Trânsito de Porto Alegre tem menor número de mortes em 22 anos

GCS - 144ª Festa de Nossa Senhora dos Navegantes

Conforme a EPTC, são 62 casos fatais no período de janeiro até outubro  Foto: Maria Ana Krack/PMPA

Foram 62 vítimas fatais no trânsito da Capital de janeiro a outubro, uma a menos que no mesmo período do ano passado. Este dado representa o menor número de mortes dos últimos 22 anos no decorrer dos dez primeiros meses de uma temporada. Dos 62 casos fatais, 29 envolveram motociclistas, sendo 27 condutores e dois caronas, e 26 foram pedestres atropelados, sendo 18 idosos (acima de 60 anos). A Coordenação de Indicadores de Engenharia de Tráfego (Ciet) da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) divulgou os dados nesta segunda-feira, 12.

Os números apontam também que, das 26 vítimas fatais por atropelamentos, dez casos ocorreram com o envolvimento de motos (38%); nove por carros (35%); cinco por ônibus (19%); uma por caminhão (4%) e uma por bicicleta (4%). Nos dez primeiros meses deste ano, na comparação com o mesmo período de 2018, houve um aumento de 8% em acidentes (9.999 a 10.814) e mais 9% em feridos (4.150 a 4.522).

Fabio Berwanger Juliano, diretor-presidente da EPTC, avalia a situação e projeta as atividades prioritárias até o final deste ano: “Mesmo com redução no número de vítimas fatais, que sinaliza uma menor gravidade nos acidentes, nossa preocupação permanece com relação aos números de acidentes e feridos. Vamos intensificar ações direcionadas à segurança dos motociclistas e dos pedestres. Ações educativas e de fiscalização, principalmente para conter excessos de velocidade e a necessidade no uso de equipamentos de segurança, isto no caso das motos. E, em relação aos pedestres, principalmente os idosos, nosso foco principal é alertar a importância de travessias seguras, realizadas com bastante calma, para evitar riscos de atropelamentos”.

O encaminhamento das ações preventivas de educação para o trânsito e de fiscalização seguem os estudos desenvolvidos em coletas de dados pelos técnicos do Programa Vida no Trânsito, sobre os riscos que levaram às ocorrências dos acidentes. O programa representa uma parceria de um trabalho permanente entre a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), EPTC, Detran e o Samu.

Mortes no trânsito – janeiro a outubro

1998 – 155
1999 – 161
2000 – 144
2001 – 114
2002 – 120
2003 – 142
2004 – 142
2005 – 131
2006 – 129
2007 – 119
2008 – 122
2009 – 139
2010 – 128
2011 – 121
2012 – 89
2013 – 111
2014 – 120
2015 – 85
2016 – 76
2017 – 76
2018 – 63
2019 – 62

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:acidentes de trânsito, Meios de Transporte / Trânsito, Outros assuntos

Tags:

7 respostas

  1. É mais difícil morrer gente num trânsito que se desloca a 5 KM/h, como é poa na maior parte do dia.

    Curtir

  2. Acho que um dos motivos que ajudaram a reduzir esses números foi a obrigatoriedade de air bags e abs nos carros novos, que começou em 2014. Além da balada segura.
    Agora com o latin n cap, acho que esses números vão melhorar mais ainda.
    Pelo que vi, de 2010 para 2019, teve uma redução de 20% de mortes no transito brasileiro, com as novas exigências previstas para 2020, e carros com estruturas mais seguras que estão sendo lançadas, as coisas só tendem a melhorar.
    Ainda assim, os números vão continuar altos enquanto a educação não for prioridade, e nossas estradas continuarem um lixo.

    Curtir

    • Nessa hora os liberais nao aparecem pra falar que a legislação obriga as coitadas das fabricas a fazerem carros seguros, que o consumidor é que tem que escolher se querem um carro seguro ou um carro barato

      Curtir

  3. Fantástica notícia! É uma mudança significativa! Aqui tem alguma explicação sobre a redução:

    “No Brasil, a mudança da legislação relacionada ao beber e dirigir vem ocorrendo desde 1998, sendo que em 2008 foi criada a Lei nº 11.705, mais conhecida como “Lei Seca”, que ainda foi reforçada em 2012 e no final de 2017. Atualmente, nosso país é um dos 25 do mundo que estabeleceram a tolerância zero para o consumo de álcool por motoristas e um dos 130 que usam o etilômetro (teste do “bafômetro”) como forma de monitoramento do cumprimento da lei.”

    http://www.cisa.org.br/artigo/5828/-impacto-lei-seca-nas-mortes-no.php

    Curtir

  4. nos ultimos 10 anos a frota de veículos cresceu 119%, mas nos anos 90 havia 3x mais mortes que atualmente.
    Sera que a redução de morte nesses ultimos anos não foi pelo que Bolsonaro chama de “industria da multa”?

    Curtir

  5. Quantos ciclistas morreram?

    Curtir

Deixe uma resposta para Pablo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: