Em renovação histórica, Carris põe 98 ônibus em operação

200806_Jefferson Bernardes_PMPA-2

Todos os veículos são modelo 2020, equipados com ar-condicionado, acessibilidade, sistema de GPS e reconhecimento facial  Jefferson Bernardes/PMPA

A partir desta sexta-feira, 7, 40 novos coletivos da Companhia Carris Porto-Alegrense começam a rodar pelas ruas da Capital. Outros 58 passarão por processo de emplacamento antes da liberação. O prefeito Nelson Marchezan Júnior entregou, nessa quinta-feira, 6, os 98 ônibus adquiridos para renovar a frota da Companhia. Essa é a maior renovação já ocorrida na história da Carris. Todos os coletivos são modelo 2020, equipados com ar-condicionado, acessibilidade, sistema de GPS e reconhecimento facial.

“São 98 ônibus novos, todos eles já equipados com estruturas mais modernas, cumprindo exigências de conforto e de acessibilidade. Significam quase 30% de renovação da frota, a maior da história da Carris. A gente aposta no ônibus, o modal que movimenta o maior número de pessoas no mundo todo. É nesse caminho que trabalhamos para estruturar o transporte público na cidade de Porto Alegre” – Prefeito Nelson Marchezan Júnior.

A renovação da frota permitirá que os custos de manutenção sejam reduzidos em até R$ 3,5 milhões já no primeiro ano. Além disso, a receita da venda dos ônibus que estão saindo de circulação poderá render mais R$ 2,4 milhões. “Essa conquista orgulha a nossa empresa, pois evidencia os esforços dessa gestão em busca da recuperação da Carris, com a implantação de programas e ferramentas de controle e economia”, ressaltou o diretor-presidente em exercício, Gustavo Cochlar.

O número de veículos novos é quase um terço dos atuais 347 ônibus da empresa. Todos estão de acordo com as normas estabelecidas pelo sistema de transporte público de Porto Alegre e seguem a padronização visual com as cores ocre (amarelo) e cinza.

Perfil – Os novos ônibus são numerados desde 0001 até 0098. Com o início da operação desses carros, os índices de acessibilidade e climatização da frota passam a ser de 89% e 81%, respectivamente. Os ônibus têm carroceria da marca Mascarello e chassi (motor e estrutura de suporte) da marca Mercedes-Benz.

Investimento – A Prefeitura de Porto Alegre foi a garantidora da operação financeira entre a Carris e a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 40,9 milhões, que viabilizou a aquisição da nova frota. A condição está de acordo com a Lei Municipal nº 12.637, de 28 de novembro de 2019. A lei autorizativa foi aprovada pela Câmara de Vereadores na sessão ordinária do dia 13 de novembro de 2019. A Carris realizará ainda, como contrapartida, um investimento do próprio caixa, finalizando o valor da compra em R$ 45,1 milhões.

Licitação – O pregão eletrônico referente à aquisição foi homologado em 11 de março, com a publicação dos resultados dos processos licitatórios no dia seguinte, no Diário Oficial do Município (Dopa) e no portal LicitaCon, do TCE (Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul).

Prefeitura de Porto Alegre

200806_Cesar Lopes_PMPA-1

Cesar Lopes / PMPA

200806_Cesar Lopes_PMPA-2

Cesar Lopes / PMPA

200806_Cesar Lopes_PMPA-3

Cesar Lopes / PMPA

200806_Jefferson Bernardes_PMPA-1

Jefferson Bernardes/PMPA

200806_Jefferson Bernardes_PMPA-3

Jefferson Bernardes/PMPA

200806_Jefferson Bernardes_PMPA-4

Jefferson Bernardes/PMPA



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito, onibus, Outros assuntos

17 respostas

  1. Em 3 anos não renovou, ai deixa para o ano eleitoral e define como a “maior renovação da frota”.
    Qual a necessidade de enfileirar tanto ônibus?
    pré campanha do prefeito?

    Tiveram que gastar combustível e o transporte dos vários puxa sacos que acompanham a comitiva da aglomeração.

    Curtir

  2. A renovação de frota no caso da capital gaúcha é justa e mais do que necessária e claro bem-vinda, mas… Falta no sistema de transporte coletivo de Porto Alegre um modal de transporte menos poluente atmosférico, sonoro, e ainda mais ágil e com menos impacto no trânsito, porque busões conflitam com carros no espaço das ruas e empacam nos congestionamentos. Falta METRÔ em Poa, que faz toda uma diferença positiva em Sampa, no Rio, e que é a grande aposta de Salvador que trabalha forte a expansão de suas linhas, além de Belo Horizonte que junto ao governo federal atual está batalhando sair do padrão metrô metropolitano para implantar linhas dentro do território da capital, coisa que POA não faz.

    Curtir

    • Eu adoraria um metro,mas tem de esquecer o proprio Trensurb que é um trem bem mais barato que um metro subterraneo é deficitario,ele não se paga com o valor da tarifa, e Porto Alegre não tem densidade de passageiros para bancar um metro e o mais viavel seria uma linha centro Norte que teria de avançar para Alvorada ,cachoeririnha e gravatai e ai o custo por qustões tecnicas seriam astronomicos quem vai bancar e quem vai administrar o sistema se o atual governo quer privatizar o Trensurb.Se não me engano lá em SP tem uma linha do metro que é privada e os trens não tem condutores é uma central que comanda , diminui custos.

      Curtir

    • De novo esse papo de metrô… Não vai acontecer, esquece! É extremamente caro, não se paga numa cidade como Poa, já que não temos a mesma densidade populacional de Rio e SP.
      Além disso, tem certeza que quer abrir trincheiras numa cidade que demorou mais de cinco anos para concluir a trincheira da Ceará??

      Curtir

      • É tu que sempre vem dizer que não vai acontecer quando se fala nisso e com esse papo de “não tem como?

        Já não aconteceu por muito pouco duas vezes. É totalmente viável. Só no eixo da Assis Brasil teria um milhao de passageiros/dia. Existe demanda e existe como viabilizar financeiramente. Falta coordenação e interesse político.

        Metrô e BRT devem ser buscado pelo próximo prefeito como a prioridade número zero para essa cidade, e é viável. A própria privatização da trensurb pode ser um meio.

        Curtir

        • De onde tu tirou esse um milhão de passageiros? O Trensurb transporta em situações normais 170 mil pessoas/dia e é deficitário mesmo sobre a superfície. O eixo da Assis Brasil com certeza transportaria menos que isso. Não é viável.

          Curtir

          • Estou tirando dos estudos que foram feitos sobre isso, do extinto escritório criado para o metrô. A imprensa noticiava na época 1 milhao de passageiros por dia. O trensurb é deficitário porque ele é feito para ser assim. A tarifa é subsidiada.

            Encontrei uma estimativa de 300 mil passageiros/dia ( https://www.mobilize.org.br/noticias/5223/porto-alegre-projeta-a-linha-1-do-metro-e-sonha-com-a-linha-2.html) que, embora ainda longe do 1 milhão que falei, é quase o dobro dos teus 170 mil.

            Se o metrô fosse inviável, a prefeitura não teria feitos tantos estudos para isso e nem teria conseguido verba do governo federal, que foi perdida. Faltou articulação entre as três esferas do governo. Ainda acredito que o metrô deve sair em algum dia, mesmo que tu não queira.

            Curtir

          • Uma obra não precisa ser viável para ser feita e poder superfaturá-la para que políticos ganhem dinheiro com isso. Acho que esse foi o principal motivo da ideia do metrô, porque viável economicamente ele não é mesmo.

            Curtir

    • Não ter metrô em POA é um absurdo, assim como qualquer cidade BR com mais de um milhão de habitantes.

      E a minha preocupação é a falta de organização para ter um metro em POA. Cidades grandes europeias tocam projetos de 10-15 anos até um metrô estar pronto. Isso significa que nos próximos 15 anos não haverá metrô em POA.

      Praga, uma cidade menor que Porto Alegre, tem 3 linhas de metrô, começou a construir a quarta e tem projeto para daqui 10 anos trazer até o centro, de modo subterraneo é claro, os trens que vao para a região metropolitana.

      Curtir

  3. porque não fecharam com a marcopolo pra toca a industria aqui no sul? não entendo porque encheram o estado de corolla e não prisma.. o pagamento podia ser em substituição de imposto, grana que entra pra giro de caixa fácil

    Curtir

    • Porque não é assim que funciona, existe licitação e a Marcopolo provavelmente perdeu.

      Curtir

    • Entre isso e compras viciadas com troca de favores existe um linha bem estreita.
      Fora o passivo juridico milionário que o estado e prefeitura tomariam em um futuro breve por parte dos nao envolvidos nessa relação de compras “beneficas”

      Curtir

  4. piso alto, motor dianteiro, cambio manual…

    baita compra em

    Curtir

    • OBS metade dos funcionários da carris nao podem dirigir onibus manual por doenças profissionais causadas pelos mesmos

      Curtir

      • Interessante Thierry em geral cambio automatico é uma inovação deve ter de uns 20 anos para cá antes era tudo manual,eu como usuario de onibus e curioso uma vez,já faz tempo peguei um onibus da Carris novinho e o cambio er automatico mas parecia que o veiculo não rendia ai perguntei para o motora se o veiculo era bom e ele me disse que havia um descompasso entre a caixa automatica e o motor ou seja um dos dois não prestava. Não tenho ideia de preços talvez a caixa manual seja mais barata e dê menos problemas. Agora uma coisa é certa nem todos motoristas cuidam dos onibus como deveriam e nem todas as manutenções são feitas como deveriam. Há 35 anos quando fui para Montevideo pela primeira vez eu vi rodando onibus Leyland dos anos 60,claro era um veiculo sem acessibilidade mas andava e bem,com o tempo foram substituidos provavelmente pelo consumo,mas como já comentei não existe planejamento de um onibus eficiente com custo razoavel e ainda mais na carris que é publica e ganha a concorrência quem fizer o menor preço segundo as especificações do edital. Imaginem se no edital pedisse piso baixo,acessibilidade sem elevador motor e cambio automatico apropriado quanto custaria o onibus;

        Curtir

      • sem querer ser chato, mas é gramaticalmente errado usar ” o mesmo” como pronome relativo.

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: