para pequenos infratores. Trabalho voluntário nas cadeias para reduzir pena ou gerar centavos de renda para quando sair da prisão.

    Policia nas ruas, peritos e investigadores com material para trabalhar

    Curtir

    • Nei, perfeita colocação. O que mais parece é uma preocupação com o bem estar dentro dos presidios do que com as pessoas que estão sendo vitimadas aqui fora. É só discurso paliativo. Nenhuma ação efetiva. O dinheiro gasto com a Força Nacional teria que ser repassado a Brigada, para voltarem os “Pedro/Paulo” na rua, mesmo que “só amenize o problema” como afirma o Secretário de Segurança. Digo mais, junta o dinheiro da Força Nacional + fecha a PTC: soma tudo e passa para a Brigada. Ai sim vamos começar a ter segurança. Ou é difícil de entender????

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: