Sebastião Melo foi empossado como prefeito de Porto Alegre até 2024

Transmissão de cargo foi realizada no Largo Glênio Peres.
Foto: Anselmo Cunha/PMPA

No final da tarde desta sexta-feira (1º), o recém-empossado prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), foi recepcionado pelo seu antecessor Nelson Marchezan Júnior (PSDB). O ato de transmissão de cargo para a gestão 2021-2024 foi realizado no Largo Glênio Peres (Centro Histórico), e contou com a participação do novo vice, Ricardo Gomes (DEM), em um cerimônia restrita devido à pandemia de coronavírus.

No mesmo evento, foram empossados os titulares de cada Secretaria Municipal da capital gaúcha. O evento foi realizado em espaço aberto de 1,2 mil metros quadrados, com medição de temperatura na entrada, distanciamento entre as cadeiras, recomendação de não haver cumprimentos, disposição de álcool, máscaras e higienização de microfones. Os convidados ficaram restritos a poucas autoridades.

Mais cedo, às 15h, Melo e Gomes, assim como os 36 vereadores eleitos (ou reeleitos) haviam tomado posse em uma solenidade especial na Câmara Municipal, também no Centro Histórico.

Discurso

Em sua fala, Melo relembrou os tempos em que chegou à Porto Alegre, na segunda metade da década de 1970, “com vontade de vencer na vida”. A trajetória incluiu memórias sobre a sua passagem pela casa do estudante secundarista, os três mandatos de vereador e a vitória nas urnas em novembro passado. “Eu tenho  muita consciência das responsabilidades e desafios”, ressaltou. “A cidade tem problemas, mas temos que enfrentar com soluções urbanas.”

Saúde, diálogo, desenvolvimento e liberdade econômica, reforma da previdência, inovação tecnológica foram alguns temas da fala de Sebastião Melo. Ele também se manifestou sobre a pandemia. Para o emedebista, a vacina contra o coronavírus é uma conquista e o governo federal disponibilizará o imunizante à população.

“Mas, que se não houver movimentação nesse sentido, os municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre devem se unir e formar um consórcio para a compra do medicamento”, ressalvou. “Se o governo federal não der sinais claros, vamos fazer um consórcio metropolitano para comprar a vacina. A vida em primeiro lugar”.

Ele também defendeu o liberalismo econômico e a desburocratização para a abertura de negócios, além da ação por meio de políticas de proteção social.

Secretários

Em uma lista de nomes anunciada nas últimas duas semanas de dezembro, Sebastião Melo terá em seu primeiro escalão de governo os seguintes secretários municipais:

• Saúde: Mauro Sparta;
• Educação: Janaína Audino;
• Cultura: Gunter Axt;
• Segurança: Mário Ikeda;
• Desenvolvimento Social: Léo Voigt;
• Desenvolvimento Econômico: Ricardo Gomes;
• Parcerias Estratégicas: Ana Pellini;
• Enfrentamento do coronavírus: Renato Ramalho;
• Fazenda: Rodrigo Sartori Fantinel;
• Obras: Pablo Mendes Ribeiro;
• Habitação e Regularização Fundiária: André Machado;
• Administração: André Barbosa;
• Serviços Urbanos: Marcos Felipi Garcia;
• Coordenação Política e Relações Comunitárias: Cássio Trogildo;
• Planejamento e Assuntos Estratégicos: Cezar Schirmer;
• Meio Ambiente: Germano Bremm;
• Mobilidade Urbana: Luiz Fernando Záchia;
• Transparência: Gustavo Ferenci;
• Inovação: Fernando Mattos;
• Procuradoria Geral do Município: Roberto Silva da Rocha;
• Comunicação: Flavio Dutra.

Trajetória

Advogado, Sebastião Melo tem 62 anos, nasceu em Piracanjuba (GO) e está radicado em Porto Alegre desde 1978. É casado com Valéria e tem dois filhos: Pablo e João Artur. A sua trajetória em cargos eletivos começou em 2000, quando se elegeu vereador da capital gaúcha, repetindo a dose em 2004 e 2008 – ele presidiu a Casa em 2008-2009.

Foi também vice-prefeito na segunda gestão do então pedetista José Fortunati (2013-2016). Em seguida, concorreu ao comando do Executivo da capital gaúcha, sendo derrotado no segundo turno por Nelson Marchezan Júnior (PSDB). Já em 2018, conquistou o seu primeiro mandato como deputado estadual, ao qual renunciou em dezembro passado, já como prefeito eleito.

Concorrendo pela coligação “Estamos Juntos Por Porto Alegre”(MDB, DEM, PRTB, Cidadania, Solidariedade, PTC e DC), Melo obteve venceu Manuela D’Ávila (PCdoB) nos dois turnos do pleito municipal de 2020, sendo que no segundo obteve 54,63% dos votos válidos.

(Marcello Campos)

Jornal O Sul

O nome completo do novo prefeito é Sebastião de Araújo Melo.



Categorias:Outros assuntos

4 respostas

  1. CANABRAVA NELES!!!

    Curtir

  2. Sinceramente,não tenho a menor ideia do tamanho da maquina publica na gestão do Junior,mas do jeito que se consolidou este governo municipal,tenho a certeza que fomos enrolados,claro com a Nanuela haveria outras secretarias que não foram listadas,mas me atrevo a dizer que não seria diferente. Isto me lembra do escritorio ou secretaria especial do metro que foi criada,criaram um orgão publico para gerir um projeto natimorto mas muita gente aplaudiu. Até hoje tem gente se ilude com metro em Porto Alegre,talvez daqui a 100 anos aconteça,mas fazer o que quem não tem dinheiro tem de se contentar em viver em seu barraco e pagar imposto para manter uma burocracia faraonica,pois não pode ir para outro local.

    Curtir

  3. PS: algumas das principais cidades do mundo estão mudando para o voto ranqueado, onde os eleitores escolhem o seu primeiro candidato assim como a segunda, terceira, quarta opção, sem precisar de segundo turno. Isso possibilita os eleitores a votarem na sua primeira opção. Caso nenhum candidato alcançar 50% os votos são distribuídos para os candidatos restantes.

    Mais simplicidade, menos burocracia, menos custo (segundo turno)

    Curtir

  4. O mal uso do dinheiro público em um artigo!

    Precisamos de 36 vereadores? Poderia se fazer a mesma coisa com 12 e manter a representação das diferentes regiões e interesses da cidade.
    Precisamos de 21 secretarias? 5 ou 6 estariam de bom tamanho.
    Provavelmente a mesma lógica poderia se aplicar para os demais cargos, regalias, cc’s.

    Com o dinheiro restante, pagar melhor os professores e qualificar o ensino público. Povo inteligente gera mais negócios, mais renda, consequentemente mais impostos. Ai se qualifica segurança, saude, infraestrutura

    Curtir

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: