Região Metropolitana

Porto Alegre é o centro de uma vasta região metropolitana composta por 34 municípios do estado do Rio Grande do Sul em intenso processo de conurbação. O termo refere-se à extensão da capital Porto Alegre, formando com seus municípios lindeiros uma mancha urbana contínua. Inclui também os chamados Vale dos Sinos e Vale do Paranhana.

Região Metropolitana de Porto Alegre – vista panorâmica parcial
Foto: © Rogério Penna

A Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) foi constituída legalmente com base na Constituição Federal de 1967 (art. 157, §10) e Emenda Constitucional de 1969 (art. 164) que permitiram mediante lei complementar o estabelecimento das primeiras regiões metropolitanas brasileiras. Estas regiões foram caracterizadas como um conjunto de municípios de uma mesma comunidade socioeconômica que, independente de sua vinculação administrativa, visavam à realização de serviços públicos de interesse comum.

A RMPA foi instituída formalmente através da Lei Complementar Federal 14 de 08/06/1973, integrando 14 municípios: Alvorada, Cachoeirinha, Campo Bom, Canoas, Estância Velha, Esteio, Gravataí, Guaíba, Novo Hamburgo, Porto Alegre, São Leopoldo, Sapiranga, Sapucaia do Sul e Viamão. Sendo Porto Alegre, o município mais antigo desta configuração, uma das quatro primeiras cidades do estado (1809) e capital do Rio Grande do Sul, o município sede da região.

Situada na zona nordeste do estado do Rio Grande do Sul, a RMPA ocupa uma área territorial de 10.345,45 Km², correspondente a 3,67% da superfície total do estado. Em sua configuração institucional conta atualmente com 34 municípios, 20 deles acrescidos após a Constituição Estadual de 1989, quando foram incorporados 8 novos municípios à área metropolitana. Entre as inclusões de 1989 estavam 3 municípios (Eldorado do Sul, Glorinha e Nova Hartz) que foram criados a partir de desmembramentos e emancipações de territórios de municípios já pertencentes à configuração original de 1973 (Guaíba, Gravataí e Sapiranga), área territorial que havia sido excluída da RMPA por conta destas emancipações em 1988. O município de Parobé também incorporado à região metropolitana em 1989 foi criado em 1982 a partir do desmembramento territorial do município de Taquara, que também passou a constituir o território metropolitano em 1999.

Na década de 90 mais 6 municípios foram incorporados à área metropolitana: Charqueadas (1994), Araricá (1998), Nova Santa Rita (1998), Montenegro (1999), Taquara (1999) e São Jerônimo (1999). Destacando que Araricá e Nova Santa Rita são municípios criados em 1995 e 1992 a partir de desmembrados territoriais de municípios já pertencentes à configuração metropolitana: Sapiranga, Nova Hartz e Canoas. E o município de Charqueadas incluído na RMPA em 1994 foi criado em 1982 através de parte do município de São Jerônimo, que também passou a fazer parte da área metropolitana em 1999. 

A partir dos anos 2000 foram incorporados novamente mais 6 municípios. Entre os anos 2000 e 2001: Arroio dos Ratos (2000), Santo Antônio da Patrulha (2000) e Capela de Santana (2001).

O município de Capela de Santana foi criado em 1987 a partir do desmembramento de parte dos territórios dos municípios de Portão e Canoas, que já pertenciam ao território metropolitano. E a partir de 2010, foram incluídos: Rolante (2010), Igrejinha (2011) e São Sebastião do Caí em julho de 2012.

As cidades mais populosas são Porto Alegre, Canoas, Gravataí e Novo Hamburgo.

A população total da área é de 4.311.019 milhões de habitantes (estimativa IBGE, 2020) equivalente a 37,6% da população do Estado sendo a maior da região sul e a quarta região metropolitana mais populosa do Brasil – superada pelas regiões metropolitanas de São Paulo (21.734.682 hab.), Rio de Janeiro (12.763.459 hab.) e Belo Horizonte (5.961.895 hab.), respectivamente. Também possui o quarto maior PIB do Brasil e atualmente é a 82ª maior aglomeração urbana do mundo (dados já com os municípios de Rolante, Igrejinha e São Sebastião do Caí incluídos). Há alguns anos, Brasília, fazendo parte da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno, se situaria em quarto lugar (com 4.627.771 hab.), deixando Porto Alegre em quinto lugar entre as maiores aglomerações urbanas do país.

Conforme estimativa de 2018, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a densidade demográfica da RMPA era de 417,31 hab./km². Os municípios com maior densidade, considerando aqueles com mais de 2.000 habitantes por km², eram: Esteio (2.932 hab./km²), Porto Alegre (2.837 hab./km²), Alvorada (2.763 hab./km²), Canoas (2.470 hab./km²), Sapucaia dos Sul (2.233 hab./km²) e São Leopoldo (2.092 hab./km²). E os municípios de menor densidade, considerando aqueles com menos de 50 habitantes por km², eram: Glorinha (21 hab./km²), São Jerônimo (24 hab./km²), Triunfo (31 hab./km²), Arroio dos Ratos (32 hab./km²) e Santo Antônio da Patrulha com 38 habitantes por km².

O IDH da Região Metropolitana é de 0,762 (PNUD-IBGE 2010), considerado alto.


A economia da Região Metropolitana é igualmente grande. Seu PIB está em 179.770.575 bilhões de reais (IBGE, 2017), sendo a 6ª região metropolitana mais desenvolvida no Brasil (após São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Campinas, SP). O PIB per capita está em 41.637,57 reais (IBGE, 2017).

É o principal centro econômico, financeiro, político, cultural, administrativo e de transporte do Estado do Rio Grande do Sul.

sat-rmpa-2015

A Região Metropolitana de Porto Alegre constitui-se numa área estratégica para o desenvolvimento do Estado. Nela encontram-se algumas das maiores e mais importantes empresas do país, como montadora de veículos, pólo petroquímico, indústrias de autopeças, plásticos, alimentícias, etc.


Veja a seguir, as principais cidades que compõem a RMPA e alguns de seus destaques na área econômica, com estimativa de população conforme o IBGE/2020:

CANOAS

Com 348.208 mil habitantes, é a segunda cidade mais populosa da região metropolitana, após Porto Alegre e a quarta do estado. É um dos maiores polos industriais do país, com diversificada indústria.

Possui importantes empresas como: AGCO do Brasil (tratores Massey Fergusson e Maxion), Midea (antiga Springer Carrier – condicionadores de ar), Prolec General Eletric, Siemens, Urano Balanças, Forjasul, MaxiForja, Unifértil Fertilizantes, Yara Fertilizantes, Micheletto, Edlo (a maior fabricante de instrumentos cirúrgicos do país), Recrusul, Kappesberg Móveis e colchões, REFAP – Refinaria Alberto Pasqualini, uma das maiores refinarias da Petrobrás, uma importante universidade – ULBRA – com mais de 30 mil alunos e uma das mais importantes Bases Aéreas Militares do país.

Canoas – Vista aérea parcial – Foto: Prefeitura Municipal de Canoas
Refinaria Alberto Pasqualini – REFAP – Petrobras – Foto: Câmara Municipal Esteio

VIAMÃO

Com 256.302 mil habitantes, até poucos anos considerada cidade-dormitório, Viamão vem atraindo empresas como uma unidade da Ambev (Cervejaria Águas Claras do Sul – fabricante das tradicionais cervejas Brahma e Antarctica), Mu-Mu Alimentos e a Ball Corporation, uma grande multinacional fabricante de latas de alumínio.

Além disso, é sede do Autódromo Internacional de Tarumã, onde se realizam importantes provas de automobilismo.

GRAVATAÍ

Importante centro industrial, possui  283.620 mil habitantes. É sede de uma unidade da General Motors (é considerada a mais moderna montadora de automóveis do mundo) e ainda 17 indústrias sistemistas que fornecem componentes para a GM. Destacam-se também a Dana Incorporated (indústria de autopeças), Metalúrgica Panatlântica, Metalúrgica Wottan, Tecmold (blocos de concreto estruturais), Tintas Renner, Cervejaria Kaiser (que fabrica a Heineken para o Rio Grande do Sul), Prometeon Indústria de Pneus para caminhões, Weg Transformadores, Nutrela (alimentos), Perto S.A. Synteko Produtos Químicos, etc.

Gravataí Foto: Arquivo do Jornal Correio de Gravataí

CACHOEIRINHA

Com 131.240 mil habitantes, é uma das cidades mais desenvolvidas da região. Possui importantes indústrias como a Companhia Souza Cruz, Jimo Química, Parks Comunicações Digitais, Ritter Alimentos, Trafo Equipamentos Elétricos.

Cachoeirinha - Foto: © Daniel Serafim
Cachoeirinha – Foto: © Daniel Serafim

ALVORADA

Com 211.352 mil habitantes, é uma das mais populosas cidades-dormitórios da RMPA, tendo sua economia baseada no comércio e serviços.

TRIUNFO

Uma pequena cidade, 29.856 mil habitantes, porém com o 4º maior PIB do Estado do Rio Grande do Sul e o 4º maior PIB per capita do país, em razão de ser a sede do Polo Petroquímico do Sul (foto abaixo), um dos maiores complexos de indústrias petroquímicas da América Latina, capitaneado pela unidade de Petroquímicos Básicos da Braskem.

Triunfo ainda guarda um dos mais valiosos patrimônios históricos, arquitetônicos e artísticos do RS, com importantes prédios preservados, como a Igreja Bom Jesus, de 1754, a terceira mais antiga do estado.

Imagens de satélite do Polo Petroquímico de Triunfo – Google Earth

NOVA SANTA RITA

Com 29.905 mil habitantes, é sede de uma das maiores e mais modernas fábricas de auto-falantes do mundo, a Harman, da ICL Indústria de Concretos e Cimpor Brasil (Cimbagé), grande indústria de cimento. Além disso, é em Nova Santa Rita que está localizado o VeloPark, o maior parque temático de automobilismo da América Latina.

MONTENEGRO

Fábrica da John Deere em Montenegro - Foto: John Deere
Fábrica da John Deere em Montenegro – Foto: John Deere

Com 65.721 mil habitantes, a cidade possui importantes indústrias, como a Polo (fabricante de plásticos (BOPP), uma unidade da JBS S.A. (antiga Frangosul com avicultura, suinocultura e produtos industrializados, se constituindo uma das maiores unidades produtoras de alimentos do Brasil), a Companhia Brasileira de Cartuchos (maior fábrica de munições do país), a Tanac (indústria química, produtora de estratos tanantes vegetais de acácia-negra e 2ª maior exportadora de madeira do país), a John Deere, com uma grande indústria de tratores e a Masisa, grande fabricante de painéis de MDP.

Montenegro, vista área – Imagem: Prefeitura de Montenegro

SAPUCAIA DO SUL

Com 141.808 mil habitantes, a cidade é sede da maior siderúrgica do Estado, a Gerdau Riograndense. Também é sede de uma importante unidade da Ambev, da Isdralit, Recrusul (líder brasileira na produção de carrocerias e semi-reboques frigoríficos), uma unidade da Basf, White Martins, Quimisa e Paramount Têxteis. Em Sapucaia do Sul é que se encontra o maior zoológico do Estado do Rio Grande do Sul, um dos 5 maiores do país, atualmente em processo de privatização.

Sapucaia do Sul, área central.
Planta da Gerdau Rio-grandense em Sapucaia do Sul. Imagem: Gerdau/Divulgação

ESTEIO

É sede da maior feira agropecuária e de máquinas agrícolas da América Latina (e terceira maior do mundo – foto abaixo) – a Expointer -, que se realiza anualmente em seu grande parque de exposições.

Com 83.279 mil habitantes, a cidade também possui importante pólo industrial, contando com empresas como a Sanremo (plásticos), Bettanin (plásticos), Pincéis Atlas, Cimento Votorantim, Brasilit e DuPont.

Expointer - vista aérea da gigantesca feira em Esteio - Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
Expointer – vista aérea da gigantesca feira em Esteio – Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

ELDORADO DO SUL

Possui 41.902 mil habitantes. É sede de uma das principais fabricas de computadores e softwares do país, a Dell Computers, além de empresas como Éffem, na área de alimentação, a Kimberly Clark Kenko e uma das maiores indústrias do complexo soja do país, a Olvebra.

GLORINHA

Pequeno município com apenas 8.204 mil habitantes, é sede de uma das maiores indústrias de MDF da América Latina, do Grupo ISDRA, a Fibraplac, que responde por quase a metade da arrecadação do município.

Fibraplac – quase a metade da economia do município. Foto: Diagnese/Fibraplac

CHARQUEADAS

Possuindo 41.258 mil habitantes, localiza-se às margens do Rio Jacuí. A cidade é sede de uma grande indústria siderúrgica, a Gerdau Aços Finos Piratini e possui 3 grandes penitenciárias, tornando-a o maior polo deste ramo no RS.

GUAÍBA

De frente para Porto Alegre, do outro lado do Lago Guaíba, a cidade possui 98.239 mil habitantes. É sede de uma das maiores indústrias de papel e celulose da América Latina, a Celulose Riograndense, do grupo chileno CMPC.

Também estão localizadas aí uma das mais importantes indústrias de elevadores do país, a ThyssenKrupp Elevadores e também um grande centro de distribuição de automóveis da Toyota.

Celulose Riograndense – CMPC – Fábrica de papel e celulose. Imagem: CMPC

O VALE DO RIO DOS SINOS

O Vale do Rio dos Sinos é formado por diversas cidades, dentro da área metropolitana, como Novo Hamburgo, São Leopoldo, Parobé, Campo Bom, Sapiranga, Estância Velha, Nova Hartz, Portão, etc.

Região formada por população de descendência alemã, o Vale do Sinos é um dos maiores pólos da indústria de calçados do mundo. Tendo Novo Hamburgo como centro, esta região ainda detém em torno de 60% da indústria de componentes do calçado e 80% da indústria brasileira de máquinas para couros e calçados.

O Vale do Sinos é especializado na fabricação de calçados femininos de couro, mas também é importante na fabricação de calçados de materiais alternativos como o plástico.

Também é o maior polo exportador de calçados do país e o que concentra as maiores empresas na área.

São exemplos de indústrias de calçados do Vale do Rio dos Sinos: Calçados Azaléia, Calçados Bibi, Calçados Beira Rio, Calçados Dilly, Dakota, Grendene, Carnella, Musa Calçados, Disport do Brasil, Crislli, Arezzo, Dal Ponte, Fasolo, West Coast, etc.

NOVO HAMBURGO

Novo Hamburgo - Foto: © Rogério Penna
Novo Hamburgo – Foto: © Rogério Penna
Novo Hamburgo. Print vídeo Drone 4 Drone

Principal cidade do Vale do Sinos, possui 247.032 mil habitantes. A economia de Novo Hamburgo nasceu e cresceu com a indústria do calçado.

O desenvolvimento foi rápido, constante e organizado, sendo reconhecida como a Capital Nacional do Calçado. Em função disso, surgiu o chamado setor coureiro-calçadista composto por curtumes, indústrias químicas, componentes para calçados, indústria metalúrgica e componentes eletrônicos.

Há destaque ainda para o setor plástico e o metal-mecânico que começam a ocupar uma fatia cada vez maior na economia do Município.

Em Novo Hamburgo promove-se anualmente uma das mais importantes feiras do setor calçadista: a FENAC – Feira Internacional de Calçados e Artefatos de Couro. O evento vem sendo realizado desde 1961 e, além de projetar a cidade internacionalmente, tem divulgado o potencial de nossa indústria calçadista.

O parque de exposições da Fenac S/A conta com 8 pavilhões climatizados, construídos numa área de 25.000 m², salão de convenções e palestras, restaurante panorâmico, lancherias, hotel e quadras de tênis.

SÃO LEOPOLDO

Importante cidade do vale do Rio dos Sinos, com 238.648 mil habitantes. Possui uma grande universidade, a UNISINOS, com mais de 30 mil alunos. São exemplos de grandes empresas de São Leopoldo a Stihl Motosserras, a Gedore do Brasil, a Altus (automação industrial), a Taurus (maior fábrica latino-americana de armas para caça, porte e esporte) e a Duratex.

Além disso, São Leopoldo é sede de um dos mais importantes aeroclubes do país, formando pilotos comerciais para as grandes empresas aéreas.

Está em desenvolvimento na cidade atualmente, o Parque Tecnológico de São Leopoldo, na Universidade do Rio dos Sinos (Tecnosinos), com diversas empresas. São exemplos de empresas de tecnologia já instaladas no polo: HCL Brasil, SAP, Softtek, Altus, Ska, e recebeu em 2010 uma importante fábrica de semicondutores da HT Micron, associação da gaúcha Altus e da sul coreana Hana Micron.

São Leopoldo – Foto: Divulgação/Trensurb S. A.
São Leopoldo. Foto: Divulgação/FoxPress

CAMPO BOM

Com 69.458 mil habitantes, é uma importante cidade industrial, integrante do Vale do Sinos. Sua economia é baseada também na produção e comercialização de calçados. Possui importantes empresas, como a Arezzo e a Artecola Indústrias Químicas.

Em Campo Bom foi construída a primeira ciclovia da América Latina, servindo de modelo para vários municípios no Rio Grande do Sul e no Brasil. Atualmente possui 18 mil metros.

Campo Bom. Print Vídeo Nelisat Drones.

PAROBÉ

Importante pólo industrial, é sede da Calçados Azaléa e da Calçados Bibi. Possui 58.858 mil habitantes. Sua economia é baseada também na produção e comercialização de calçados.

IVOTI

Chamada de Cidade das Flores, é o mais importante pólo de cultivo de flores do Rio Grande do Sul. Sua população é de 24.690 mil habitantes. Sede da Calçados Dilly, Calçados West Coast, Calçados Malu, etc., também é importante pólo calçadista.

PORTÃO

É importante centro industrial coureiro-calçadista, contando também com indústrias químicas e de borracha, destacando-se nesta área na economia do estado. Possui 37.561 mil habitantes.

SAPIRANGA

Com 80.037 mil habitantes, a cidade é sede de importantes empresas, como Calçados Paquetá, Calçados Myrabel, Calçados Orquídea, etc. Sua economia é baseada na produção e comercialização de calçados.

Um dos principais atrativos da cidade é o Morro Ferrabraz, a principal pista de vôo livre do Rio Grande do Sul, famosa internacionalmente.

Sapiranga. Foto: Prefeitura Municipal de Sapiranga

ROLANTE

É a 32ª cidade a fazer parte da Região Metropolitana de Porto Alegre (em 2010), situando-se há 95 km da capital.

É uma cidade com razoável industrialização, e com importante produção agropecuária. Veja mais detalhes sobre a cidade aqui em breve.  Possui 21.453 mil habitantes.

Rolante. Print vídeo Josiel Teixeira

IGREJINHA

Há 83 Km de Porto Alegre, é a 33ª cidade a fazer parte da Região Metropolitana de Porto Alegre, conforme lei aprovada na Assembleia Legislativa e sancionada pelo governador Tarso Genro em dezembro de 2011.

Como em toda a região do vale do Rio dos Sinos, a cidade tem uma economia principalmente voltada à produção de calçados; mas conta também com um forte setor de serviços e comércio. A cidade possui 37.340 mil habitantes.

POPULAÇÃO E PIB DOS MUNICÍPIOS DA RMPA

Clique para ampliar.
População: estimativa 2020, IBGE.
PIB: referente a 2017, IBGE.

O METRÔ DE SUPERFÍCIE DA RMPA (TRENSURB S.A.)

Interligando as cidades do eixo norte, de Porto Alegre até Novo Hamburgo, a região conta com um importante sistema de metrô de superfície.

O Metrô de Porto Alegre é operado pelo governo federal brasileiro através da empresa Trensurb (Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A.) e possui 22 estações, totalizando 43,4 km de extensão. Transporta cerca de 228 mil usuários por dia. De acordo com a Trensurb, o município de Canoas representa 60% dos usuários desse tipo de transporte.

Ao sistema metroviário projeta-se a adição de mais dois modos: o aeromóvel e o trem subterrâneo. O aeromóvel já tem uma linha inaugurada ligando a estação aeroporto do Trensurb ao terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Salgado Filho.

Em Canoas, há um projeto para o rebaixamento dos trilhos no centro da cidade. Vale destacar que Canoas, a terceira maior cidade do estado e a segunda da região metropolitana de Porto Alegre em população, é cortada ao meio duas vezes, uma pela BR-116 e outra pelos trilhos da Trensurb. O rebaixamento dos trilhos deve ocorrer apenas na região central, visando revitalizar o centro da cidade responsável pela segunda maior economia do estado.

Outro projeto de expansão é uma extensão entre os municípios de Novo Hamburgo, Campo Bom e Sapiranga, mas esta obra ainda não tem previsão de data, alternativas de itinerário, localização das estações e definição da tecnologia ideal para ser usada; estando ainda em planejamento.

A RODOVIA BR – 116

A maior parte das cidades da região metropolitana são interligadas por importante estrada federal, a BR-116. O trecho norte desta via, entre Porto Alegre e Novo Hamburgo, se constitui no 2º trecho mais movimentado do Brasil (o 1º é a Via Dutra, que liga o Rio de Janeiro a São Paulo).

BR-116, no Município de Novo Hamburgo. Ao fundo, o centro de São Leopoldo - Foto: © Gilberto Simon
BR-116, no Município de Novo Hamburgo. Ao fundo, o centro de São Leopoldo – Foto: © Gilberto Simon

Os dados populacionais são estimativas e refletem a população no ano de 2020 divulgados pelo IBGE.

Parte do texto foi retirado do estudo “Caracterização da Região Metropolitana de Porto Alegre”, de Cristina Maria dos Reis Martins. Porto Alegre, janeiro de 2013 e também da Wikipédia.

PÁGINA ATUALIZADA EM 02/09/2021.

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: