Carvão será o tema principal do primeiro dia da comitiva no Japão

Meta é estabelecer condições para o desenvolvimento do projeto de construção de uma usina térmica de alta eficiência

Em missão, governador José Ivo Sartori terá, pelo menos, 11 reuniões com empresários, bancos e representantes diplomáticos | Foto: Tiago Medina / Especial / CP

A missão gaúcha que chegou ao Japão nesse domingo tem sua primeira agenda na manhã desta segunda-feira (noite de domingo no Brasil). A pauta será o carvão mineral. A comitiva do Rio Grande do Sul visitará a Usina de Hitachinaka, a cerca de duas horas de Tóquio. As conversas girarão em torno da solução para um potencial investimento de US$ 2 bilhões.

Na usina japonesa, é utilizada a tecnologia Ultra Super Crítica que prevê aplicação de altas temperaturas e pressão para aumentar a eficiência e diminuir a emissão de gás carbônico de térmicas a carvão. O carvão extraído da região do Baixo Jacuí tem condições de suportar essa tecnologia, logo, a região tem condições de sediar uma sina de alta eficiência.

Agora serão discutidos detalhes técnicos e burocráticos e aprofundar uma relação iniciada em 2015, quando empresários japoneses estiveram em Porto Alegre. Caso saia do papel, o investimento será na casa dos US$ 2 bilhões, além da geração de milhares de empregos, conforme estimativa do governo.

“Podemos ter a presença forte de viabilizar tecnologias que venham ajudar nosso Estado”, projetou Sartori. Cálculo inicial do governo aponta que a eventual futura usina poderia produzir até 25% da energia consumida no Rio Grande do Sul. “Produzimos mais de 90% do carvão brasileiro”, lembrou o governador – nem todo ele, porém, abriga o uso da tecnologia japonesa.

Seria um plano a médio prazo, já que para a usina termelétrica ser instalada, é necessária a autorização do Ministério de Minas e Energia, seguido de um leilão. O plano é poder iniciar os trabalhos dela entre 2020 e 2021. Ainda assim há um certo otimismo. “O interessante desta viagem é que se encontram dois fatores. Nós temos trabalhos para prospectar investimentos no exterior, enquanto os japoneses têm a cultura de investir fora do seu país”, afirmou o secretário de Desenvolvimento, Márcio Biolchi.

Ainda nesta segunda-feira, o governador e os secretários se reúnem com o IHI Corporation. Na pauta, a utilização de tecnologias da empresa no setor de energia e sua operação no Brasil. À tarde, o grupo se encontrará com a NEDO e a TEPCO para tratar da modernização das usinas a carvão. À noite, a comitiva participa de um jantar de cortesia com executivos da Toyota. A empresa de carros possui um Centro de Distribuição localizado em Guaíba. A princípio sem envolver futuros investimentos, o objetivo é fortalecer o bom relacionamento com os empresários.

Depois de viajar por quase 40 horas entre o Brasil e o Japão, a delegação chegou a Tóquio no fim da tarde deste domingo (manhã no Brasil). As agendas se estenderão até quinta-feira. O governador José Ivo Sartori terá, pelo menos, 11 reuniões com empresários, bancos e representantes diplomáticos.

Correio do Povo

Tiago Medina / Enviado Especial

Anúncios


Categorias:Energia

Tags:

1 resposta

  1. Desde quando eu era criança é sempre a mesma coisa, governadores gauchos indo a Asia vender carvão mineral bruto de baixa qualidade do RS.

    Não sei dizer se essa formula funciona, só sei que de la para cá as cosias nao melhoraram muito pro governo…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: