Espanhóis investirão R$ 1,2 bi em Tapes

Grupo arrendou 13 mil hectares na região para a instalação de 280 torres

Um megainvestimento em energia na cidade de Tapes, às margens da Lagoa dos Patos, será anunciado hoje pelo grupo espanhol Impel. Costurado há dois anos, o negócio prevê a construção de um parque eólico com capacidade para gerar 588 megawatts (MW) de eletricidade.

O investimento pode chegar a R$ 1,2 bilhão em Tapes, mais uma área para geração de energia eólica como Osório, Tramandaí e Palmares do Sul. As medições realizadas na cidade durante os últimos 12 meses confirmaram o potencial de geração do vento, avaliado como superior a Osório, que abriga um parque eólico com capacidade de 150 megawatts (MW).

Segundo o presidente da Impel do Brasil, Lusivaldo Monteiro, a posição geográfica de Tapes permite uma captação certificada entre 10% e 20% a mais que no litoral norte do Estado. O projeto, que será iniciado pela localidade de Santa Lúcia, prevê a instalação de 20 parques com 14 aerogeradores cada um. No total, deverão ser instaladas 280 torres de geração de eletricidade. Osório tem 75.

– O investimento já está definido. Temos 13 mil hectares arrendados na região e parceiros da China e da União Europeia para fazer frente ao tamanho do empreendimento – disse Monteiro.

O executivo explicou que os sócios do empreendimento, que inclui também uma parceria com a indiana Suzlon, serão apresentados ao governo do Estado em março. O projeto de Tapes poderá ser acelerado dependendo do resultado do próximo leilão de energia renovável, marcado pelo Ministério das Minas e Energia para o segundo trimestre do ano – entre abril e junho. A expectativa é de uma compra de 2 mil MW por parte do governo, entre energia eólica, termelétricas a biomassa, hidrelétricas e gás natural.

Empresa espera vender cerca de 400 MW em leilão

A expectativa da Impel, segundo Monteiro, é vender cerca de 400 MW de energia no leilão, como forma de viabilizar o investimento. Mas o prefeito de Tapes, Sylvio Tejada, não é tão otimista. De acordo com Tejada, o Rio Grande do Sul apresenta menos competitividade que projetos eólicos estruturados para o Nordeste do país.

– O negócio (com a Impel) é consistente, e eu estou otimista. Mas leilão é leilão – advertiu o prefeito.

Tejada disse que iniciou negociações com a CEEE para a implantação de uma subestação de energia na região, como forma de facilitar a distribuição de energia e tornar a operação mais competitiva. Segundo o prefeito, o governo estadual tem mostrado boa vontade com o empreendimento.

O CEO mundial da Suzlon, Tulsi Tanti, também estará hoje em Tapes para visitar os locais onde deverão ser instalados os parques eólicos. As duas empresas já têm projetos conjuntos, incluindo um parque eólico de 6,3 MW na Paraíba, que começou a gerar energia há duas semanas. Por meio da assessoria de imprensa, a empresa negou que o investimento em Tapes esteja definido, embora reconheça o “enorme potencial do Rio Grande do Sul em termos de geração eólica”.

À tarde, Tanti tem audiência com o governador Tarso Genro em Porto Alegre. O empresário quer convencer o governo estadual a facilitar a montagem de uma fábrica de componentes para aerogeradores, incluindo capacitores eletrônicos de alta tecnologia. O empreendimento teria como vantagem competitiva a construção de um terminal hidroviário em Tapes, previsto para integrar as obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) 2.

Zero Hora

Share



Categorias:Economia Estadual

Tags:,

3 respostas

  1. Esse é o famoso PACderme.

    Curtir

  2. Show de Bola.. queremos Tapes crescendo da melhor forma possível..

    Curtir

  3. RS bombando einho…
    =D

    Imagina da qui uns anos, tu pega a estrada e ve varios desses girando porae..
    ashuashuasshuas

    Isso pode virar atração turistica se o estado divulgar… =D

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: