Governador recebe estudo sobre o Cais

Impasse. Procurador-geral entrega a Eduardo Leite, amanhã, parecer com possíveis cenários e consequências de se manter ou não a concessão atual. Embarcadero também está em jogo

embarcadero

Projeto temporário prevê instalação de restaurantes, lojas e atrações de entretenimento | CAIS MAUÁ DO BRASIL/DIVULGAÇÃO

Antes de embarcar para Nova York amanhã (veja abaixo), o governador Eduardo Leite terá como um dos últimos compromissos o Cais Mauá. O procurador-geral do estado, Eduardo Costa, irá apresentar um estudo feito por técnicos com possíveis cenários sobre o futuro do contrato de concessão da antiga área portuária. A análise vai embasar a decisão do governador de romper ou manter o acordo firmado em 2010, já que a empresa até hoje não começou a obra de revitalização.

O governador já havia se reunido com a PGE na semana passada para tratar do assunto. Inicialmente, os técnicos recomendaram a rescisão do contrato. A expectativa é de que a decisão seja anunciada após o retorno da viagem internacional, depois do dia 20. Se romper o contrato, a ideia é já divulgar a alternativa para a área, que pode ser a realização de uma nova licitação, mas dividindo o terreno em partes de até 10% do total. A Cais Mauá do Brasil informa confiar na repactuação do contrato por haver amparo legal e jurídico suficientes. O advogado da empresa, Claudio Lamachia, acrescentou que “uma nova licitação seria muito mais demorada e custosa ao estado, ao passo que a nova gestão da CMB já se demonstrou amplamente capaz de concretizar o projeto de uma vez por todas”.

De forma paralela, outra preocupação é com o Cais Embarcadero, o empreendimento que está sendo montado na área concedida, ao lado da Usina do Gasômetro. O projeto, cujas obras não tiveram redução de ritmo devido às indefinições da concessão, prevê a instalação de restaurantes, bares, lojas e espaços esportivos e de entretenimento. Poderá haver cobrança de ingresso para algumas atrações.

Eugenio Correa, sócio da DC Set Produções e um dos diretores do Embarcadero ao lado da Tornak, diz acreditar que o governo do estado e a Cais Mauá “vão encontrar um caminho”. “Sou inquilino. Loquei o espaço por quatro anos, estou fazendo as obras e vou operar a partir de setembro. O estado está em boas mãos, o governador está fazendo suas avaliações, é normal, mas sabe da importância do projeto para a cidade e para a população”, afirmou.

Dos R$ 5 milhões estimados no Embarcadero, foram investidos R$ 1 milhão até o momento. Outros R$ 2 milhões já estão comprometidos.

Maicon Bock – Jornal Metro – 09/05/2019



Categorias:Outros assuntos, Projeto de Revitalização do Cais Mauá

Tags:, ,

3 respostas

  1. Há dez anos digo que isto nunca vai sair!!!

    Curtir

  2. Aquelas … que …. devem “servir de modelo à toda a terra”?

    Curtir

  3. Meu Deus !!!!! Esta novela…. décadas…. me envergonha….. Seriam estas as “Nossas Façanhas”?

    Curtir

Deixe uma resposta para Arq.Marcelo Allet Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: