SAC autoriza licitação de projetos para construção de novo aeroporto na Serra Gaúcha

A Secretaria Nacional de Aviação Civil do Ministério da Infraestrutura (SAC/MInfra) autorizou o município de Caxias do Sul/RS a realizar licitação para contratação do projeto de construção do novo Aeroporto Regional da Serra Gaúcha, no distrito de Vila Oliva. A região é atendida atualmente pelo Aeroporto Hugo Cantergiani, que terá sua operação encerrada quando da nova infraestrutura disponibilizada à população. O investimento é resultado de Termo de Compromisso celebrado entre o MInfra e o município.

Projeto do Aeroporto Regional da Serra Gaúcha, que ficará no distrito de Vila Oliva

Nessa primeira etapa de execução, referente à contratação dos projetos básico e executivo, o valor estimado é de R$ 2,27 milhões e tem por referência os estudos de viabilidade técnica e anteprojeto já elaborados pela SAC. Os projetos serão feitos contemplando a metodologia de construção inteligente denominada BIM, na sigla em inglês, que é a “Modelagem da Informação da Construção”.

O Plano de Trabalho do instrumento celebrado prevê também a execução das obras, totalizando recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC) do Governo Federal da ordem de R$ 200 milhões. A contrapartida do município é a realização de obras complementares externas ao novo aeroporto, como ajustes e novas vias de acesso, assim como referentes às desapropriações necessárias. Após a conclusão e aprovação dos projetos básico e executivo é que será possível definir os valores finais das obras, assim como seu prazo de execução.

CAPACIDADE DE OPERAÇÃO

O aeródromo ficará situado em uma área de 445 hectares no distrito de Vila Oliva, atendendo a 53 municípios. Terá capacidade de operação para aeronaves do porte do Boeing 737-800, terminal de passageiros de 4,7 mil metros quadrados e 500 vagas de veículos, Seção Contraincêndio (SCI) e Estação Prestadora de Serviços de Telecomunicações e Tráfego Aéreo (EPTA). Operará ainda com um pátio de aeronaves com 26 mil metros quadrados (8 posições de aeronaves) e uma pista de pouso e decolagem com 1.930 metros de comprimento e 45 metros de largura. Os projetos e obras já contam com Licença Prévia emitida pelo Estado do Rio Grande do Sul (FEPAM), com base nos estudos ambientais elaborados pela SAC (EIA/RIMA) e realização de audiências públicas.

O edital deve ser publicado pelo município nas próximas semanas. “A autorização de continuidade dos projetos é etapa importantíssima para a Serra Gaúcha e será, sem dúvida, um marco para o desenvolvimento econômico da região, com destaque para o turismo. Será o maior investimento do ministério num único aeroporto. No país todo, o investimento do Governo Federal na aviação regional, desde 2019, vai chegar a R$ 1 bilhão neste ano”, disse o diretor de Investimentos da SAC/MInfra, Eduardo Bernardi.

Mercado e Eventos



Categorias:Aeroporto Regional da Serra Gaúcha

Tags:

10 respostas

  1. Só 1.930 metros de comprimento??? Primeiro voo em 2030??? E o impacto ambiental???

    Curtir

  2. Seguidamente vou ao interior de Caxias do Sul, na região deste novo aeroporto (mais precisamente, Santa Lúcia do Piaí).
    Acho importante ressaltar os trabalhos que as prefeituras de Caxias, Gramado e Canela vêm fazendo, independente das obras federais.
    1) Licenciamento ambiental está completo e aprovado.
    2) a área gigantesca que vai receber o aeroporto já está desapropriada e os proprietários estão sendo devidamente indenizados
    3) a Prefeitura de Canela alargou toda a estrada de terra que liga a Vila Oliva (distrito sede do novo aeroporto) afim de trabalhar o asfaltamento num futuro próximo.
    3) A prefeitura de Gramado está já traçando estratégias para a ligação com o novo aeroporto, sendo a mais importante o estudo de uma nova ponte que fará a ligação com Vila Oliva sobre o rio Caí (ponte do Raposo). 4) Caxias asfaltou cerca de 35km ligando a Rota do Sol, em Fazenda Souza, até Vila Oliva
    5) Caxias Também asfaltou 25km de estrada entre a BR 116 (vila Cristina) até Santa Lúcia do Piaí.
    6) Ainda em Caixas está sendo feito o asfalto ligando Santa Lúcia do Piaí até. Vila Oliva.

    São obras que não são divulgadas fora da comunidade, mas que tem grande importância para ela (escoamento de produção e turismo). Lembro que tudo isso ocorre em região de mata atlântica e relevo bastante acidentado, o que torna todo o processo mais complicado e oneroso.

    Quem tiver um tempo, aconselho a passear de carro (ou bicicleta) por essa região. ´São locais de lindas paisagens e gente acolhedora.

    Curtir

    • Obrigado por nos atualizar. De fato, faz todo o sentido esse novo aeroporto ser ligado a Gramado e Canela, que geograficamente estão muito próximas. Parabéns às prefeituras da região, que fazem um trabalho sério há muitos anos.
      Em paralelo, esse novo aeroporto vai alavancar o turismo nos campos de cima da serra e no Itaimbezinho especialmente. Estou torcendo para que a empresa que ganhou a concessão busque o asfaltamento do acesso ao parque. Estive lá esse ano e a estrada de Cambará ao Parque dos Aparados é uma vergonha.

      Curtir

      • Muitas vezes, por vivermos perto (ou dentro) da capital, não temos acesso às informações do que acontece no interior, em parte por que não buscá-las e em parte por que a mídia não se interessa em divulgar (a menos que se fale de tragédias). Por outro lado, mesmo no interior do Estado as pessoas são saturadas diariamente pelo que passa na capital – basta tomarmos o futebol como exemplo prático, onde a dupla grenal impera nos meios de comunicação.
        Esta região de “colônias” na divisa entre Caxias/Canela/Nova Petrópolis/Gramado é uma das maiores produtoras do sul do Brasil de hortifrutigranjeiros, além de ser cenário de belas paisagens naturais e artificiais. Existem rios e cascatas de águas cristalinas. Existem casarões maravilhosos de pedras, de madeira ou tipo “enxaimel” que nos fazem voltar no tempo e aprender como os imigrantes trouxeram parte de sua cultura arquitetônica para cá.
        Com o asfalto que a passos largos está chegando, o turismo vem se incrementando, mesmo sem aeroporto nenhum, Me impressiona as caravanas de motociclistas que cruzo pelo caminho quando me desloco por essa região. Também muitos cliclistas se aventuram pelas estradas sinuosas ao borde dos vales. Coisa que jamais vi quando não havia asfalto.
        Claro que o asfalto traz progresso e o progresso traz muita coisa negativa também. Mas a população local está contente, de maneira geral. Pela primeira vez estão sendo notados como comunidade acessível e estruturada e não apenas como folclóricos descendentes de imigrantes com sotaque engraçado. Pela primeira vez estas comunidades começam a ser notadas e valorizadas pelo seu tempo presente e não apenas pela carga histórica de seus antepassados.
        Isto incentiva às novas gerações a valorizar seu local de origem e não abandonar a zona rural em direção ao ambiente urbano, geralmente mais estruturado e com melhores oportunidades (como é muito comum acontecer em vários lugares).
        O interior de nosso Estado é maravilhoso e merece também receber atenção com infraestrutura e citastes um exemplo muito claro do descaso do Poder Público com o interior – os caminhos que cruzam a região dos canions realmente são vergonhosos, apesar do potencial maravilhoso desta região.

        Curtir

  3. Não entendo de projetos de infra estrutura, nem é minha área de atuação profissional. Mas esta pista não poderia já ser um pouco maior? A pujança econômica da serra, com grande produção industrial na área de metalmecânica e agroindústria, não teria demanda para escoar a produção por via aérea?

    Curtir

    • Pensei o mesmo. Apenas 1.930m ? Total falta de visão de possibilidades.
      A não ser que queiram priorizar o Salgado Filho para cargas em todo o estado. Pode ser isso. Até uma certa pressão da Fraport pode ter acontecido para não concorrer com o SF futuramente.

      Curtido por 1 pessoa

      • Provavelmente é uma questão de custos. Como nesse momento será necessário construir toda a infraestrutura do aeroporto, constrói-se uma pista menor porém operacional. Futuramente vai se expandindo.

        É como na duplicação recente da RS118. Não há nenhuma passarela na rodovia, porém estão para ser licitadas e construídas em breve.

        Curtir

        • Já que a RS118 foi mencionada, não entendo como não previram um viaduto no acesso para a RS030… Aquela intersecção é muito perigosa.

          Curtir

    • É só para a licitação, espera que ainda vai tem um monte de aditivos, incluindo aumento da pista.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: