Moradores do Cristal não querem mudanças no traçado do bairro

Limites oficiais do bairro Cristal. Fonte: mapa de bairros da prefeitura de Porto Alegre

Limites oficiais do bairro Cristal. Fonte: mapa de bairros da prefeitura de Porto Alegre

A comunidade do Bairro Cristal, localizado na zona sul de Porto Alegre, contesta o novo traçado que delimita a sua área territorial. Reunidos na noite desta terça-feira (1/6) na Sociedade Amigos do Cristal, os moradores explicaram aos integrantes da Comissão de Urbanização, Transporte e Habitação (Cuthab) da Câmara Municipal os motivos pelos quais não querem aceitar o novo plano apresentado pelo Executivo.

Segundo eles, pelo traçado apresentado pela prefeitura o bairro perde importantes equipamentos públicos conquistados via Orçamento Participativo (OP), citando a escola e o Posto de Saúde da Família (PSF) como exemplos. Pelo novo traçado, eles deixariam de pertencer ao Bairro Cristal. Lauro Roessler, delegado do OP e líder comunitário há mais de 20 anos, lembra que tudo é muito negociado e que as decisões não ocorrem sem a participação popular, justificando, desta forma, a falta de transparência em alguns pontos do novo plano.

Pontal do Estaleiro

Sérgio Amaral, também do OP, questiona a retirada da área do antigo Estaleiro Só no novo traçado. Segundo ele, o Estaleiro e o Barro Cristal sempre foram historicamente ligados, “agora ele acaba desaparecendo do nosso mapa para integrar outra região”, disse ele. Amaral observa que a Avenida Padre Cacique foi separada ao meio: de um lado, onde fica a Fundação Iberê Camargo, pertence ao Cristal; do lado onde está a orla do Guaíba, deixa de fazer parte do mapa do bairro.

Para a líder comunitária Jurema Barbosa Silveira, a retirada do espaço da orla do mapa tem a ver com o posicionamento da comunidade em relação ao empreendimento Pontal do Estaleiro. “Nós somos contra a construção de prédios naquele local”, afirmou, alegando que aquela área é reivindicada para que se torne um espaço de convivência da comunidade. “Deixando a gente de fora das decisões fica mais fácil destiná-la à construção de prédios”, lamenta Jurema.

Fora do mapa

Para o presidente da Cuthab, vereador Engenheiro Comassetto (PT), o novo traçado do Bairro deixa de incluir uma área que tem suas demandas no OP Cristal. A Comunidade Ecológica, como é conhecida, localizada no Morro Santa Tereza, ficou dissociada, disse ele. Também observa que o chamado triângulo da Tamandaré, na Avenida Coronel Massot, também sofre um corte e deixa de pertencer ao bairro. Anadir Alba, conselheira da região 6 do Plano Diretor de Porto Alegre, afirmou que, durante as discussões, sempre se priorizou a adoção de limites físicos e não imaginários, respeitando as relações das pessoas com o seu bairro.

Já o vereador Delegado Cleiton (PDT) entende que esta é uma característica das cidades. “As pessoas se conhecem, tem seu endereço, o seu ônibus, se conhecem, convivem no dia-a-dia”, afirmou, alertando para o transtorno que as alterações poderiam causar ao cotidiano das pessoas.

Novas reuniões para discutir o novo mapa de Porto Alegre serão realizadas antes que o projeto seja votado pela Câmara, afirmou o vereador Comassetto. adiantando que, na próxima semana, serão ouvidas comunidades da zona norte e do extremo-sul da Capital.

Texto: Flávio Damiani (reg. prof. 6180)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)

Câmara Municipal de Porto Alegre

Quando a arquitetura e o urbanismo são esquecidos até mesmo por seus representantes

SAERGS. Imagem: Google

SAERGS. Imagem: Google

Muito se ouve falar pelas ruas, blogs e redes sociais sobre falta de criatividade e de beleza na arquitetura dos novos empreendimentos em Porto alegre, sejam eles públicos e ou privados.

Há quem diga que falta de beleza e estética sejam resultado da economia em recursos para obter menor investimento e maior lucro ao final das transações, também há quem alegue que as leis da cidade impedem de alguma maneira a liberdade do projetista em fazer algo diferente e inovador.

“O Arquiteto e Urbanista lida diariamente com o processo de projeto e construção, desde espaços somente da casa, a todo o ambiente da cidade, passando pelo projeto estrutural, hidrossanitário, elétrico, paisagístico, pelo projeto de restauração e preservação do patrimônio histórico cultural e de planejamento urbano e regional.”

Cita o Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas do Rio Grande do Sul em sua cartilha com o nome “CONTRATE UM ARQUITETO E URBANISTA”, (http://saergs.org.br/publicacoes/cartilha/),

Uma pena é que nem mesmo o próprio sindicato representativo da classe demonstra seu interesse na construção de um paisagismo e arquitetura melhor aos olhos do cidadãos.

Esta é a impressão de quem passa em frente a sede própria do Sindicato dos Arquitetos no Rio Grande do Sul localizado na rua José do patrocínio 1197, em Porto alegre, RS. No local a sede do sindicato se integra totalmente a paisagem da região, infelizmente a integração ocorre pelo lado negativo.

Veja mais fotos, feitas pelo autor do post:

Texto e fotos:

Thierry Claas
Administrador 
__________________
Colabore também com as discussões sobre os problemas da cidade. Envie o seu artigo e/ou fotos para blog@portoimagem.com, com seu nome e e-mail. Os créditos serão destacados no final do texto, salvo pedido em contrário.

Prefeitura e Estado unem-se para agilizar obras de mobilidade

Cinco obras sofrem impactos devido aos atrasos na regularização das titularidades   Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

Cinco obras sofrem impactos devido aos atrasos na regularização das titularidades   Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

Forças-tarefas integradas por secretários municipais e estaduais foram reunidas na tarde desta quinta-feira, 2, para eliminar obstáculos que interferem na conclusão das obras do PAC Mobilidade em Porto Alegre. As equipes deverão apresentar, o mais breve possível, as minutas dos termos de compromisso para transferir áreas do Estado para o município. Das 14 obras, cinco sofrem impactos por conta dos atrasos na regularização das titularidades de 11 áreas, explicou o vice-prefeito Sebastião Melo. O término da alça de acesso do Viaduto Bento Gonçalves, por exemplo, depende da transferência de uma área pertencente à BM. A reunião, coordenada pelo secretário-geral de Governo, Carlos Búrigo, ocorreu no Centro Administrativo Fernando Ferrari.

Os termos de compromisso contêm as responsabilidades que a prefeitura terá de honrar. Com a assinatura dos documentos, a administração municipal contará com autorização imediata de posse dessas áreas e poderá concluir o traçado das vias. Ao todo, sete secretarias e órgãos estaduais detêm a posse das 11 áreas: Brigada Militar, Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Instituto de Previdência (IPE), Instituto Rio-grandense do Arroz (Irga) e secretarias estaduais de Segurança Pública (SSP), de Cultura, e da Educação.
“Estamos aqui, a pedido do governador José Ivo Sartori, do prefeito José Fortunati e do vice Sebastião Melo, para convergir e garantir que as obras sejam concluídas dentro da lei e o mais rápido possível”, destacou Búrigo.

Melo agradeceu a disposição do governo do Estado para agilizar os processos. “A parceria entre governos estadual e municipal tem um único objetivo: facilitar a vida dos moradores”, acrescentou. Também participou da reunião o secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt.

 Veja as obras do PAC Mobilidade e os órgãos estaduais envolvidos

1 – Viaduto Bento Gonçalves – Brigada Militar
2 – Avenida Voluntários da Pátria (trecho 1) – Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) e Secretaria Estadual da Cultura / (trecho 2) – CEEE, Irga, Secretaria Estadual da Educação
3 – Duplicação da avenida Edvaldo Pereira Paiva (trecho 4) – CEEE
4 – Complexo da Rodoviária – CEEE
5 – BRT João Pessoa (binário Praia de Belas – Borges) – IPE

Prefeitura de Porto Alegre

Santa Casa de Porto Alegre investirá R$ 204 milhões em cinco anos

Vista parcial do Complexo da Santa Casa de Porto Alegre. Foto: Gilberto Simon

Vista parcial do Complexo da Santa Casa de Porto Alegre. Foto: Gilberto Simon

A Santa Casa, de Porto Alegre, anunciou nesta semana um vultoso investimento para os próximos cinco anos. Os planos contemplam um aporte de R$ 204 milhões em obras no Hospital Santa Clara (foto), o mais antigo do complexo. Destes, R$ 11 milhões já estão em caixa para melhorias na UTI neonatal e na maternidade do Pavilhão Daltro Filho, que devem ter início em julho.

O plano também contempla a construção de um novo prédio. Com investimento de R$ 145 milhões, a estrutura de sete andares contará com UTI, laboratório, centro cirúrgico, internação, ambulatório SUS, entre outras áreas. Os recursos deverão vir de emendas da bancada gaúcha no Congresso.

O Complexo, em imagem do site da instituição:

img_complexo_stacasa2

Revista Amanhã

Loja C&A do BarraShoppingSul vai fechar

BarraShoppingSul terá uma das principais âncoras fechada nesta semana. Foto: Gilberto Simon

BarraShoppingSul terá uma das principais âncoras fechada nesta semana. Foto: Gilberto Simon

A Loja C&A, uma das principais lojas âncoras do BarraShoppingSul vai fechar. Ela funcionará normalmente até o próximo domingo, dia 5 de julho. Na segunda-feira já estará fechada.

A razão ainda não foi informada, mas eu arriscaria dizer que é devido à crise do país, e a grande quantidade de shopping centers com as mesmas lojas na cidade.

Fonte: diversas.

Obras da nova Ponte do Guaíba alteram trânsito próximo à Arena do Grêmio

Voluntários da Pátria e a Rua Dona Teodora sofrerão estreitamento de pista e desvios de tráfego

Obras da Ponte do Guaíba alteram trânsito próximo no Humaíta | Foto: Tarsila Pereira

Obras da Ponte do Guaíba alteram trânsito próximo no Humaíta | Foto: Tarsila Pereira

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) informou nesta quinta-feira as mudanças que irão ocorrer no trânsito no bairro Humaitá, próximo à Arena do Grêmio, por conta da construção da nova Ponte do Guaíba. Em razão das obras, a Avenida Voluntários da Pátria e a Rua Dona Teodora sofrerão estreitamento de pista e desvios de tráfego.

As alterações começam na próxima semana e seguirão por tempo indeterminado até o término dos serviços. O DNIT informa que serão executadas as fundações com a cravação de estacas e posteriormente a construção de blocos e pilares, que irão compor as alças de acesso à ponte e ao bairro.

Como as estruturas serão construídas junto aos trechos de circulação de veículos, será necessário o desvio do tráfego em mais de um ponto da via para a execução dos serviços, posicionamento dos equipamentos e circulação dos trabalhadores. A sinalização com dispositivos diurnos e noturnos, alertando aos motoristas sobre as mudanças será implantada na próxima segunda-feira, antes do início dos serviços pelos operários do Consórcio Ponte do Guaíba.

Os desvios terão a seguinte configuração:

Sentido Arena do Grêmio-Centro
O fluxo será totalmente desviado em dois pontos para a pista de sentido oposto, onde a circulação será feita em mão dupla;

Sentido Centro-Arena do Grêmio
O fluxo, que atualmente segue em mão única, não será desviado, porém a pista será estreitada para receber o fluxo da pista oposta, sendo realizado em mão dupla.

nova-ponte-guaiba-02

Correio do Povo

Duplicação da primeira parte da Voluntários deve estar pronta em novembro

Obras do segundo trecho ainda não têm data para começar

Trabalhos na via estão concentrados na colocação do pavimento | Foto: Samuel Maciel

Trabalhos na via estão concentrados na colocação do pavimento | Foto: Samuel Maciel

 

As obras de duplicação de 800 metros da rua Voluntários da Pátria, entre as ruas da Conceição e Ramiro Barcelos, deverão estar concluídas em novembro deste ano. A previsão foi anunciada nesta quinta-feira pelo secretário municipal de Obras e Viação (Smov), Mauro Zacher, durante a inspeção realizada.

Segundo Zacher, a rua Álvaro Guaspari será liberada em 60 dias ao tráfego de veículos da Estação Rodoviária em direção a Farrapos. Os trabalhos na via estão concentrados na colocação do pavimento. O secretário informou que as obras na via fazem parte do primeiro trecho de duplicação da Voluntários da Pátria. Já a duplicação do segundo trecho (cerca de 2,7 quilômetros ainda não tem data para iniciar. A prefeitura terá que negociar as desapropriações no restante da extensão, que vai da rua Ramiro Barcelos até a avenida Sertório.

Conforme o secretário, a duplicação da Voluntários da Pátria tem o acompanhamento do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) já que na região existem pelo menos três edifícios considerados de valor histórico. O Iphan monitora as obras para garantir que as construções não sejam comprometidas.

Segundo a Prefeitura de Porto Alegre, o investimento para duplicação dos 3,5 quilômetros da Voluntários da Pátria, entre a rua da Conceição até a avenida Sertório, é de R$ aproximadamente R$ 50 milhões.

Cláudio Isaías – Correio do Povo

Jaime Lerner entrega projeto de revitalização de mais um trecho da Orla do Guaíba

Responsável pelo projeto de revitalização do Cais Mauá e da Orla do Guaíba, Jaime Lerner foi o convidado da reunião-almoço da Federasul|Foto: Ivan Andrade/Federasul

Responsável pelo projeto de revitalização do Cais Mauá e da Orla do Guaíba, Jaime Lerner foi o convidado da reunião-almoço da Federasul|Foto: Ivan Andrade/Federasul

Responsável pelos projetos de revitalização do Cais Mauá e da Orla do Guaíba, na Capital, o arquiteto e ex-governador do Paraná Jaime Lerner foi o palestrante do Tá na Mesa da Federasul desta quarta-feira (1°). Na ocasião, ele anunciou que entregou, na terça-feira (30), à prefeitura o primeiro esboço da revitalização do novo trecho do Guaíba, entre a Rótula das Cuias e o Estádio Beira-Rio, para a qual ele também foi contratado. O trecho, conforme Lerner, terá 25 quadras poliesportivas e “a maior pista de skate da América Latina”, além de áreas arborizadas.

A revitalização do porto será realizada pelo Consórcio Cais Mauá Brasil, que arrendou o local. Nesta quarta-feira, inclusive, o diretor-presidente da empresa NSG, Luiz Eduardo Abreu, entregou o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) à prefeitura, permitindo a emissão das licenças necessárias para o começo das obras estimadas em R$ 700 milhões. Segundo a NSG, integrante do consórcio, o trabalho deve iniciar em 2016. A revitalização, que prevê a restauração dos 11 armazéns, instalações de restaurantes e áreas de lazer, construção de um shopping na Usina do Gasômetro, torres e um centro de eventos, tem causado polêmica, já que movimentos sociais, como o Ocupa Cais Mauá, criticam a privatização da Orla e que o projeto apresentado não oportuniza a convivência da população e não preserva sua paisagem.

Já as obras no trecho da Orla da Usina o Gasômetro até a Rótula das Cuias ainda não saíram do papel porque as três licitações lançadas pela prefeitura não tiveram empresas interessadas. Estimada em R$ 57,4 milhões, a obra prevê a construção de ciclovia e caminhos iluminados com fibra ótica, fazendo com que toda a orla seja iluminada com lâmpadas led, e um terminal turístico, além da instalação de bares.

Nesta quarta-feira, Lerner disse que esses dois projetos não saíram do papel porque “são complexos e demorados”. “São dois projetos diferentes. O do Cais envolve muitas entidades. Hoje (quarta), foi entregue o Rima (Relatório de Impacto Ambiental) e essa é uma etapa fundamental”, afirmou ele, acrescentando que a demora também se deve à mudança de alguns dos investidores do Consórcio Cais Mauá. O arquiteto disse que trabalha nesse projeto há cinco anos. Sobre a revitalização da Orla do Guaíba, o ex-governador frisou que não houve modificações e a proposta inicial foi mantida. Nesse caso, na opinião dele, “precisa ter mais interesse da iniciativa privada em fazer a obra”. “Todos esses projetos têm uma complexidade e têm uma avaliação de custos, tem de conciliar a disponibilidade. Eu acho que é o empreendimento mais importante do país”, reforçou o arquiteto.

Contratos sem licitação

Nos três projetos de revitalização, a prefeitura contratou Lerner sem licitação com base “no notório saber” previsto na Lei de Licitações, mas o fato causou polêmica na Capital, a exemplo de outras cidades do país que usaram o mesmo argumento para contratar o escritório do reconhecido arquiteto. Alguns Tribunais de Contas do país chegaram a questionar a falta de licitação. O arquiteto afirmou, no entanto, que não teve problemas com TCEs e que é “convidado” para fazer o projeto e não envolve as futuras obras. “É licitação para a concepção do projeto. Eu não vejo necessidade de concorrência”, observou ele, que tem trabalhos também em Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro, além de países como México, Angola e República Dominicana. Recentemente, o ex-governador foi contratado para fazer um projeto de sustentabilidade do Bairro Quartier, em Pelotas, na zona sul do Estado.

Cidade sustentável

Para o arquiteto, uma cidade sustentável é aquela que, por exemplo, prioriza a convivência das pessoas, usa menos automóveis e os trabalhadores moram próximo do emprego. “A cidade sustentável é uma equação muito simples: entre aquilo que você poupa e aquilo que você desperdiça” explicou Lerner. Na sua visão, é preciso haver uma integração entre vida, trabalho e mobilidade. “O empreendimento é bom se atender toda a população. O processo de planejamento nas cidades está muito burocratizado”, sustentou o ex-governador, que deixou a política há 13 anos para se dedicar ao trabalho de seu escritório.

Ele afirmou que não só o Brasil, mas o mundo caminha para cidades integradas e com menos veículos. Para isso, segundo ele, é preciso investir num transporte público de qualidade,  priorizando não só a construção de BRTs (corredores rápidos de ônibus), mas também o sistema operacional. “A cidade tem de dar mais espaço para as pessoas, para as bicicletas. O uso do automóvel será diferente. Os automóveis serão para viagens, lazer, mas no dia-a-dia das cidades terão de se resolver sem transporte individual”, completou o arquiteto de 78 anos sobre a rotina dos grandes conglomerados no futuro.

SUL 21

Consulta sobre cercamento da Redenção vai ocorrer em outubro de 2016

Plebiscito será realizado junto com eleições municipais do próximo ano

 

Iluminação da Redenção ficará pronta em setembro | Foto: Tarsila Pereira / CP Memória

Iluminação da Redenção ficará pronta em setembro | Foto: Tarsila Pereira / CP Memória

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) confirmou à Câmara de Vereadores que o plebiscito sobre o cercamento do Parque da Redenção vai ocorrer junto com as eleições municipais do ano quem. A consulta vai ser feita com eleitores de Porto Alegre. Diferentemente do voto para a escolha de prefeito e vereador, participar da consulta não vai ser obrigatório.

Conforme o presidente da Câmara, Mauro Pinheiro, pelo menos um ponto ainda precisa ser definido: qual a pergunta a ser feita ao eleitor, já que a lei não cita esse texto, apenas prevê que a resposta seja sim ou não. O projeto virou lei há um mês, no dia primeiro de junho, quando o prefeito José Fortunati sancionou a matéria.

Até o início da semana, Prefeitura e Câmara ainda divergiam sobre de quem era a responsabilidade de fazer a entrega do material ao TRE. Para o Executivo, cabia ao Legislativo, onde o projeto teve origem, fazer o encaminhamento. Já o Legislativo entendia que o Executivo, por ter sancionado, era quem devia fazer a entrega da proposta.

Iluminação da Redenção ficará pronta em setembro

Com um investimento de R$ 1,5 milhão, a nova iluminação do Parque da Redenção deverá estar concluída no final do mês de setembro. O anúncio foi feito nesta quarta-feira pelo secretário municipal de Obras e Viação (Smov), Mauro Zacher, que participou de um encontro com Associação de Moradores do Bom Fim e do Conselho de Usuários do Parque Farroupilha. Eles realizaram uma inspeção na mais tradicional área de lazer da cidade.

Zacher disse que serão instalados pela empresa Cristel, terceira colocada no processo de licitação, 512 pontos de luz na Redenção. “A nova iluminação vai privilegiar os principais acessos e trilhas do Parque da Redenção”, explicou.

Conforme o secretário, o projeto prevê ainda a instalação de mais uma rede subterrânea de iluminação pública, partindo de quatro subestações, com adequação dos pontos existentes e instalação de novos. Serão colocadas lâmpadas de 150 a 400 watts.

O Conselho de Usuários do Parque Farroupilha estima que cerca de 1 milhão de pessoas circulem por mês pelo parque – passeios no entorno, shows no auditório Araújo Viana, Brique da Redenção aos domingos e pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) com docentes, estudantes e funcionários.

O Parque da Redenção possui uma área de 37,5 hectares. Segundo o integrante do Conselho de Usuários do Parque Farroupilha, Roberto Jabubaszko, a nova iluminação trará mais segurança para os frequentadores do parque.

Correio do Povo

Concluído estudo de impacto ambiental para obras do Cais Mauá

Documentação com 2,5 mil páginas reúne análises dos órgãos municipais   Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

Documentação com 2,5 mil páginas reúne análises dos órgãos municipais   Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

A versão final do Estudo de Impacto do Meio Ambiente (EIA-Rima) do projeto de revitalização do Cais Mauá foi entregue nesta quarta-feira, 1º. O prefeito José Fortunati recebeu a documentação do diretor-presidente da NSG, empresa responsável pelo projeto, Luiz Eduardo Abreu. Com o EIA-Rima é possível a obtenção das licenças necessárias ao efetivo começo das obras de revitalização do Cais, que devem se iniciar em 2016, conforme a empresa responsável pelo projeto.

Seis grandes volumes de documentação, totalizando 2,5 mil páginas, contemplam a preocupação nas análises feitas nas secretarias e departamentos do município, que incluem desde a preservação do patrimônio histórico, os armazéns e galpões, o impacto na mobilidade e segurança para o projeto das ciclovias e possíveis alterações no trânsito, as contrapartidas para a cidade, a preservação e impacto na fauna local e o sistema de drenagem e proteção contra as cheias.

Conforme Fortunati, o recebimento da documentação com o aceite do município é uma etapa fundamental para a revitalização do Cais, sendo uma garantia de que as intervenções a serem feitas seguem rigorosamente a legislação ambiental e cumprem todos os pré-requisitos técnicos apontados pelos órgãos municipais. “Temos a plena e absoluta convicção de que será feito o melhor para a cidade, permitindo o retorno da população a esse espaço fantástico. É um momento de muita alegria, porque sem essas garantias a obra não acontece. É graças a esses documentos que conseguiremos, a partir de agora, pensar na nova etapa”, destacou Fortunati.

O prefeito salientou o esforço realizado para a obtenção do EIA-Rima diante da complexidade do projeto. “Estamos diante de um dos mais complexos projetos que a cidade viveu nos últimos tempos, estamos acompanhando com a tranquilidade de que mais importante do que a pressa é termos a certeza absoluta que a obra que será feita cumpre com todo rigor ambiental, de mobilidade urbana e, principalmente, da qualidade de ofertas de serviços para a população e os turistas”, sublinhou.

Na ocasião, o diretor presidente da NSG reafirmou o compromisso com a execução das obras após a liberação das licenças. “O desejo é transformar Porto Alegre como destino e não como passagem. É um processo complexo, mas há um grande esforço de todos os envolvidos”. Também participam do ato o vice prefeito Sebastião Melo, o secretário estadual de Transportes e Mobilidade, Pedro Westphalen, representantes da Cais Mauá, o arquiteto Jaime Lerner, secretários do Gabinete de Desenvolvimento e Assuntos Especiais (Gades), Edemar Tutikian e Glenio Bohrer, gestores e técnicos municipais envolvidos no processo.

Trabalho criterioso – O processo foi protocolado na Prefeitura de Porto Alegre em outubro de 2013, pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smam). A documentação também passou por análise nas secretarias municipais de Obras (Smov), Urbanismo (Smurb), Acessibilidade e Inclusão Social (Smacis), Cultura (SMC), Epahc, Saúde (SMC), Educação (Smed), Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), Departamento Municipal de Esgotos Pluviais (DEP), EPTC, Gades, além do Instituto do Patrímonio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), no âmbito federal, e pelo Departamento de Recursos Hídricos do Estado (DRH/Sema).

Próxima etapa –  A documentação ficará disponível a todos os cidadãos na biblioteca da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam). Nos próximos dias, a empresa deverá fazer a publicação do edital para o chamamento de audiência pública, aonde todos os setores da sociedade poderão se manifestar sobre as obras. A audiência deverá ocorrer 45 dias após a publicação do edital pela empresa.

Após, será solicitada a Licença Ambiental Prévia, que precede a Licença de Instalação do empreendimento, que dependerá do parecer definitivo da Smam quanto ao EIA-Rima, após a audiência pública, e da aprovação final do Estudo de Viabilidade Urbanística.

Prefeitura de Porto Alegre

Em audiência na Câmara, secretário não dá prazo para conclusão de “Obras da Copa” em Porto Alegre

3Urbano Schmitt explicou a situação das obras de mobilidade urbana da cidade | Foto: Caroline Ferraz/Sul21

3Urbano Schmitt explicou a situação das obras de mobilidade urbana da cidade | Foto: Caroline Ferraz/Sul21

Previstas para serem concluídas antes da Copa do Mundo do ano passado, muitas obras de mobilidade iniciadas em Porto Alegre ainda estão sendo executadas a passos lentos e provocando dores de cabeça para quem circula pela cidade, seja de ônibus, de carro ou de bicicleta. Para discutir o andamento das obras, a Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação da Câmara de Vereadores (Cuthab) contou, nesta terça-feira, com a presença do secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt, que explicou a situação de cada uma delas, mas não apresentou prazo para a finalização de nenhuma – ao menos 11 “Obras da Copa” ainda permanecem inacabadas.

O secretário Schmitt iniciou sua fala afirmando que a Copa do Mundo abriu a possibilidade de captação de recursos federais para obras que eram desejadas há mais de 40 anos, mas que não eram realizadas por falta de “recursos e coragem”. Contudo, ele lembrou que, inicialmente, a matriz de obras da Copa previa apenas projetos para o entorno do estádio Beira-Rio. “Se nós tivéssemos ficado com a primeira matriz de obras, teríamos concluído antes da Copa”, disse o secretário.

Schmitt afirmou que o atraso no andamento das obras decorre de uma série de problemas, como a demora para a desapropriação de terrenos por onde devem passar as obras, a demora no remanejo das famílias que terão as casas afetadas, a demora na obtenção de licenças ambientais, o fato de empresas licitadas terem desistido de algumas obras e outras licitações não terem tido empresas interessadas, além de o governo federal ter demorado para liberar recursos.

“A matriz de responsabilidade exigia a conclusão antes da Copa, mas, por falta de liberação de recurso em tempo hábil, as obras que ficaram prontas precisaram de recursos próprios”, disse Schmitt, lembrando que, apesar do atraso, as obras estão com os recursos assegurados porque foram transferidas para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal.

Schmitt salientou que o maior atraso ocorre na Avenida Plínio Brasil Milano, mas que o andamento desta obra depende de uma decisão da Justiça sobre uma reintegração de posse. “A Plínio poderia estar com mais da metade das obras executadas, só que a Justiça ainda não nos deu a reintegração de posse. Então, não adianta fixarmos prazo quando tem muita coisa que foge da governança da prefeitura”, disse Schmitt, salientando que não compete a prefeitura estabelecer prazos para desapropriações de casas, por exemplo.

Presidente da Cuthab, o vereador Engenheiro Comassetto afirmou que a “morosidade da execução dessas obras é uma realidade”. Segundo ele, os atrasos passam por um problema de gestão e articulação entre as diversas secretarias da Prefeitura. Ele também lembrou que Porto Alegre contou com uma vasta liberação de recursos federais, mas que isto não reflete na celeridade das “Obras da Copa” e de outros projetos, como o metrô.

“Porto Alegre é uma cidade privilegiada pela quantidade de recursos captados via programas do governo federal. Só nessas obras de mobilidade são R$ 888 milhões. Para o metrô, em torno de R$ 4 bilhões. Nas obras do Programa Integrado Socioambiental (Pisa), são mais 850 milhões”, disse Comassetto.

Quebra-quebra

Uma das situações que mais aborrece os porto-alegrenses é que muitos trechos precisam ser refeitos antes mesmo de as obras serem finalizadas. Questionado sobre a situação de que muitas placas de concreto dos corredores de ônibus precisaram ser trocadas antes de as obras ficarem prontas, por exemplo, Schmitt explicou que essas estruturas precisam passar por um período de cura de 30 dias e que, ao longo do qual algumas delas acabam apresentando problemas, como rachaduras, e precisam ser trocadas.

Contudo, ele afirmou que muito do que as pessoas consideram o “quebra-quebra” de placas de contrato na verdade é a substituição de placas antigas, que seriam do tempo da gestão Guilherme Socias Villela (1975-1983) na prefeitura. Além disso, o secretário salientou que todas essas trocas são de responsabilidade da empresa contratada, não resultando em custos adicionais para a Prefeitura.

Outras obras necessárias

Quando a palavra foi aberta ao público, os presentes questionaram o secretário sobre outras obras que precisariam se realizadas na cidade, como a ampliação de vias na zona sul, e também sobre o fato de as “Obras da Copa” terem priorizado a população que utiliza automóvel e os moradores que moram entre a Terceira Perimetral e o Centro da Cidade.

Comassetto também questionou o andamento de projetos já aprovados pela Câmara e anunciados pela Prefeitura que nunca saíram do papel, como obras nas avenidas Vicente Monteggia, Oscar Pereira, Edgar Pires de Castro e João Antônio da Silveira. Schmitt afirmou que estas e outras obras já aprovadas seguem nos planos da Prefeitura, mas faltam recursos para que elas sejam realizadas.

Outro ponto levantado pelo vereador Carlos Casartelli (PTB) foi a falta de um planejamento estratégico que pense no futuro da cidade. Ele salientou que, no momento, seria impraticável proibir a circulação de veículos no Centro da cidade, mas que esta seria uma alternativa a ser estudada para o futuro, por exemplo. Schmitt afirmou que este trabalho é feito pela Prefeitura e que órgãos como a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb) têm equipes responsáveis por pensar no médio e longo prazo.

Confira o andamento das obras de mobilidade segundo o cronograma apresentado por Schmitt:

1) As obras na Avenida Tronco estão em execução, mas ainda é necessário concluir os processos de desapropriações de casas. Segundo Schmitt, das 1,5 mil famílias que precisavam ser realocadas, 997 já foram;

2) Segundo o secretário, para a conclusão total do viaduto da Bento Gonçalves com a Terceira Perimetralfalta liberação dos acessos por parte da BM;

3) As obras da Cristóvão Colombo com a Terceira Perimetral estão em fase final de escavações;

4) As obras da Anita Garibaldi com a Terceira Perimetral também estão em fase de escavações. Segundo Schmitt, a obra está mais atrasada do que o previsto porque foi necessário mudar o projeto executivo dela devido a detecção tardia de rochas. Deve avançar no mês de julho;

5) Obras na Ceará com a Terceira Perimetral estão fase de execução da rede de drenagem pluvial e da paredes de contenção. Schmitt salientou que, devido a proximidade do aeroporto e pela iluminação que precisa ser utilizada, parte das obras só pode ser realizada entre às 0h45 e às 5h, quando o Salgado Filho está fechado,

6) Obras da Plínio Brasil Milano: não está em obras porque falta uma reintegração de posse;

7) BRT da João Pessoa – em execução a troca de asfalto por placas de concreto

8) BRT da Protásio Alves: 90% das obras estão concluídas;

9) BRT da Bento Gonçalves: faltam apenas 300 m embaixo do viaduto entre a Bento e a Aparício Borges;

10) Corredor de ônibus da Voluntários da Pátria está parcialmente em andamento. Schmitt afirma que uma etapa está à espera da autorização de uma desapropriação por parte do governo do Estado;

11) Prolongamento da Severo Dullius: a ordem do início do prolongamento deve ser iniciada no 2º semestre.

SUL 21 – Luís Eduardo Gomes

Novos imigrantes chegam a Porto Alegre

Centro Vida Humanístico acolhe os imigrantes  Foto: Divulgação/PMPA

Centro Vida Humanístico acolhe os imigrantes  Foto: Divulgação/PMPA

Nas madrugadas de domingo, 28, segunda, 29 e terça-feira, 30, chegaram mais imigrantes a Porto Alegre, totalizando 43 pessoas. No primeiro dia, chegaram 26 haitianos e dois africanos. No segundo, desembarcaram na Capital dois haitianos, e no último dia, foram dez senegaleses e três haitianos.

O Centro Vida Humanístico, alojamento que acolhe os imigrantes que não tem onde ficar, localizado na avenida Baltazar de Oliveira García, 2132, no bairro Sarandi, segue recebendo doações. Entre as principais necessidades estão produtos de limpeza, roupas de cama e comida.

Ainda nesta terça-feira, 30, é aguardada a chegada de mais quatro imigrantes, com previsão de chegada para as 21h30.

Prefeitura de Porto Alegre

Complexo Prisional de Canoas recebe liberação de mais verbas para conclusão de obras

Maquete do projeto - Foto: Divulgação/Susepe

Maquete do projeto – Foto: Divulgação/Susepe

O Complexo Prisional de Canoas, que irá gerar 2.808 novas vagas para o sistema penitenciário gaúcho, recebeu a liberação de mais verbas para a conclusão das obras em andamento. O recurso do convênio entre governo do Estado e prefeitura, para construção do acesso externo e das redes públicas de infraestrutura, já foi disponibilizado, com empenho de R$ 1,06 milhão.

Além disso, foram liberados R$ 953 mil referentes a serviços extras de infraestrutura interna, que estão sendo aditados ao contrato da obra. Para o  cercamento da área do complexo, já tramita na Celic o processo para licitação, na quantia de R$ 416 mil.

A conclusão destes serviços adicionais é necessária para viabilizar a ocupação do local. O complexo compreende quatro estabelecimentos prisionais, sendo que o primeiro, a Penitenciária Estadual de Canoas I, com capacidade para 393 vagas, está pronto. Os outros três terão 805 vagas cada um.

Texto: Caroline Paiva/Ascom-Susepe
Rui Felten/CCom 

Governo do Estado do RS

Câmara irá entregar ao TRE plebiscito do cercamento da Redenção

Presidente da casa e prefeitura divergiam sobre quem deveria fazer o projeto

Presidente da casa e prefeitura divergiam sobre quem deveria fazer o projeto | Foto: Cristiano Estrela / CP Memória

Presidente da casa e prefeitura divergiam sobre quem deveria fazer o projeto | Foto: Cristiano Estrela / CP Memória

Um mês depois de sancionado, o projeto que prevê a realização de um plebiscito sobre o cercamento do Parque da Redenção, em Porto Alegre, ainda não foi encaminhado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que vai definir a data de realização da consulta. De acordo com a Prefeitura, cabe à Câmara Municipal fazer o encaminhamento. Já o Legislativo sustenta que o Executivo é quem precisa entregar a proposta ao TRE.

Segundo o vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB), como se trata de um projeto do Legislativo, cabe à Câmara Municipal fazer a entrega do documento ao órgão eleitoral. Já o presidente da Câmara, vereador Mauro Pinheiro (PT), entende que, por ter sido sancionado pelo prefeito José Fortunati, o texto precisa ser encaminhado ao tribunal pelo Executivo.

Conforme havia anunciado, Fortunati sancionou o projeto, em 1º de junho, mesmo se declarando contrário à instalação das grades. Ele disse que, com o gesto, defende que o debate seja ampliado. A proposta é de autoria do vereador Nereu D’Ávila (PDT).

O vereador Mauro Pinheiro garantiu nesta segunda-feira que na terça vai solicitar uma audiência no Tribunal Eleitoral para fazer a entrega do projeto sancionado. Explicou que pretende agilizar o encaminhamento, mesmo entendendo que cabe à Prefeitura fazer a entrega.

Samuel Vettori / Rádio Guaíba / Correio do Povo

Dupla Grenal avalia estádios

beira-rio-arena-gremioEm meio ao momento de turbulência vivido pelas construtoras OAS e Andrade Gutierrez, incluídas nas investigações da Operação Lava Jato, a dupla Grenal analisa a possibilidade de mudar os acordos firmados com as empreiteiras para a construção da Arena do Grêmio e reforma do Beira-Rio.

Enquanto o Grêmio negocia abertamente a aquisição do estádio, o Internacional começa a pensar em acordo para ter a gestão das cadeiras VIPs do Beira-Rio.

O diretor da BDO Brasil para a área de esportes, Pedro Daniel, acredita que o momento de dificuldade dos parceiros pode ajudar os clubes na hora de alterar os contratos firmados anteriormente. A vantagem seria maior no caso do Grêmio, já que a OAS está em uma situação financeira crítica e até encaminhou pedido de recuperação judicial: “A situação (da OAS) é como a de uma pessoa que está sem fluxo de caixa e tem um carro. Se chegar uma proposta pelo veículo, mesmo que não seja a ideal, ela negocia”.

Affonso Ritter

Obras da Termelétrica e Planta de Gaseificação em Rio Grande começam este ano

caminhos-da-zona-sulA direção do Grupo Bolognesi, responsável pela implantação de uma usina termelétrica a gás e pela planta de regaseificação de GNL em Rio Grande, com investimentos de R$ 3,3 bilhões, apresentou esta semana detalhes do andamento do projeto ao governador José Ivo Sartori e equipe, no Palácio Piratini. O empreendimento, na Região Sul, vai gerar 1.238 MW a partir do gás natural, correspondendo a 30% da energia elétrica do Rio Grande do Sul, e começara a ser construído ainda neste ano.

Segundo o presidente do grupo, Ronaldo Bolognesi, o cronograma está de acordo com o planejado. Com a liberação da Licença de Instalação (LI), pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), prevista para julho, as obras deverão iniciar-se entre outubro e dezembro, gerando uma média de mil empregos e podendo alcançar 2,5 mil postos de trabalho em períodos de pico.

A usina termelétrica (UTE) de Rio Grande será constituída de três turbinas a gás, com emissões que atendam aos padrões internacionais. A construção da UTE, que levará 36 meses, será realizada por um consórcio liderado pelo grupo espanhol Duro Felguera S/A. “Estamos na porta de entrada do nosso projeto e está tudo alinhado para sua concretização. Vamos injetar gás na região”, disse o presidente do Grupo Bolognesi – o terceiro maior operador de térmicas do país. A energia comercializada deve ser entregue a partir de 1º de janeiro de 2019.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Fábio Branco, trata-se de um projeto estruturante e indutor de desenvolvimento para o Rio Grande do Sul. “O papel do governo é fazer o trabalho de articulação e organização dos atores envolvidos. Nós equacionamos as questões para que os investidores possam cumprir seus prazos.”

Participaram da reunião os secretários de Minas e Energia, Lucas Redecker, do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, dos Transportes e Mobilidade, Pedro Westphalen, e Geral de Governo, Carlos Búrigo.

O PROJETO

O projeto da usina termelétrica a gás de Rio Grande foi contemplado pelo último leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para o segmento, o Leilão de Energia A-5, realizado em 2014. O projeto inclui ainda um píer de atracação, o terminal de regaseificação e um gasoduto de transferência. As termelétricas são consideradas importantes por fornecerem segurança e estabilidade ao sistema elétrico nacional, pois independem das condições climáticas, como as hidrelétricas.

O terminal de regaseificação terá capacidade para 14 milhões de metros cúbicos por dia, podendo receber dois navios cargueiros ao mês, e ficará situado ao lado do terminal da Petrobras. Contará com um navio de estocagem e regaseificação de forma permanente. A usina será construída no Distrito Industrial do município. Já o gasoduto Rio Grande-Triunfo terá 311 quilômetros de extensão.

Blog Caminhos da Zona Sul – 27/06/2015

Mansões tomam lugar de área verde em Porto Alegre

Na região das ilhas, casas de alto padrão tomaram lugar de vegetação nativa

Agentes da Prefeitura identificaram casas tirando lugar de vegetação | Foto: Mauro Schaefer

Agentes da Prefeitura identificaram casas tirando lugar de vegetação | Foto: Mauro Schaefer

Agentes do Consórcio Guaíba que trabalham na atualização RecadastraPoa, da prefeitura, encontraram dezenas de mansões novas na Região das Ilhas, que não constavam no levantamento aéreo feito há cinco anos. Com uma rápida olhada em fotos de satélite de 2010 dá para ver a transformação do local, que outrora abrigava uma ilha de vegetação nativa e hoje reúne casas de alto padrão, a maioria com marina própria e piscina.

O recadastramento descobriu ainda centenas de propriedades novas em terrenos na periferia da Capital onde os agentes encontraram condomínios de luxo e verificaram o aumento da área de residências mais simples que mudaram de aparência sem que houvesse sido feita alteração nos registros oficiais. Os fiscais fazem a verificação munidos de informações a partir de fotos aéreas, perfilamento a laser e imagens de satélite. Eles visitam imóveis selecionados pelos técnicos da Secretaria Municipal da Fazenda (SMF), que comparam os dados em um projeto gigante que envolve o mapeamento de 545 km² de área territorial e a verificação de milhares de propriedades entre casas, lojas, fábricas e comércios distribuídos em 49 setores.

Conforme o diretor da Divisão de Receita Imobiliária da Receita Municipal, Marco Antônio Heinski, até o fim do ano devem ser visitadas mais de 70 mil casas que apresentaram algum tipo de divergência entre a área construída cadastrada na SMF e a área detectada por meio do levantamento aerofotogramétrico. “Recebemos fotos aéreas restituídas e estimativas de área construída de todas as partes da cidade e fizemos a comparação com registros anteriores para verificar onde houve mudança”, destaca Heinski.

O levantamento de dados está sendo feito por um consórcio de cinco empresas que venceu licitação. Depois de compilados, os dados são encaminhados à Fazenda para análise. Desde setembro, quando começaram as primeiras visitas aos imóveis, foram vistoriadas 27 mil propriedades, sendo que 1,2 mil receberam a guia para pagamento do IPTU com valores recalculados. Heinski esclarece que só vai pagar a diferença do imposto o proprietário que fez reforma e ampliou imóvel e não comunicou a obra aos órgãos competentes.

A assessora da Divisão de Receita Imobiliária da SMF, Claudia De Cesare, destaca que Porto Alegre tem mais de 720 mil inscrições imobiliárias e o banco de dados precisa estar atualizado para que haja justiça na cobrança de tributos. Ela destaca que o estudo impactará positivamente na qualidade de vida porque permitirá o planejamento da mobilidade urbana.

O coordenador do projeto, Cláudio Lopes de Almeida, da Unidade de Tributos Imobiliários da SMF, explica que a fiscalização não terminará em dezembro, no fim do contrato com o Consórcio Guaíba. “Os auditores seguirão atualizando o cadastro imobiliário, agora com as facilidades da nova base de dados criada a partir do RecadastraPoa.” Ele detalha que os imóveis fechados na ocasião da vistoria e mesmo proprietários que se recusaram a atender os agentes receberão IPTU retroativo a 2010 sempre que constatadas divergências. A SMF atende quem quiser contestar valores.

Luís Tosca

Clique aqui para ler a matéria completa no Correio do Povo

Após anos de descaso, Museu da Comunicação corre o risco de ‘perder tesouros’

Acervos do Museu da Comunicação estão sob constantes riscos em dias de chuva | Foto: Caroline Ferraz/Sul21

Acervos do Museu da Comunicação estão sob constantes riscos em dias de chuva | Foto: Caroline Ferraz/Sul21

Jornais do século XIX sob chuva. Latas com fitas dos primórdios da televisão gaúcha atiradas em prateleiras de um depósito coberto de lixo. Infiltrações em quase todas as paredes. Este é o estado em que se encontra o Museu da Comunicação Hipólito José da Costa.

Inaugurado em 10 de setembro de 1974, no prédio histórico do antigo jornal republicano “A Federação” – construído em 1922 -, o museu conta com um vasto arquivo que engloba periódicos, fotografias, vídeos, filmes, discos, material de propaganda, além de objetos e equipamentos ligados aos veículos de comunicação. Contudo, boa parte desse material corre o risco de se perder se o prédio não passar por uma manutenção urgente.

Foi essa situação que Yuri Victorino, jornalista da TVE cedido à Secretária da Cultura (Sedac) do Rio Grande do Sul encontrou no dia 6 de maio, quando assumiu a direção do museu a convite do secretário Victor Hugo. De lá para cá, ele próprio tratou de fazer reparos essenciais e realizou medidas para o quadro da instituição.

“Eu não vou deixar cair em cima dos jornais. Não vou esperar o Estado vir aqui e resolver. Tiro o dinheiro do próprio bolso para comprar telhas e vidros”, diz Victorino, que ainda promete: “O momento de crise está passando, daqui para frente nós temos que pensar na continuidade desse espaço de memória”.

Luís Eduardo Gomes – SUL 21

Leia a matéria completa, bastante extensa, no SUL21, clicando aqui

Ideia genial para navios em desuso

Uma equipe holandesa de arquitetos e designers irá converter petroleiros em desuso em shopping centers, fóruns culturais ou residências com o objetivo de não precisar demoli-los em condições ambientais dispendiosas e questionáveis, não sustentáveis.

Veja as imagens:

ausgediente Ãltanker

Petroleiro modificado junto a uma praia: ao longo de uma rua de petroleiros gigantes seriam conectados ao continente e acessíveis a pé ou de carro.

ausgediente Öltanker

“Black Gold Project” é o nome do projeto, segundo um conceito criativo. O local mais apropriado para este projeto seriam as praias dos países produtores de petróleo.

 

ausgediente Ãltanker

Os transatlânticos poderia servir como uma espécie de contraponto aos palácios de vidro futurista das cidades que estão crescendo nos países do Golfo a um ritmo de tirar o fôlego.

ausgediente Ãltanker

O lugar iria fornecer os navios. E uma vez que os navios modernos são projetados em duplas, até mesmo o problema do controle do clima seria fácil de resolver

ausgediente Ãltanker

De acordo com o designer mesmo uma vila inteira poderia ser acomodada em um navio-tanque – com shopping centers e centros de convenções.

ausgediente Ãltanker

ausgediente Ãltanker

A seção transversal mostra como os arquitetos imaginam o design interior. As plataformas de estacionamento foram alojados em Kiel, grandes aberturas nas laterais fariam a circulação de ar para os lobbies.

ausgediente Öltanker

Créditos das imagens: Chris Collaris, Ruben Esser, Sander Bakker, Patrick van der Gronde – Less Agency

Fonte: Revista alemã Der Spiegel.

Matéria sugerida por Bianca Grando.

Trensurb admite que trens novos falham mais, mas explica: ‘fase de adaptação’

Novos trens entraram em circulação no início do ano | Foto: Luiz Soares/Trensurb

Novos trens entraram em circulação no início do ano | Foto: Luiz Soares/Trensurb

Desde o início deste ano, quando a Trensurb colocou em circulação novos trens, passageiros reclamam que o sistema de transporte ferroviário metropolitano tem apresentado mais problemas do que anteriormente e questionam se foi uma decisão acertada incorporar as novas composições ao sistema. A Trensurb confirma o aumento no número de falhas técnicas, porém, diz que já eram esperadas e fazem parte de um período de adaptação do novo sistema, com a perspectiva de estabilização para o ano que vem.

O aumento no número de problemas é recorrente entre quem utiliza o meio de transporte diariamente. A usuária Mariana Leite, que pega o Trensurb todos os dias para ir e voltar do trabalho, afirma que a situação está “horrível”. “Eu odeio o trem novo. Dependendo da estação, para várias vezes”, diz, enquanto aguarda por um trem na estação Aeroporto.

Pedro Nunes utiliza o serviço de trens todos os dias para ir de Canoas, onde mora, para Porto Alegre, onde estuda e trabalha, e também percebeu o aumento nos problemas desde a implantação dos novos veículos. “Toda semana passou por uma situação dessas”, afirma.

Por outro lado, João Batista Varriento, também um usuário diário do trem, diz que não notou nenhuma diferença do número de atrasos para anos anteriores. “Atraso sempre tem, mas nada fora do normal”, disse.

Contudo, a própria Trensurb reconhece que estão ocorrendo mais atrasos neste ano do que no ano passado por causa dos trens novos. “Essa sensação de aumento de atrasos é verdadeira e estão diretamente relacionados aos trens novos”, afirma Carlos Belolli, diretor de Operações do Trensurb.

De acordo com a assessoria de comunicação da companhia, o número de reclamações de usuários em relação aos trens novos também aumentou bastante. Um passageiro, inclusive, chegou a enviar uma carta pedindo que as novas composições não circulassem até Novo Hamburgo.

Porém, este aumento de atrasos já era esperado para os técnicos da Trensurb. Há até mesmo um termo técnico para isso: curva de bacia. “Quando tu colocas um novo sistema para operar, ele necessariamente passa por essa curva da bacia. Ele tem uma maior incidência de falhas no início de sua vida útil, depois ele estabiliza e, no final da sua vida útil, volta a ter uma quantidade alta de falhas”, diz Belolli.

O diretor salienta ainda que as falhas ocorrem no início devido a defeitos de instalação de componentes, falhas de projeto, falhas de fabricação e componentes inadequados.

Leia a matéria completa, no SUL21, clicando aqui.

__________________

Leia em Zero Hora:

Trensurb opera parcialmente após acidente com morte na estação Anchieta

Um acidente que resultou na morte de uma mulher de 25 anos interrompeu parcialmente as operações do trensurb nesta manhã.

Consulado dos EUA deve ser inaugurado no fim de 2016

Preocupação com segurança ao redor do mundo adiou realização de obras

 

Consulado dos EUA deve ser inaugurado no fim de 2016. Foto: Gilberto Simon. Porto Imagem

Consulado dos EUA deve ser inaugurado no fim de 2016. Foto: Gilberto Simon. Porto Imagem – 18/06/2015

Aguardado pelos gaúchos desde 2013, o novo Consulado dos Estados Unidos (EUA) na Capital deve ser aberto até dezembro de 2016. Em visita à obra, localizada na zona Norte, o cônsul-geral do país em São Paulo, Dennis Hankins, relatou que o adiamento se deve às mudanças no sistema de construção dos departamentos norte-americanos, por conta de problemas com a segurança em outros países.

Contando apenas com um Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto utilizado para agendar horários, oferecer informações a respeito da solicitação do visto e alguns tipos de renovações, a capital gaúcha também será local para as solicitações e entrevistas, acabando com a necessidade de se deslocar até São Paulo, Rio de Janeiro, Recife ou Brasília para obter o visto. “Cerca de 10% dos dois milhões de brasileiros que foram aos Estados Unidos no ano passado eram do Sul do país”, relatou Hankins.

Atualmente, São Paulo recebe 600 mil pedidos anualmente. “Com a facilidade e a economia através da obtenção do visto na Capital, a expectativa é de que novos turistas se interessem em visitar os Estados Unidos”, ressaltou Hankins. Segundo ele, o impacto do turismo brasileiro é importante para o país anglo-saxão.

Com a fixação do departamento americano, o cônsul-geral acredita que a relação entre o país e o Rio Grande do Sul devem gerar frutos em setores como ciência, comércio, educação e intercâmbio. “Já possuímos relações bilaterais com o Rio Grande do Sul. Com a abertura do Consulado, as relações aumentarão com investimentos no Estado e vice-versa”, disse.

Os recursos aplicados na construção do novo Consulado giram em torno de R$ 90 milhões. Cerca de 20 funcionários consulares devem trabalhar no local entre norte-americanos e brasileiros. As medidas de segurança adotadas no projeto envolvem o distanciamento com as vias do entorno, a utilização de câmeras de segurança e a construção de muros altos. Mesmo assim, o cônsul-geral garantiu que a plasticidade da estrutura é parte importante do projeto. “Queremos passar uma boa imagem para a população, através de uma estrutura agradável e cheia de luz”, argumentou.

Veja mais uma foto, pela Rua Bezerra de Menezes:

Foto: Gilberto Simon. Porto Imagem

Foto: Gilberto Simon. Porto Imagem – 18/06/2015

Matéria: Correio do Povo / Fotos: Porto Imagem

DEP adia início de obras no túnel da Conceição

Objetivo é resolver problema dos alagamentos sem bloqueio no trânsito

DEP adiou início de obras no túnel da Conceição | Foto: Tarsila Pereira

DEP adiou início de obras no túnel da Conceição | Foto: Tarsila Pereira

O Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) adiou o início das obras de drenagem no Túnel da Conceição, que estava marcado para começar no próximo sábado. Nesta quinta-feira, o DEP informou que o objetivo é “esgotar todas as possibilidades da tecnologia existente para cessar os alagamentos na via antes de iniciar uma obra de grande porte” que terá que causar bloqueios no tráfego no túnel.

Foi iniciado pelo DEP um trabalho de limpeza para extrair materiais como caliça e pedras que possam obstruir as redes de drenagem do túnel. Durante avaliações preliminares, foi verificado que pode haver obstáculos na nova rede pluvial, o que vai aumentar o prazo para execução da obra caso seja necessária.

“Precisamos de cautela e segurança para realizar uma intervenção complexa e com impacto significativo na área central da cidade. Somente após o resultado das sondagens, do levantamento topográfico e da desobstrução com equipamentos potentes, o DEP poderá montar um novo plano de obras e um novo cronograma“, afirma o diretor-geral do DEP, Tarso Boelter.

Para evitar que novos alagamentos possam ocorrer em caso de chuva, o DEP garante que manterá uma equipe técnica de plantão para a necessidade de intervenções no Túnel da Conceição, como uso de caminhão-vácuo para sucção das águas excedentes e desobstruções paliativas.

Correio do Povo

Obras da trincheira da Cristóvão Colombo avançam para nova etapa (veja fotos inéditas)

Fortunati e os secretários Schmitt e Zacher acompanharam os trabalhos   Foto: Luciano Lanes / PMPA

Fortunati e os secretários Schmitt e Zacher acompanharam os trabalhos   Foto: Luciano Lanes / PMPA

As obras da trincheira da avenida Cristóvão Colombo, na Terceira Perimetral, estão passando por uma nova etapa. No início da tarde desta quinta-feira, 25, o prefeito José Fortunati, o secretário de Gestão, Urbano Schmitt, e o secretário de Obras e Viação, Mauro Zacher, acompanharam o andamento dos trabalhos.

Estão em andamento as escavações para a passagem subterrânea sob a pista da avenida Dom Pedro II e a instalação das estacas do canteiro, localizado no corredor de ônibus da perimetral. Também estão em fase de execução a rede pluvial e o passeio público entre a rua Felicíssimo de Azevedo e a Dom Pedro II.

No local, Fortunati falou sobre os avanços da obra e o cumprimento dos prazos pelo consórcio responsável pelo projeto. Conforme o prefeito, aspectos externos interferem no pleno andamento das obras, como a desapropriação de uma área de um condomínio e a derrubada de um muro protegido pelo patrimônio histórico da cidade, que precisa ser licitado.

“Temos dois problemas para resolver, um deles é com o condomínio que fica nas proximidades e nós já temos um acordo judicial sobre o valor da indenização da desapropriação. E o outro é a remontagem de um muro que foi tombado pela Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural da Escola do Verde. São duas questões que fugiram completamente do planejamento da obra”, destacou.

A previsão de conclusão da obra completa é para o primeiro semestre de 2016. Entretanto, para outubro deste ano está prevista a liberação do trânsito e dos corredores de ônibus na Dom Pedro II.

Trechos já concluídos – No trecho à direita de quem se desloca da zona Sul em direção ao aeroporto, pela Terceira Perimetral, já foram executadas as redes de drenagem pluvial, de água e de esgoto cloacal. No local, também foram colocados os postes da nova iluminação pública.

Trincheira – A trincheira terá extensão de 198 metros, contando com duas faixas de trânsito em cada sentido e pistas que permitem acesso à Terceira Perimetral. A passagem subterrânea integra o conjunto de cinco grandes obras executadas com o objetivo de qualificar o fluxo do trânsito no local. O valor total da obra é de R$ 12,5 milhões.

Veja mais fotos :

Todas as fotos de Luciano Lanes / PMPA

Prefeitura der Porto Alegre

Diminui o número de turistas estrangeiros em Porto Alegre

Cadê o legado da Copa?

Foto: Gilberto Simon - Porto Imagem

Foto: Gilberto Simon – Porto Imagem

Conforme sindicato que representa hotéis e restaurantes da Capital, a chegada de gringos recuou 20%. Dados da prefeitura apontam que a chegada dos visitantes que vêm de outros países cresceu só 2,3%

Troféu prometido pelo esforço da Capital em atrair jogos da Copa do Mundo, o desembarque maciço de turistas estrangeiros após o torneio — seduzidos por uma Porto Alegre que conheceriam pela TV ou pelas maravilhas contadas por amigos que estiveram na cidade — ainda não foi entregue.

(…)

Leia a matéria em Zero Hora, clicando aqui.

Arena do Grêmio ganha condição de multiuso

Estádio passa a ter uma agenda de eventos além dos jogos

Arena do Grêmio ganha condição de multiuso | Foto: Lucas Uebel / Flickr Grêmio / Divulgação / CP

Arena do Grêmio ganha condição de multiuso | Foto: Lucas Uebel / Flickr Grêmio / Divulgação / CP

Dois anos e meio após a inauguração, a Arena do Grêmio, enfim, começa a merecer a alcunha de espaço multiuso. Eventos de pequeno e médio porte têm movimentado o estádio em diversos dias em que não ocorrem jogos por lá. A representatividade no faturamento não é grande, mas é uma verba sem riscos. O grande entrave nas finanças da gestora do estádio é o pesado financiamento. Não fosse ele, o empreendimento em si seria superavitário.

Em 2014, a receita da Arena Porto-Alegrense foi de R$ 40 milhões. As despesas ficaram na casa dos R$ 30 milhões. O problema é que o financiamento do BNDES é bem superior a estes R$ 10 milhões. Neste ano, a conta a ser paga para Banrisul, Banco do Brasil e Santander é de R$ 45 milhões. “Não fosse a dívida, teria um superávit entre R$ 8 milhões e R$ 10 milhões”, destaca o presidente da gestora do estádio, Eduardo Peña. A expectativa, na atual temporada, é aumentar um pouco as receitas, mas não se avançará muito dos R$ 40 milhões.

O futebol é o carro-chefe. São poucas as partidas que não dão lucro na bilheteria. Principalmente o Gauchão. Com um público de 15 mil, o estádio já consegue empatar com os custos de cerca de R$ 200 mil para abrir. Nesta temporada, contra Brasil-Pel., Veranópolis, Juventude. São Paulo-RG, Campinense, Ponte Preta e Figueirense o lucro ficou abaixo desta receita. No ano passado, foram oito jogos.

Outros eventos, no entanto, têm ganho espaço. A projeção é que rendam R$ 2 milhões em 2015. “Representa 5% das receitas, porque entramos apenas como locatários do espaço, sem nos envolver com venda de ingressos e outras partes. Mas, também, não há nenhum risco para a gente”, salienta Peña. Segundo o mandatário da Arena Porto-Alegrense, é possível aumentar esta parte para até 15%.

Metal, britpop e UFC na Arena

Três grandes shows internacionais — para gostos variados — e o UFC podem ser os eventos de grande magnitude para os próximos meses na Arena. A gestora tem negociações para realizar apresentações de Iron Maiden, Coldplay e Andrea Bocelli, no início de 2016, além de sediar o principal evento de MMA ainda no fim deste ano.

“A negociação com o Coldplay está um pouco mais adiantada”, confirma o presidente da Arena Porto-Alegrense, Eduardo Peña. A banda britânica está programando uma turnê pela América do Sul para os primeiros meses de 2016 e passaria pelo Brasil entre março e abril. Com os outros dois, as tratativas estão ainda em fase inicial. O Iron Maiden lançará o seu álbum novo, “The Book of Souls”, em setembro e está programando uma turnê para o próximo ano. O primeiro grande show internacional do estádio gremista será o Pearl Jam, em novembro.

O sonho de receber o UFC com um dos seus maiores públicos da história é ter Fabrício Werdum fazendo a primeira defesa do cinturão dos pesos-pesados, conquistado mês passado, no México, contra Cain Velasquez. “Estamos conversando sobre isso. Seria um evento para aos menos 30 mil pessoas”, explica Peña.

O lutador gaúcho, declaradamente gremista, nunca escondeu a vontade de realizar um combate na Arena. O desejo foi reforçado com a conquista do cinturão na “casa” do adversário, já que lutou na Cidade do México contra um oponente descendente de mexicanos. No entanto, será extremamente difícil convencer a organização do UFC a tirar a sua primeira defesa do título da cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos.

William Lampert – Correio do Povo

Parques tecnológicos de Barcelona são modelo para o 4º Distrito

Comitiva de Porto Alegre visitou o modelo de smart city com 4,5 mil empresas   Foto: Divulgação/PMPA

Comitiva de Porto Alegre visitou o modelo de smart city com 4,5 mil empresas   Foto: Divulgação/PMPA

A comitiva de representantes da prefeitura, Câmara Municipal e de empresários dos setores da tecnologia da informação, saúde, ensino e pesquisa e da construção civil iniciou nesta segunda-feira, 22, visita ao distrito de inovação 22@Barcelona, na Espanha, referência para o projeto de desenvolvimento do  4º Distrito de Porto Alegre, que compreende parte dos bairros Floresta, Navegantes, Humaitá, Farrapos e São Geraldo.
O modelo de smart city que atraiu 4,5 mil empresas, como Microsoft, Sanofi-Aventis, Groupalia, Capgemini, Schneider Electric, Indra, Cisco e diversas startups também iniciou-se numa área semelhante ao 4º Distrito da capital gaúcha, que perdeu a vocação industrial, mas possui grande potencial urbanístico e de empreendedorismo e inovação.

De acordo com o secretário municipal da Fazenda, Jorge Tonetto, que coordena o grupo junto com o secretário de Urbanismo, Valter Nagelstein, nesta primeira fase do projeto está sendo discutido todo o equipamento urbano necessário para dar uma ambiência de qualidade ao local e atrair investimentos de empresas.

A comitiva foi recepcionada pelo presidente do Escritório de Crescimento Econômico da prefeitura de Barcelona, Josep Piqué, que apresentou, pela manhã, a Rede de Parques Científicos e Tecnológicos de Catalunha, o Barcelona Synchrotron Park, Parc Tecnològic del Vallès e Parc de Recerba UAB.

À tarde, o grupo foi recebido pelo secretário de Inovação e Desenvolvimento Econômico da prefeitura de Barcelona, onde foram identificadas ações de parceria para a construção de um ambiente de inovação no 4º Distrito.

Além dos secretários, integram a comitiva o presidente da Câmara Municipal, Mauro Pinheiro, o vereador Kevin Krieger, os dirigentes do setor de Tecnologia da Informação (TI), José Antônio Antonioni, da Softsul, Eduardo Hahn da Sucesu-RS, e Letícia Batistela, da Assespro-RS.

Do setor de ensino, o pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento da PUCRS, Jorge Audy; da Saúde, Salvador Gullo Filho, do Porto Alegre Health Care; e do Sinduscon, Ricardo Sessegolo e Antônio Zago.

Prefeitura de Porto Alegre

 

EPTC analisa autuar pelas imagens das câmeras de monitoramento

Resolução permite que procedimento seja estendido para todas as vias  Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

Resolução permite que procedimento seja estendido para todas as vias  Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) projeta, para a próxima semana, o início das ações que possibilitarão a autuação dos infratores de trânsito através das imagens das câmeras de monitoramento da circulação na cidade. Essas autuações se tornaram possíveis pela recente publicação da Resolução 532/2015, que altera a Resolução 471/2013, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Anteriormente, conforme a Resolução 471/2013, a fiscalização somente poderia ser realizada nas estradas e rodovias. Agora, com a nova resolução, este procedimento foi estendido para todas as vias, contanto que haja a disposição de sinalização indicativa de fiscalização.

O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, explica a medida. “Muitos motoristas somente respeitam as leis de trânsito na presença dos agentes de fiscalização. Fora isto, cometem uma série de infrações, com graves riscos à segurança dos demais condutores e dos pedestres. Esta decisão do Contran, de também liberar autuações pelas câmeras de monitoramento, busca reduzir a acidentalidade, aliada às permanentes ações de educação para o trânsito na cidade”.

Prefeitura de Porto Alegre