Aeroporto de Porto Alegre estreia operações do novo Terminal de Cargas

Imagem: Fraport Brasil

Mais uma obra capitaneada pela Fraport Brasil – Porto Alegre foi entregue ao estado do Rio Grande do Sul. Na última segunda-feira, dia 26 de julho, o novo TECA Internacional (Terminal de Cargas) do Porto Alegre Airport entrou em operação.

Com 10.559 m², o empreendimento oferece maior capacidade de processamento de cargas, tanto para a importação, quanto para a exportação, aumentando de 35 mil para até 100 mil toneladas ao ano.

O projeto foi executado pela A.Yoshii Engenharia, empresa com mais de 55 anos de
atuação no mercado. Os trabalhos iniciaram em junho de 2020 e geraram mais de 300 empregos diretos. O investimento foi de cerca de R$ 50 milhões.

Esta obra integra os investimentos em melhoria do sítio aeroportuário conduzidos pela Fraport Brasil – Porto Alegre, à frente das operações do aeroporto desde janeiro de O novo TECA Internacional não faz parte das obrigações do contrato de
concessão com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

“A Fraport Brasil decidiu investir em um novo Terminal de Cargas Internacional por acreditar no potencial econômico do Rio Grande do Sul. Com instalações mais modernas e com maior capacidade de processamento, o TECA se torna referência e abre espaço para que mais empresas e indústrias optem pelo modal aéreo no momento de exportar ou importar”, explica Andreea Pal, CEO da Fraport Brasil.

Hoje, os principais tipos de cargas que passam pelo Terminal são: metal mecânico,
eletrônicos, ferramentas, medicamentos, têxtil, couro, máquinas e equipamentos,
perecíveis, automotiva, polímeros, animais vivos, agropecuária, hospitalar, alimentícios e cargas perigosas de todas as classes embarcadas em aeronaves.

Novo complexo

O complexo possui área de movimentação de caminhões com espera para 10 veículos, 587 vagas de estacionamento, 11 espaços locáveis, escritórios de órgãos públicos e 17 docas, sendo nove para atividades de importação e outras oito dedicadas à exportação.

Estruturas complementares como subestação elétrica, estação de tratamento de esgoto, casa de bombas, depósito de resíduos, espaço para recarga e abastecimento de empilhadeiras e guarita para controle de acesso também foram construídas.

“Além de oferecer espaços mais qualificados para a armazenagem, com novas câmaras frigoríficas e um novo armazém para cargas perigosas, o TECA também possui uma estrutura que suporta a operação administrativa dispondo de diversos espaços para locação. O projeto arquitetônico e soluções aplicadas permitem maior verticalização de produtos, com ganhos de capacidade de processamento”, afirma Sabine Trenk, COO da Fraport Brasil.

O armazém de importação (3.398 m²), o armazém de exportação (3.012 m²), o complexo de câmaras frigoríficas (388 m³) e o armazém de cargas perigosas (300 m²) completam a infraestrutura do Terminal. Localizado na avenida Severo Dullius, 800, bairro São João, o Terminal funciona 24h para as operações de importação e exportação.

Da concepção à construção, muitas soluções de engenharia foram utilizadas para um aproveitamento mais adequado de recursos, como a cobertura do galpão principal, em que foram utilizadas ‘joists’ – uma espécie de viga – na solução a fim de reduzir o peso da estrutura e ganhar maiores vãos livres, o que facilita o uso do espaço interno para cargas.

Participar de um projeto tão relevante e que contribuirá com a logística e o desenvolvimento econômico do estado é um motivo de muito orgulho para a A.Yoshii Engenharia. Um projeto desafiador, desde a sua concepção e particularidades para execução dentro de um ambiente aeroportuário, este Terminal de Cargas torna-se uma obra de referência também dentro do nosso Grupo. Agradecemos à Fraport Brasil pela oportunidade e pela parceria em todas as etapas de desenvolvimento da construção do novo Terminal de Cargas Internacional do Aeroporto de Porto Alegre”, afirma Leonardo Yoshii, CEO do Grupo A.Yoshii.

Aeroin – 30/07/2021



Categorias:Aeroporto Internacional Salgado Filho

Tags:, ,

4 respostas

  1. Com a quantidade de investimento que a Franport esta jogando no SF, investindo até alem do que lhe foi exigido, se pode ver que o SF estava sucateado de propósito, que daria muitos anos de lucro ainda e que tinha potencial para muito melhor uso do que o qual se fazia.

    Os indicios estavam ai:

    Desejo de poiliticos de criar um novo aeroporto na região metropolitana
    Politica de ampliação minguada com puxadinhos no SF
    Não aumento do estacionamento, haviam varias empresas como INDIGO, que queriam construir novo edficio garagem “de graça” em troca da concessao
    Pressão da área de construção civil dizendo que o SF impedia o aumento do tamanho dos prédios em POA…

    Hoje da pra afirmar com certeza que o melhor aproveitamento do SF ocorreu apenas por questões de politicagem.

    Curtir

  2. Posso estar errado mas com o sucateamento da infraero estava ocorrendo, desde sempre eu acho, uma cultura de puxadinhos no nosso aeroporto.

    O terminal de cargas de primeira era o proprio terminal SF antigo sendo redestinado como de cargas (puxadinho de cargas), depois se usou o terminal atigo como área de embarque novamente, de forma meio precaria (reinvançao do puxadinho) e se faz um terminal de cargas novo, que foi inclusive noticiado e elogiado na epoca.

    Quando se fez as novas áreas de embarque do SF no lugar dos cinemas, se fez apenas um anexo ao predio atual, com caracteristicas diferentes do padrao usado ate entao e até diferença de nivel no solo entre os mesmos andares.

    A ampliaçao que nunca ocorreu era uma emenda a mais do lado do puxadinho feito nos cinemas…

    Fora que as salas de embarque 11 e 12 (eu acho) eram tambem umas salas de espera no terreo sem acesso direto as aeronaves, construido no local da área terrea de logistia (outro puxadinho). Esse tipo se repetia pelos aeroportos de todo o pais mas ja vi fora ocorrer na europa tb.

    Em fim, o “novo” terminal de cargas construido a uma decada aparentemente ja estava superado, visto que se fez um novo mais uma vez.

    A cultura da nova concessionária de construir ao lado do terminal de passageiros um terminal novo e ai reformar o antigo é louvavel, um terminal de cargas novo significa competitividade para a economia e o próprio aeroporto.

    Franfort nao veio pra brincar, nao veio para ficar reclamando de prejuizos acumulados e obrigações de investimentos, veio para fazer seu padrão de serviços acontecer e cobrar lucrando com isso. Algo bem diferente dos consorcios privados BR, operado pelos mesmos amigos de politicos alinhados com todos lados de esquerda direita e centreo, que assumiram outros aeroportos brasileiros, administram pior que a infraero fazia e ainda acumulam prejuizos e ficam pedindo ajudinha pro governo federal e reclamando da necessidade de investimento.

    Curtir

  3. Porto Alegre pronta para uma nova era, acordamos gente! Bom demais avançarmos sem a minoria que nos deixou no atraso, que pensava somente nela, raivosa….vamos em frente poa, merecemos uma cidade que pensa para frente

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: