Casarão interditado na Riachuelo tem dívida de R$ 275 mil com o Município

Prédio-condenado

Imóvel está localizado na esquina das ruas Riachuelo e Marechal Floriano Peixoto / Foto: Ricardo Stricher

O centenário casarão da esquina das ruas Riachuelo e Marechal Floriano Peixoto, no Centro Histórico de Porto Alegre, segue isolado e sem destino certo.

Na Justiça, o impasse já dura quase vinte anos. Desde o sábado, 25, a esquina segue interditada pois a construção apresenta rachaduras e oferece risco à população.

O imóvel em estilo eclético, construído provavelmente no início do século XX está sem uso desde o final de década de 1990, quando um incêndio comprometeu sua estrutura.

Segundo a Secretaria Municipal da Fazenda, o imóvel acumula uma dívida com o Município de R$ 275.202,85, em valores atualizados. O passivo é referente ao IPTU, que não é pago desde 2009, além da taxa de coleta de lixo.

A fachada não pode ser demolida, pois o imóvel é inventariado pelo Patrimônio Histórico municipal. A Procuradoria Geral do Município defende que a obrigação de arcar com os custos de manutenção é dos proprietários.

Ainda assim, a prefeitura custeou medidas emergenciais no imóvel em 2010 e 2012. A PGM informou que o imóvel pertence aos herdeiros de Emílio Granata.

A Procuradoria Geral do Município deve ingressar com uma ação judicial. O tipo de ação ainda está em análise. Uma alternativa é pedir a expropriação do imóvel, que diferente da desapropriação, não exige pagamento por parte do município.

Outra possibilidade é uma ação de arrecadação de imóvel abandonado, prevista no artigo 1276 do Código Civil, que prevê que o imóvel abandonado pelo proprietário, que não está em posse de terceiros e não recolhe os tributos devidos, pode ser arrecadado como bem vago e, após três anos, passa ao domínio do município.

Recuperação da fachada está orçada em R$ 1,4 milhão

A obra, que inclui recuperação e reestruturação da fachada, cobertura provisória e restauração das esquadrias, está orçada em R$ 1,4 milhão, segundo o coordenador da Memória Cultural da Prefeitura de Porto Alegre, Eduardo Hahn.

Um provável fonte para os recursos é o Fundo Monumenta Porto Alegre (FUMPOA), criado em 2004. Hahn estima que o fundo disponha de cerca de R$ 10 milhões.

“A princípio, o imóvel se enquadraria 100% nos requisitos do fundo, mas tem todo um trâmite legal para a liberação deste recurso. O que a gente planeja é viabilizar os recursos para estabilização do imóvel. Para isso, ele precisa ser expropriado”, afirma Hahn.

Jornal Já

Anúncios


Categorias:Outros assuntos

4 respostas

  1. Quem é o dono imóvel??? A Prefeitura e a burrocracia não fazem nada??? O dono vai querer reformar o prédio??? 20 anos?? Já pensou quantos milhares de prédios tem jogados pelo Brasil??

    Curtir

  2. Eduardo Hahn é um profissional muito competente que já salvou muitas construções históricas do estado. Fico feliz que ele esteja envolvido.

    Curtir

  3. A economia do centro é de produtos e serviços de baixo valor agregado, de modo que a manutenção desses prédios não se sustenta. Um comércios de miudezas ou tattoo studio não terão lucro suficiente para manter prédios antigos, por melhor que sejam suas intenções.

    Curtir

    • Desse edifício só sobrou a carcaça. Havendo uma consolidação da estrutura, a construção interna poderia ser feita com técnicas atuais. Não é como se esse edifício tivesse vitrais, ladrinhos hidraulicos, enfim, não já nada de complexo aí.

      Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: