Ministro afirma que capital deve receber recursos para linha 2

O Ministro das Cidades, Márcio Fortes, disse na tarde desta segunda-feira que Porto Alegre tem boas chances de receber recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a segunda linha do metrô.

Segundo Márcio Fortes, a idéia é construir uma linha circular de 20 quilômetros que sairá do Centro de Porto Alegre passando pelo Beira-Rio e pelo campus da UFRGS no bairro Agronomia.

Fonte: zerohora.com



Categorias:Economia Estadual, Metro Linha 2

5 respostas

  1. Acho meio absurdo que a Avenida Assis Brasil (sobretudo a região do Obirici) não tenha PRIORIDADE MÁXIMA neste projeto. Mas, de qualquer forma, venha onde vier, o metrô será bem vindo, festejado e, sobretudo, muito utilizado.

    Curtir

  2. Olhando a edição de hoje da Zero Hora, aparece um outro traçado ainda. A linha se bifurcaria na Antonio de Carvalho com a Bento, com um ramo indo para o Campus do Vale e outro indo em direção a Baltazar.

    Curtir

  3. Saiu hoje no Correio do Povo (e, suponho, também na ZH) uma matéria com o traçado proposto para a linha 2. A curva Sul-Leste é realmente embaixo do Shopping, seguindo pela Av. Bento Gonçalves até o Campus do Vale, na primeira etapa. Depois, a linha iria costeando o morro santana até a Manoel Elias, indo até a Sertório com a Assis Brasil. Depois, o bê-a-bá Assis Brasil-Cairu-Farrapos-Centro

    Curtir

  4. Concordo plenamente com o fmobus no que diz respeito a atender as zonas de maior demanda primeiramente (ZN). Na minha opiniao, nao faz muito sentido ter uma obra que ligue o bairro Agronomia com o Centro. Gostaria que as autoridades, os arquitetos e engenheiros responsaveis pelo projeto da linha 2 levassem em consideracao que a ZN precisa muito mais desafogar o seu transito do que a ZLeste, pelo menos no momento atual. Daqui a 10 anos talvez vejamos aquela regiao ainda mais saturada doque ja e hoje, ao passo de que a ZL poderia aguardar mais um pouquinho.

    P.S.: Meu teclado nao tem acentos!!!

    Curtir

  5. Eu continuo me questionando se o planejamento proposto é factível, e se essa notícia é fiel ao que está realmente projetado.

    1) O projeto original, até onde eu pude pesquisar, prevê que a curva do Sul para o Leste se daria nas imediações do Shopping Praia de Belas – isto tornaria o atendimento à demanda do Beira-Rio “meia-boca”, pois algum esquema com ônibus precisaria ser montado para levar o público ao Estádio.

    Do jeito que a notícia está escrita, parece que querem prolongar a reta, deixando a curva para mais perto do Beira-Rio – não exatamente trivial, pois estaríamos fazendo um “balão” enorme, já que a linha ainda teria que voltar pra Av. Bento Gonçalves posteriormente. Além disso é necessário considerar que cavar o Morro Santa Teresa, que avizinha o estádio, pode ser bem mais difícil.

    2) Inicialmente, pensava eu que construir o trecho Centro-Shopping (ou mesmo até o Beira-Rio) seria suficiente para a Copa. Ledo engano. Um engenheiro do Trensurb explicou-me que a operação do metrô requer um “pátio de manobras” e que isto requer MUITO espaço aberto, coisa que só existe na Agronomia. Por isso, por mais que a parte “difícil” da obra (cavar o túnel) seja completada no trecho entre o Centro e o Shopping/Estádio, o metrô só pode operar quando o pátio (na Agronomia) estiver pronto.

    Existem, é claro, alternativas que precisam ser consideradas, até pelo bem do planejamento de longo prazo.

    1) uma estação-terminal no Beira-Rio só se justifica nesse lugar para os dias de jogos. Para os demais dias, a estação traria mais benefícios à Zona Sul se se encontrasse nas mais ao Sul, nas imediações do Barra Shopping. De quebra, isso já resolveria o problema de trânsito da Av. Padre Cacique.

    Claro, o atendimento ao lado leste da cidade ainda requereria uma linha sob a Bento. Talvez uma bifurcação na altura do Praia de Belas já fosse o ideal. A operação ficaria parecida com a de NY, onde mais de um linha corre no mesmo trilho. Uma linha 2A e uma 2B. Simples.

    Isso não resolve o problema do pátio, que me traz à:

    2) o pátio precisa mesmo ser na Agronomia? Que outras áreas da cidade suportam uma estrutura desse tipo hoje?

    Vejo o próprio pátio de manobras da linha 1 como opção. Talvez o pátio da linha 1 só deve suportar hoje a linha 1, e necessitaria de expansão. Tal expansão poderia ser nas proximidades, no próprio Humaitá, ou talvez entre o aeroporto e a Freeway (bairro Anchieta). Tudo isso requer, é claro, que a linha 1 seja interligada com a linha 2, coisa que não é prevista hoje, e que a bitola e sistemas de controle sejam compatíveis. Essa é a opção que prefiro.

    Outra opção seria começar a linha pela área de maior demanda (Zona Norte), com o pátio de manobras entre a FIERGS e a freeway e, de lá, dirigir-se ao Estádio Beira-Rio. Mas aí basicamente teríamos o mesmo problema, pois a obra tornaria-se MUITO grande. Mas pelo menos atenderia um lugar mais importante primeiro.

    Idealmente, construir-se-ia o metrô uma estação ou duas por vez, pelo menos. Isso não exigiria aportes tão grande de dinheiro, com tantas possibilidades para falhas políticas de uma vez só. É assim que se faz no resto do mundo. Infelizmente, esta opção não é muito viável aqui 😦

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: