Secretário municipal garante apartamentos para 680 famílias da Vila Liberdade

Da Redação

Um incêndio na Vila Liberdade deixou 150 famílias desabrigadas no dia 27 de janeiro | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Um incêndio na Vila Liberdade deixou 150 famílias desabrigadas no dia 27 de janeiro | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

O secretário municipal de Direitos Humanos de Porto Alegre, Luciano Marcantônio, garantiu nesta quarta-feira (6) que as 680 famílias residentes da Vila Liberdade, inclusive as 150 que tiveram as casas incendiadas no dia 27 de janeiro, serão reassentadas na mesma região, em condomínios populares. As moradias serão construídas pela prefeitura como parte do programa Minha Casa, Minha Vida.

O secretário afirmou que a área onde houve o incêndio foi cercada pela prefeitura para evitar que outras famílias ocupem o local. “Desde o incêndio, a Prefeitura tem dado toda assistência às famílias, que estão abrigadas numa escola do bairro ou alojadas, por vontade própria, no leito da avenida Voluntários da Pátria”, afirmou Marcantônio.

Além da construção do conjunto de prédios na área onde houve o incêndio, na rua Frederico Mentz, 65, outro prédio será erguido no número 303 na mesma rua. De acordo com o secretário, a prefeitura pagará alugal social ou construirá casas ecológicas de emergência para as famílias que perderam suas moradias no fogo. . “Caberá a cada família fazer sua opção”, explicou o secretário. Ele acrescentou que todas as decisões envolvendo a Vila Liberdade foram debatidas no domingo (3) entre a prefeitura e a comissão de moradores da região.

O diretor-geral do Demhab, Everton Braz, confirmou a declaração do secretário sobre a construção de dois condomínios verticais, com cinco pavimentos cada, em duas áreas da Vila Liberdade. De acordo com o arquiteto do Demhab Fernando Biffignandi, os prédios terão apartamentos de 50 metros quadrados, com dois ou três dormitórios, e sacada de 2,5 metros. Além disso, os condomínios terão construções para postos de saúde, creches, associações comunitárias, praças de lazer, estacionamentos e ciclovias.

SUL 21 – Com informações da Câmara Municipal de Porto Alegre



Categorias:Outros assuntos

Tags:,

27 respostas

  1. cada coisa citada aqui que meu Deus, também sou contra de dar as casas, que cobrem 40 mangos por mês já ta bom! Tem algumas pessoas aqui que parecem ter nascido em berço de outro e acham que se tem gente que mora em favela mora lá porque quer! A maioria da população ganha um salário mínimo ou come ou mora em um lugar descente, então vamos pensar um pouco e parar com isso de que o pessoal mora em favela porque quer, aposto que a maioria não tem condições de pagar para sua família morar em um lugar melhor!

    Curtir

  2. Invasões sempre ocorreram, muitas promovidas por políticos como a da Vila dos Comerciários, agora famigerada Vila Cruzeiro….e como aparece gente para invadir….

    Curtir

  3. Não é verdade. Muitos destes assentamentos irregulares são feitos de forma consciente e organizada. Já vi relatos de uma vila começando com um caminhão trazendo pessoas e material pra construir casebres. Não duvido que seja obra de políticos pra angariar votos.

    Outro problema é que temos que tratar todos igualmente. Então como ficam as outras fatias aqui desta cidade que também moram em favelas? Por que não damos casas pra elas também? Eles vão ter que botar fogo na vila deles?

    Acho correto dar assistência às pessoas, mas é errado melhorar as condições delas sem uma contrapartida equivalente as capacidades de cada um.

    Curtir

    • Fatias = famílias

      Curtir

      • todas as ocupações têm que receber tratamento prioritário da prefeitura. algumas possuem situação consolidada, sem necessidade de remoção, inclusive com serviços essenciais, aí o problema acaba sendo mais de regularização jurídica. outras, mais precárias, têm de ser priorizadas, como a Liberdade. mas a questão não é “não regularizar nenhuma porque não posso regularizar todas”. pelo jeito concordamos que falta política de regularização em porto alegre de maneira eficaz.

        Curtir

    • eu disse que não ocorrem nem ocorriam SOMENTE por má-fé. portanto o teu “não é verdade” tá sobrando, amigo, pois não invalida meu argumento. o que disse é que o fenômeno é mais complexo do que alguns comentários supõem aqui, e enquanto não se sabe a origem dessa ocupação, minha presunção é de “inocência” e análise ponderada sobre a importância e justiça da política de regularização, e não da moralidade da ocupação. de qualquer forma, concordaria com muitos casos de ocupação consciente e organizada com caminhões trazendo pessoas e materiais em área especulada, loteada clandestinamente, usada para trabalho escravo (no campo) e de outras características.

      Curtir

  4. A invasão há muito foi institucionalizada em PoA.

    Já houve até quem invadiu o Guaíba…

    Curtir

  5. “Dar” a casa pode não ser o ideal, mas aí tem que ver que o descaso do poder público no passado foi que gerou essa situação, ou seja, apenas a metade da culpa é destas pessoas. Já que o erro foi no passado, cabe ao presente corrigi-lo.

    A questão é: hoje as favelas estão aumentando? O poder público não está mais atuante para evitar isso? Se as pessoas *continuam* invadindo áreas públicas, aí sim é um problema que pode ser evitado.

    Não há mais pressão demográfica (mesmo entre os miseráveis a taxa de natalidade já é baixa), tampouco êxodo rural que justifique que o descaso público continue. Cabe apontar o dedo para isso, não aos moradores da Liberdade.

    Curtir

    • Vcs são muito novos, mas existia o BNH Banco Nacional da Habitação que subsidiava moradia em 15, 20 anos, mas como tudo o que dá certo no Brasil eles terminam, o BNH, foi extinto….Ninguém ganhava moradia, a prestação ia decrescendo até chegar, como eu vi, em 4,00 cruzeiros ( não pagava nem o boleto bancário). E a inadinplência era mínima!!!!!

      Curtir

    • primeiro comentário sensato. moradia regularizada sempre foi bem escasso e caro. e as ocupações não ocorriam nem ocorrem somente por má-fé de quem quer casa de graça (quando anunciam um projeto de regularização, de fato isso acontece), há também êxodo, desemprego, loteamentos clandestinos, etc. etc. e não se trata de coitadismo ou privilégio, é política pública que traz benefícios para a cidade inteira, essa população pode acessar serviços, emprego, renda, consumo, pode diminuir problemas de saúde e de violência. e quem paga por tudo isso quando a situação é precária? o poder público tb. então é melhor subsidiar moradia e urbanização (sim, eles devem pagar um taxa pequena de financiamento), do que gastar com todos esses atendimentos precários. sério, não consigo entender a suposta injustiça que algumas pessoas sentem por ver gente “ganhando casa enquanto eu pago impostos”. que tal experimentar todas as outras privações que essas populações têm?

      Curtir

      • Não é verdade. Muitos destes assentamentos irregulares são feitos de forma consciente e organizada. Já vi relatos de uma vila começando com um caminhão trazendo pessoas e material pra construir casebres. Não duvido que seja obra de políticos pra angariar votos.

        Outro problema é que temos que tratar todos igualmente. Então como ficam as outras fatias aqui desta cidade que também moram em favelas? Por que não damos casas pra elas também? Eles vão ter que botar fogo na vila deles?

        Acho correto dar assistência às pessoas, mas é errado melhorar as condições delas sem uma contrapartida equivalente as capacidades de cada um.

        Curtir

  6. Nesse país sem ordem, me sinto um trouxa por pagar todos os meus impostos e tentar fazer tudo de acordo com a lei. O governo está ensinando a todos que invadir terreno público vale a pena. Da mesma forma, pequenos empresários percebem que o governo não faz questão que a sociedade obedeça a lei, e aí acontece a tragedia em santa maria.

    Curtir

  7. Parabéns a eles. Invadem uma área que não é deles e ainda por cima ganham uma casa nova, sem custo.

    Curtir

    • parabéns também pela tua preguiça intelectual

      Curtir

      • Vc junior não sabe o esta falando pra falar vc deve estudar mais a constituicao pq vc deve ser um rapaz q não tem com o que se preocupar tem um teto para morar,não passa fome,sede,e além do mais tem um preconceito maior do que vc mesmo mas a gente não da bola pra pessoas q nem vc………pense antes de vc falar……

        Curtir

  8. Só eduquem eles e toca regras para evitar puxadinhos e lixões na area.

    Por que não criam moradias populares bonitas?
    Tem como fazer isso sem gastar muito.

    E favor, nada de entregar de graça.

    Curtir

  9. Só espero que não acumulem mais lixo junto ao conjunto habitacional.

    Moradia digna não combina com aspecto de lixão.

    Quero ver como a Prefeitura vai corrigir isso.

    Curtir

  10. Também quero uma casinha…como eu faço? Ergo um barraco em “área verde” dou um tempo boto fogo nela e ganho um apê? De graça não tem graça! tem que pagar alguma coisa….só tenho aquilo que pago, sou cidadão pago muitos impostos e não tenho nada em troca….Então a regra deve valer para todos.

    Curtir

  11. Perfeito, só não concordo que essas casas sejam DADAS GRATUITAMENTE.

    Curtir

  12. Ó não, o terreno virar moradia em vez de um estacionamento!!! (sarcasmo)

    Curtir

    • “Além da construção do conjunto de prédios na área onde houve o incêndio.”

      Acabou com as esperanças de um dia ver aquele bairro revitalizado.

      Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: