“Não vamos transformar o Salgado Filho do dia para noite”, diz gerente da Fraport

Comitiva do governo do Estado visitou as instalações do aeroporto de Frankfurt, administrado pela empresa

Fernanda Pugliero / Da Alemanha

Aeroporto de Frankfurt gera mais de 80 mil empregos diretos e indiretos em seus 22 quilômetros quadrados | Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação / CP

A empresa alemã Fraport, que opera o aeroporto de Frankfurt e outros 24 no mundo, apresentou nesta sexta-feira as instalações de um dos principais terminais aéreos da Europa e falou sobre as perspectivas para o Aeroporto Internacional Salgado Filho, concessão adquirida em março. O terminal gaúcho passou a ser administrado oficialmente pela empresa no dia 29 de agosto desse ano, após assinatura de contrato final com o governo brasileiro. Além do Salgado Filho, a Fraport também passa a operar o aeroporto de Fortaleza.

A CEO da Fraport no Brasil, Andrea Pal, desembarca na capital gaúcha nas próximas semanas. Ela ficará responsável pela transição da operação nos dois aeroportos brasileiros. O processo deve estar completo em março ou abril do próximo ano. Até lá, a Infraero segue compartilhando a administração do aeroporto com a Fraport. Há expectativa de ampliação e reformas, não apenas dos terminais em Porto Alegre, mas também do entorno.

A ampliação da pista do Salgado Filho, prevista no edital de concessão, deve ser concluída em até 52 meses– esse é o prazo limite, ou seja, a obra pode ser finalizada antes. “Não podemos fazer tudo do dia para a noite, precisamos de um tempo”, aponta Andrea. Quando perguntada sobre como se deslocaria rapidamente entre Porto Alegre e Fortaleza, já que hoje não há voos diretos entre as duas cidades, a CEO disse que isso tende a ser resolvido, não escondendo que logo poderá haver um aumento no número de rotas diretas entre Porto Alegre e outras cidades do Brasil, América Latina e Europa.

O aeroporto de Frankfurt gera mais de 80 mil empregos diretos e indiretos em seus 22 quilômetros quadrados. No entorno do aeroporto, somam-se mais 120 mil postos de trabalho – gerados, principalmente, por empresas que se instalaram em Frankfurt ou cidades próximas por causa do aeroporto, seja pela facilidade logística para cargas ou passageiros.

É importante, no entanto, observar a diferença de tamanho da operação de Porto Alegre e Frankfurt. Enquanto o Salgado Filho transporta cerca de 7 milhões de passageiros por ano, em Frankfurt são 60 milhões.

“Não vamos chegar em Porto Alegre para apenas fazer dinheiro e trazê-lo para a Alemanha. Aumentar o número de passageiros e de carga transportada significa mais dinheiro para nós (Fraport), mas também mais desenvolvimento e empregos na região. Acreditamos no potencial de Porto Alegre”, explica Andreas Montag, gerente de Projetos responsável pela Fraport no Brasil.

Para se ter uma ideia da possibilidade de transformação do aeroporto da capital gaúcha e seu entorno, os executivos da Fraport apresentaram o Aeroporto de Lima, capital do Peru, como exemplo. Operado pela Fraport desde fevereiro de 2001, o aeroporto peruano viu o número de passageiros crescer, em média, 10% ao ano desde a privatização. Eram 5 milhões em 2001 e passaram a 20 milhões em 2016. O investimento médio por ano antes da privatização era de 6 milhões de dólares por ano. Hoje, gira em torno de 23,5 milhões.

Confira o vídeo:

Correio do Povo

_____________________________

Aeroporto de Frankfurt: hub que conecta a Europa ao mundo

Pelo menos 100 operações de pouso ou decolagem são realizadas por hora na cidade alemã

Fernanda Pugliero

O aeroporto de Frankfurt impressiona. Não só pela dimensão, mas também pelas instalações modernas e que facilitam a vida dos usuários. No tour realizado por toda a comitiva do governo gaúcho na Alemanha foram visitadas as quatro pistas de pouso ou decolagem (em duas delas, há pousos e decolagens, em outra, só pouso e, na quarta, apenas decolagens), além da central de comando e operações.

A Fraport, fundada em 1924 como empresa pública, foi privatizada em 2001. A empresa alemã garantiu a concessão do Aeroporto Internacional Salgado Filho por 25 anos e administra a instalação em Frankfurt. Cerca de 30% da companhia pertence ao estado de Hessen, na Alemanha, 20% à cidade de Frankfurt, enquanto que o restante é de acionistas desconhecidos. A receita do grupo alcançou 2,58 bilhões de euros no ano passado, o que equivale a 8,66 bilhões de reais.

Pelo menos 100 operações de pouso ou decolagem são realizadas por hora – o sistema suporta 120 – em Frankfurt. A ideia principal do aeroporto não é limitar-se a conectar a Alemanha ao mundo apenas pelo ar, mas também ajudar aos passageiros a se deslocarem até seu destino final por terra. Por esse motivo, há uma estação de trens regionais, outra de trens de alta-velocidade e uma pequena rodoviária dentro do complexo do aeroporto.

Salgado Filho

A Fraport prometeu começar assim que possível a obra de ampliação da pista do Salgado Filho, prevista no edital de concessão com prazo limite de 54 meses. A visita da comitiva gaúcha alavancou a expectativa do governo em relação à nova administração. O governador José Ivo Sartori se disse impressionado pela grandeza e extensão do principal aeroporto alemão e acredita que empresas internacionais podem ser atraídas ao Estado por causa das melhorias no terminal de Porto Alegre. “A transformação (prometida pelos alemães) não será apenas para os passageiros ou transporte de cargas, mas também de ambiente do próprio Estado e da cidade, que poderão se apropriar disso”, destacou.

É importante, no entanto, observar a diferença de tamanho entre os terminais de Porto Alegre e Frankfurt. Enquanto que o Salgado Filho transporta cerca de 7 milhões de passageiros por ano, em Frankfurt são 60 milhões. Atualmente, o aeroporto alemão possui dois terminais, mas há um terceiro em construção. Isso aumentaria em mais 20 milhões o número de passageiros por ano. “Não vamos chegar em Porto Alegre para apenas fazer dinheiro e trazê-lo para a Alemanha. Aumentar o número de passageiros e de carga transportada significa mais dinheiro para nós (referindo-se à Fraport), mas também queremos mais desenvolvimento e empregos na região. Acreditamos no potencial de Porto Alegre”, afirma Andreas Montag, gerente de Projetos responsável pela Fraport no Brasil.

A transição da operação das mãos da Infraero para as da Fraport está dividida em três fases. A empresa alemã já iniciou a preparação de um plano de transição operacional, que deverá ser entregue a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Esse primeiro passo deve levar 60 dias para estar concluído (levando em consideração o tempo de consolidação do plano e a aprovação da Anac). A partir daí, ainda com a Infraero responsável pela operação do Salgado Filho, começa a fase de transição das funções dentro do aeroporto. Esse estágio ocorrerá durante 70 dias até que a Fraport ganhe a certificação operacional. Na terceira e última fase da transição, acontece a troca de responsabilidade das operações, e a Fraport passa a administrar o aeroporto oficialmente, ainda com a presença da Infraero. A assunção total deve ficar para março ou abril de 2018.

Correio do Povo

Anúncios


Categorias:Aeroporto Internacional Salgado Filho

Tags:, , ,

3 respostas

  1. MALDITA ADMINISTAÇÂO PUBLICA!

    Curtir

  2. Pela milésima vez lembro a todos. A ampliação da pista nunca sairá do papel. Agora a própria Fraport já deu a deixa. Não basta ter grana, probidade e nem o know-how técnico-administrativo. No Brasil as coisas só acontecem se houver PROPINA. Eu disse propina, e não – beirinha. Beirinha é coisa de país desenvolvido. Aqui o lance são várias malas de “doces”. Como é que se desafetam as áreas de moradias no entorno? Como é que se liberam as licenças ambientais ? Como é que se destravam os óbices do quinto COMAR e do PDDUA? Como é que se costura todos os atores envolvidos no projeto? E por fim, como é que se faz uma costura dessas, sendo a FRAPORT uma empresa estrangeira e que não tem a mínima familiarização com os “meandros” do brazilliain way of life? Pelo visto, a FRAPORT terá que fazer um belo estágio nas dependências da Odebrecht, JBS, AG, OAS, etc, etc, etc.

    Curtir

  3. Vaza logo, Infraero!

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: